Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Valentina Tereshkova, a primeira mulher no espaço

Em junho de 1963, essa paraquedista de formação deu 48 voltas em torno da Terra durante 71 horas

Em 16 de junho de 1963, às 10h30, a nave Vostok-6 entrava na órbita terrestre. No seu comando estava Valentina Tereshkova, a primeira mulher a voar ao espaço exterior; Chaika (“gaivota”, em russo) foi o seu codinome naquela missão. Deu 48 voltas em torno da Terra durante 71 horas, mais tempo do que o previsto, por causa de um erro na trajetória da sua nave.

Tereshkova nasceu na aldeia de Bolshoye Maslennikovo, na região central da Rússia, filha de um tratorista e de uma operária têxtil. Entrou na escola em 1945, aos oito anos, e a deixou aos 16, mas continuou a estudar através de cursos por correspondência. Quando chegou à adolescência, começou a se interessar pelo paraquedismo e fez treinamento no aeroclube local. Seu primeiro salto foi aos 22 anos, em 21 de maio de 1959, enquanto trabalhava, como sua mãe, na indústria têxtil.

“Na Terra, os homens e as mulheres correm os mesmos riscos. Por que não deveríamos fazer o mesmo no espaço?”

Quando completou 24, se tornou secretária do Komsomol (Juventude Comunista) e depois filiou-se ao Partido Comunista da União Soviética. Sua experiência como paraquedista, e também sua ligação com o partido, levaram-na até o espaço. Para isso, no entanto, precisou enganar a sua mãe: contou-lhe que estava num campeonato de paraquedismo. Depois de aterrissar perto de um povoado cazaque, a mulher lhe ajudou a tirar o traje espacial enquanto lhe perguntava se havia visto Deus. Respondeu-lhe que sua nave aparentemente tinha seguido outra rota, e talvez por isso não cruzou com ele.

A astronauta russa é mais uma das cientistas que o EL PAÍS homenageia por meio da série Mulheres na Ciência, por ocasião do DIa Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março. A série já destacou perfis como o de Alice Ball, pioneira no tratamento de hanseníase, e Rosalind Franklin, que ajudou a desvendar o DNA.

MAIS INFORMAÇÕES