Celina Turchi: “Pesquisa em saúde pública não é luxo, é uma questão de segurança nacional”

Médica e cientista brasileira, reconhecida internacionalmente pela pesquisa que ligou o zika à microcefalia, alerta para os cortes de investimento na ciência

Mais informações

Uma epidemia mudou a vida da médica e cientista brasileira Celina Turchi, pesquisadora da Fundação Osvaldo Cruz em Pernambuco. Em 2015, a professora aposentada do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás foi responsável por formar uma rede de pesquisadores de diversas especialidades reunidos no Grupo de Pesquisa da Epidemia de Microcefalia - MERG (Microcephaly Epidemic Research Group), que, em apenas três meses conseguiu identificar como o zika vírus e a microcefalia estavam relacionados.

A velocidade da resposta à crise de saúde pública que tomava o Brasil e ameaçava outros países fez com que a médica fosse reconhecida pela revista científica Nature como uma das dez cientistas mais importantes em 2016. A revista norte-americana Time também listou a pesquisadora em 2017 entre as 100 pessoas mais influentes do mundo.

Dois anos depois, a emergência nacional passou, mas deixou sequelas. Os casos até há pouco classificados como “incomuns ou inesperados” já contam com algum conhecimento científico para serem combatidos. O mais recente Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde mostra que, em 2017, foram confirmados 235 casos de recém nascidos e crianças com microcefalia e alterações no desenvolvimento relacionados à infecção pelo vírus zika. Número muito menor em relação aos 1.869 casos de 2016 e aos 967 casos de 2015.

As doenças transmitidas por insetos vetores (como zika, dengue, chikungunya e febre amarela) continuam no topo da lista de prioridade da saúde pública. Mas o aparente controle sobre a situação mantém Celina Turchi em alerta. “Nossa preocupação é que as pessoas se sintam seguras e achem que não vai ocorrer mais”, afirma. Turchi conversou com o EL PAÍS sobre os desafios de fazer pesquisa de epidemias no Brasil. A entrevista com a pesquisadora encerra o especial Mulheres na Ciência publicada pelo EL PAÍS em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

Pergunta. Como avalia as medidas tomadas pelo Governo federal para conter a epidemia de zika?

Resposta. O Ministério da Saúde, respaldado pela Vigilância Epidemiológica e pelos pesquisadores, foi o primeiro a instituir um estado de emergência, em novembro de 2015, entendendo a gravidade e o desconhecimento sobre o surto de microcefalia. Foi esse alerta que motivou o olhar de outros países e a declaração posterior de emergência de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde. Houve coragem do Brasil de dizer que havia um evento extraordinário e com potencial de ser importante, e houve uma mobilização da comunidade científica.

P. O tempo de resposta foi adequado?

R. Obviamente gostaríamos que acontecesse muito mais rápido, mas o Ministério da Saúde naquele momento, que também era um momento de crise política, época do impeachment da Dilma, tomou as medidas necessárias nesse estado de emergência para facilitar o trâmite dos projetos, alocar recursos, mobilizar as comunidades. Mas há muito o que ser feito e obviamente medidas setoriais, feitas só pelo Ministério da Saúde, são insuficientes para interromper a transmissão de doenças que dependem de boa habitação, limpeza urbana...onde os efeitos das condições de vida inadequada se refletem na possibilidade maior de transmissão.

P. Passada a emergência, já podemos falar que está tudo sob controle?

R. O número de casos reduziu, o que já era esperado. Tivemos uma primeira onda epidêmica que aparentemente foi muito intensa, e as pessoas infectadas previamente agora estão imunes. Mas temos casos mais esporádicos de crianças com síndrome congênita do zika e de adultos com alterações neurológicas [Síndrome de Guillain-Barré]. Isso indica que o vírus continua circulando no Brasil. Por isso, corremos o risco de ter novos surtos. O monitoramento deve ser mantido. Nossa preocupação agora é que as pessoas se sintam seguras e acreditem que não ocorrem mais riscos. Temos que ficar em um alerta constante, porque essas doenças são sazonais. Um exemplo disso é a dengue, que circula a mais de trinta anos com epidemias periódicas.

P. Quais os maiores desafios hoje?

R. O grande desafio do ponto de vista de assistência é um atendimento adequado não só para a infecção nas gestantes, e o acompanhamento das crianças que, se tem síndrome congênita de zika precisam de cuidados multiprofissionais – neurológicos, ortopédicos, gástricos, acompanhamento nutricional –, assistência e monitoramento. Mas existem ações que estão fora do controle da saúde, e que dependem muito mais de medidas de redução da desigualdade social como melhor moradia, urbanização, acesso pronto à água adequada. São questões do ponto de vista populacional, da saúde das cidades de uma forma geral, onde o desafio é possibilitar que a transmissão seja interrompida de forma permanente, seja através do melhor controle vetorial [uso de parasitas, patógenos ou predadores naturais para o controle de populações transmissoras, como o mosquito aedes aegypti], seja no desenvolvimento de alguma vacina que possa em curto prazo dar uma imunidade duradoura para a população.

P. Em que pé estamos para a produção de uma vacina contra o zika?

R. Há interesse internacional nessa vacina. Sou otimista de que teremos a vacina em médio prazo, mesmo sabendo que ela tem que ser testada em laboratórios e na população. Por isso faço um apelo aos gestores públicos para que os recursos nessa área sejam mantidos ou aumentados.

P. Enquanto a vacina não vem, o que é possível fazer na prática?

R. Duas área que me parecem fundamentais. Primeiramente, pensar em um sistema de vigilância epidemiológica para arboviroses [doenças transmitidas por insetos vetores] de forma mais ágil e usando ferramentas mais modernas para captar o número de casos, como as mídias sociais. Outra medida é investir na manutenção e formação de recursos humanos em pesquisa. Sem a formação de novos pesquisadores, as respostas aos problemas e às perguntas na área da saúde ficam inviabilizadas. Esse é um investimento para garantir que a nação seja autônoma em relação a investigações de epidemias.

P. Como estão os recursos para manter pesquisas e o monitoramento da zika em meio a crise política e econômica?

R. Houve um esforço inicial de se colocar recursos em zika ou pelo menos nessas prioridades de saúde publica. Mas há uma sinalização de redução de recursos. Por isso é importantíssimo ressaltar que os recursos em pesquisa na área de emergência em saúde pública é mais do que recursos para o conhecimento, é uma questão de segurança nacional, de segurança das populações. Esse é um tipo de investimento que não pode ser cortado ou minimizado. Ele tem que ser mantido e ampliado. Pesquisa não é luxo, é necessidade e nessa área é uma questão de segurança nacional. Hoje compreendemos a epidemia de zika como grande tragédia social, mas também como uma oportunidade para os grupos de pesquisa colaborassem entre si e fizessem grandes consórcios para poder entender e possibilitar que medidas de prevenção e controle fossem adotadas de forma ágil. O país tem que estar preparado para eventos emergenciais e só através da pesquisa que se mantém grupos competentes que podem dar resposta em curto prazo.

P. Recentemente, várias cidades foram pegas de surpresa com a expansão da febre amarela, especialmente com o ressurgimento da transmissão urbana. Onde erramos?

R. Os cientistas não foram pegos de surpresa, havia muita preocupação com a expansão da febre amarela e da malária. O homem vai invadindo a floresta de forma desordenada, e essas doenças ficam mais propensas para transmissão urbana. A grande vantagem é que tem há vacina contra febre amarela e o Brasil não só fabrica essa vacina como tem grande experiência em vacinação em massa. Nas áreas de risco, Centro Oeste e Amazônia legal, já temos vacinação obrigatória. Mas temos que lembrar da complexidade em que vivemos. Estamos numa situação com mobilidade populacional intensiva em áreas de interface entre urbano, rural e parques, o que facilita a expansão de vetores. O desafio é ter cidades ou megacidades que não tenham tanta desigualdade e com um sistema de segurança para monitorar os vírus conhecidos e outros que ainda não conhecemos e que podem, eventualmente, montar um pano de fundo para outras epidemias.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: