Bebidas

Prove o rabo de galo antes que ele se transforme em artigo hipster

Sem a mesma grife dos drinks estrangeiros, os coquetéis tipicamente brasileiros são saborosos, fáceis de fazer e não afetarão seu bolso

Fera, bartender há 28 anos, prepara um rabo de galo.
Fera, bartender há 28 anos, prepara um rabo de galo.Raoni Maddalena

MAIS INFORMAÇÕES

Seu Zé, 73 anos, por exemplo. Atrás do balcão do Bar Estrela do Fernão Dias, em Pinheiros, São Paulo, trabalha como bartender e garçom desde 1963. Antigo no ramo, ele explica que coquetéis como "o rabo de galo, a maria-mole e o bombeirinho são as bebidas mais típicas dos brasileiros" desde que ele está no ramo etílico. Com o passar do tempo, porém, Zé notou algumas diferenças: "Antigamente, eram quase sempre homens e mais velhos os que pediam essas bebidas, que são mais fortes. Hoje em dia, tem muitos jovens que vêm aqui e pedem esses drinks. Depois disso, vão direto para a balada."

Ali pertinho do Seu Zé, também em Pinheiros, trabalha o Ubiratan, 29 anos, gerente do Luar de Pinheiros. Ele, que está na região há 10 anos, explica que, "de uns anos para cá, a procura por bebidas mais 'gringas' aumentou, e esses drinks, que também são nossa cultura, tiveram uma queda nas vendas. É meio chato porque é algo nosso (do povo brasileiro), né?". "Além de tudo, as [bebidas] brasileiras são bem mais baratas, como o kariri com mel", lamenta. Enquanto drinks de origem estrangeira tem um preço que varia entre 20 e 30 reais, a maria-mole, o rabo de galo e o bombeirinho têm o mesmo preço nos bares de Zé e Ubiratan: seis reais. "Geralmente, essas bebidas têm preços bem parecidos. Em outros estabelecimentos mais caros, vocês vai achar no máximo por 15 reais. Não passa disso", conta o gerente.

Nas cercanias do Luar de Pinheiros e do Bar Estrela, está o Cu do Padre. Colado atrás da igreja do Largo da Batata  – daí o nome indecoroso do estabelecimento – é frequentado por uma clientela mais abastada (há quem diga que, por isso, seja também mais propensa ao hipsterismo). De qualquer jeito, o Inaldo Gomes dos Santos, "Fera", 50 anos de vida e 28 de barman, fala sobre suas impressões acerca das misturas alcoólicas. "Isso (ser barman) é uma arte. Não é só fazer a bebida. Envolve educação, gentileza e, principalmente, a criatividade", reflete. Por quase três décadas, o experiente profissional passou por diversos estados, e trabalhou em locais como o Hotel Panamericano, no Rio de Janeiro. Segundo o Fera conta, "a procura por drinks de fora realmente aumentou, mas ainda existe um público fiel a esses coquetéis brasileiros. É legal observar isso."

Seu Zé, Ubiratan e Fera comentam sobre quatro bebidas típicas brasileiras: rabo de galo, maria-mole, bombeirinho e kariri com mel

Forte e saborosamente amargo: o rabo de galo.
Forte e saborosamente amargo: o rabo de galo.R. M.

Rabo de galo - "Esse é bem forte. Lembra o Negroni. Nele, vão a cachaça, primeiro, e o vermute, depois. Alguns usam Cynar no lugar do vermute. No Rio de Janeiro e na Bahia, chamam essa bebida de Traçado. Não vai se confundir se estiver por lá", alerta Seu Zé.

A maria-mole, perfeita para o 'esquenta'.
A maria-mole, perfeita para o 'esquenta'.R. M.

Preço médio: cinco a 15 reais.

Amado por todos - assim como a coxinha -, o doce bombeirinho.
Amado por todos - assim como a coxinha -, o doce bombeirinho.R. M.

Maria-mole - "Esse também é forte, talvez o mais forte deles. A mulherada pede muito aqui. É a mistura de conhaque e contini, e fica bem gostoso. Dá para colocar gelo, mas o ideal é beber no estilo 'caubói' (sem gelo)", comenta também o Zé.

Preço médio: cinco a 15 reais.

O bonito e gostoso kariri com mel.
O bonito e gostoso kariri com mel.R. M.

Bombeirinho - "Todo mundo pede o bombeirinho: os jovens, os mais velhos, as mulheres, os rapazes... É forte e bem docinho, por isso que gostam. Basta misturar uma dose de cachaça, uma dose de groselha e colocar gelo. É bem tradicional usar limão espremido, mas é opcional", revela Fera.

Preço médio: cinco a 15 reais

Kariri com mel - "Esse ganhou força nos últimos anos e é bem gostoso, mas é menos pedido ainda. E também é simples de fazer: basta usar cachaça  – geralmente usam o Kariri, por isso o nome -, um pouco de limão espremido e mel. Esse aí é mais pedido pelos mais jovens", explica Ubiratan.

Preço médio: oito a 15 reais

Arquivado Em: