Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
COLUNA

O Brasil não é um país para sóbrios

No paraíso do auxílio-moradia, como entender a cabeça de um juiz que obriga uma mulher a ter seu filho na pocilga de uma cadeia?

O Brasil não é um país para sóbrios
EFE

Por favor, amigo, me diz que é tudo fake news, que não passa de um delírio pós-cinzas carnavalescas, síndrome de abstinência, marofa, broma, lombra da massa, um porre de rabo-de-galo, cuba-libre, fogo paulista ou catuaba selvagem etc. O Brasil não é um país para sóbrios, caro Tom Jobim, entendo teu uísque permanente mesmo nos ditos anos dourados - dourados para a turma de Ipanema, pelo menos.

Só os compositores do samba-enredo da Tuiuti explicam, nobilíssimo Moacyr Luz. Por favor, amigo, me diz, não aguento mais, preciso desligar o aparelhinho interno que mede a indignação, o putômetro, careço fazer alguma coisa pela sanidade mínima, fugir dos bafos da real-politik, fazer como os componentes da bandinha do Palácio do Planalto - que fofos os tiozinhos, ao crepúsculo desta sexta-feira, executavam singelamente o hit Despacito.

O Brasil não é um país para sóbrios. No paraíso do auxílio-moradia, como entender a cabeça de um juiz paulista que obriga uma mulher a ter seu filho na pocilga de uma cadeia? O crime do século: Jéssica, 24 anos, foi presa com 40 gramas de maconha. Se o amigo acha que é um caso isolado, veja “Leite e ferro” (SP, 2010), documentário da diretora Cláudia Priscila sobre as mães do cárcere.

É, prezado Manfredo Rangel - meu repórter preferido em tempos assombrosos -, não está sendo fácil, me diz que suas anotações preciosas não passam de fake news ou ficções do chapa Sérgio Sant'Anna. Na boa, Rangel, desmente que o Vampiro Liberalista da Tuiuti vai à guerra no Rio de Janeiro. Amei a tua nota final na coluna de ontem: “Temer (3% de popularidade) somado a Pezão (6%) igual a noves fora zero”. Te cuida, meu gênio.

O Brasil não é um país para quem bebe socialmente, mestre Moacyr Luz, só relendo mais uma vez o Manual de sobrevivência nos butiquins mais vagabundos (editora Senac). Repare no caso desse playboy Douglas Aguiar, que gozou na cara da sociedade manezinha ao promover uma cerimônia ostentação nada bíblica: pagou para um garçom lavar os seus pés com várias garrafas de champanhe Veuve Clicquot, na praia de Jurerê Internacional, em Florianópolis. O vídeo do ato anticristão, obviamente, viralizou mais que os versículos do apóstolo João sobre a última ceia.

Cá entre nós, meu Manfredo Rangel querido, tu que entendes de lançamentos de candidaturas como ninguém em Pindorama, tu que foste carrapato na jornada do enigmático presidenciável Kramer, tu que és a bala que matou Kennedy na apuração política, o que achas dos nomes lançados pelo príncipe FHC? Depois de mais uma desistência do Luciano Huck, agora o ex-presidente tenta bombar o empresário Flávio Rocha, cuja candidatura, ao mesmo posto, pelo extinto Partido Liberal, foi cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 1994. Motivo: fraude braba no financiamento da campanha.

Seu garçom faça o favor, mais um rabo-de-galo que hoje estou mais para macho-jurubeba que homem-bouquet, mesmo que o assunto seja a tucanidade de boa cepa, fina e diferenciada, na ponte Higienópolis/Sacré-Coeur.

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de “A pátria em sandálias da humildade” (editora Realejo), entre outros livros.

MAIS INFORMAÇÕES