Seleccione Edição
Login

Ideólogo do trumpismo desembarca na Europa: “A história está do nosso lado”

Steve Bannon se mobiliza para ajudar o movimento nacional-populista europeu

Lille / Pomigliano d'Arco (Nápoles)

Steve Bannon, o ex-assessor áulico de Donald Trump que aparentemente havia caído em desgraça, agora se mobiliza para promover o movimento nacional-populista na Europa. Bannon visitou nesta semana a Itália, onde os partidos contrários ao establishment venceram as eleições gerais. Reuniu-se com dirigentes da legenda radical alemã AfD. E, no sábado, foi a estrela no congresso do velho partido ultranacionalista francês, a Frente Nacional (FN). “A história está do nosso lado”, proclamou Bannon ante os militantes de um partido deprimido após a derrota nas eleições presidenciais de 2017 para Emmanuel Macron.

Steve Bannon com Marine Lhe Pen no Congresso da Frente Nacional em Lille neste sábado.
Steve Bannon com Marine Lhe Pen no Congresso da Frente Nacional em Lille neste sábado. AFP

Bannon injetou neste sábado uma boa dose de adrenalina e otimismo na FN, cuja líder, Marine Le Pen, propõe uma refundação e uma mudança de nome, sem que ela — filha do fundador, Jean-Marie Le Pen — abandone o poder. Ladeado por duas imensas bandeiras norte-americanas, falando de pé e vestido com jeans e jaqueta, o ideólogo do trumpismo apresentava uma imagem que rompe radicalmente com a ultradireita tradicional europeia e com a do nacionalismo francês.

“Não vim aqui para ensinar nada, e sim para observar e aprender”, disse em inglês, enquanto uma intérprete traduzia suas frases, no centro do congresso de Lille, a principal cidade do norte industrial. “Vocês não estão sozinhos”, repetiu várias vezes a um público entusiasmado, vinculando a FN a outros partidos e movimentos da Europa e de outras partes do mundo.

Bannon deu por terminada a divisão entre esquerda e direita. No mundo inteiro, diz ele, a batalha é dos nacionalistas e populistas contra os chamados globalistas — encarnados, entre outros, pelo presidente francês Macron.

Um dos paradoxos da visão de Bannon é que enfatiza o nacionalismo, mas ao mesmo tempo propõe um movimento global. Outro paradoxo é que ele intervenha numa Frente Nacional ideologicamente desorientada, que não sabe se dá prioridade ao tradicional discurso contra a imigração ou ao discurso antieuropeísta. E outro: a personalidade favorita de Bannon neste partido sempre foi Marion Maréchal-Le Pen, sobrinha e rival de Marine. E ele não escondeu isso. Numa coletiva em Lille com Marine Le Pen, Bannon teceu ardentes elogios à sobrinha, “uma das pessoas mais impressionantes do mundo inteiro”.

À frente da publicação Breitbart News e da campanha eleitoral de Trump em 2016, Bannon transformou em estratégia vencedora a ideologia antielite, anti-imigração e antimundialização da extrema-direita dos EUA. Agora, quer levar essa estratégia a uma Europa onde os populistas e os nacionalistas tiveram sucessos significativos em importantes países, o último deles a Itália.

“A única coisa que tento é ser a infraestrutura, globalmente, do movimento populista global”, disse Bannon nesta semana ao jornal The New York Times. Ele explica na entrevista que, para expandir suas ideias e estratégicas pelo mundo, estuda três possibilidades: comprar um grande meio de comunicação, ao estilo da Newsweek; criar um novo veículo à imagem do Breitbart; ou se associar e investir em grupos locais.

Existem limites para um possível efeito Bannon na Europa. Movimentos como a FN e outros partidos de extrema-direita do continente são fenômenos puramente europeus, que existiam antes do fenômeno Trump. E Bannon, após perder seu cargo na Casa Branca, já não conta com a influência que teve durante os primeiros meses do Governo republicano.

Bannon viajou à Itália para presenciar, em primeira mão, as eleições do último fim de semana. O país, castigado socialmente nos últimos tempos por uma crise econômica prolongada e um fenômeno migratório sem precedentes — mais de 600.000 desembarques em cinco anos —, é um terreno propício para as palavras de ordem populistas que funcionaram tão bem nos EUA. Obcecado com a ideia do nascimento de uma espécie de movimento nacional-populista, ele se encontrou com representantes da Liga Norte — um partido abertamente eurofóbico e xenófobo — para estudar a questão e incentivá-los na reta final da campanha. “Para observar o futuro da Europa, é preciso olhar para o voto italiano. Salvini [secretário da Liga Norte] já disse: o euro não sobreviverá. Tudo está nas mãos dos cidadãos. E a onda populista está só começando, porque a história está do nosso lado”, afirmou.

E talvez tenha razão. No dia seguinte, pela primeira vez na União Europeia (UE), dois partidos antiestablishment obtiveram mais da metade dos votos, alcançando maioria absoluta numa das eleições. Duas formações que nos últimos anos criticaram duramente as políticas da UE e ameaçaram deixar a moeda única caso a maioria dos tratados não seja modificada. De fato, a primeira coisa que Salvini fez, no dia depois de seu excelente resultado, foi atacar a UE.

Bannon observou tudo isso para traçar os rumos dessa corrente. “Os britânicos votaram e já estão fora. Se os italianos votassem, não sei o que aconteceria. Bruxelas e o Banco Central Europeu (BCE) devem começar a escutar os cidadãos. Quando há uma onda de imigrantes que chega ao sul da Itália e o peso recai sobre os trabalhadores, é preciso entender que algo não funciona. A imigração é gerida na África, não na Itália.” O país enfrenta agora um complicado processo de negociações para formar governo sem nenhuma maioria clara. Bannon almeja uma aliança entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga: o atual pesadelo da UE e dos mercados.

“Estamos felizes que isso aconteça. Não estamos isolados em nosso canto. Temos contato com o conjunto das grandes correntes do pensamento político mundial”, disse nos corredores do congresso da FN Philippe Olivier, braço direito de Marine Le Pen. “Concordamos sobre uma coisa: um certo número de oligarquias, chame-se Clinton nos EUA ou Merkel na Europa, impõe uma visão mundialista, ao passo que nós sugerimos uma visão nacional — e essa visão está se impondo praticamente em qualquer parte: nos EUA, na China, na Rússia, na Índia, no Reino Unido...”

A inspiração francesa do ex-assessor de Trump

A inspiração europeia — e, mais exatamente, francesa — de Bannon não é um segredo. Ele às vezes cita o romance Le Camp Des Saints (o campo dos santos), publicado nos anos setenta pelo veterano escritor monarquista e de direita Jean Raspail, como uma inspiração. A obra descreve uma invasão da França por hordas de imigrantes negros que chegam pelo mar. Algumas informações, não confirmadas, indicam que Bannon já mencionou como inspiração a Charles Maurras, o grande intelectual reacionário de meados do século XX, antissemita, nacionalista e partidário do regime colaboracionista de Vichy durante a Segunda Guerra Mundial. As ideias e o estilo de Trump e Bannon na campanha de 2016 faziam lembrar esse discurso apocalíptico sobre a imigração e a retórica agressiva e insultante de Jean-Marie le Pen, fundador da Frente Nacional.

MAIS INFORMAÇÕES