Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A briga de Rodrigo Maia e Meirelles: como ser candidato sem carisma nem apoio popular

Presidente da Câmara e ministro da Fazenda se desentendem e buscam espaço no centrão para se lançarem ao Planalto com o respaldo do setor financeiro

Rodrigo Maia e Henrique Meirelles pré-candidatos
O presidente da Câmara Rodrigo Maia, em Brasília. Ag. Brasil

Antes em total sintonia, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), esfriaram a relação entre si. Apesar de nenhum dos dois admitirem, ambos já trabalham suas candidaturas à sucessão presidencial neste ano. Maia e Meirelles estão entre os mais queridos pelo mercado financeiro e pelo centrão, grupo de partidos de centro direita que hoje sustenta o governo Michel Temer (MDB). Nos bastidores da política, especulou-se que uma chapa presidencial poderia ser formada em torno dos dois nomes. Mas o distanciamento entre ambos, provocado principalmente pelo recuo de Meirelles a apoiar as mudanças na “regra de ouro”, deixou essa proposta em segundo plano.

Algo que pesaria contra essa chapa seria a falta de carisma e, principalmente, de votos para cargos no Executivo. Henrique Meirelles disputou apenas uma eleição, para deputado federal em 2002 e foi eleito pelo PSDB de Goiás com votação recorde, 183.000 votos. Renunciou ao cargo no ano seguinte, para se tornar presidente do Banco Central indicado por Lula. Rodrigo Maia, por sua vez, foi eleito deputado federal pelo Rio por cinco eleições consecutivas. Quando concorreu à prefeitura do Rio de Janeiro em 2012, contudo, teve apenas 2,9% dos votos.

Neste momento, o cenário é que ambos deverão lançar seus nomes para o cargo de presidente da República. Querem aproveitar a ausência de lideranças políticas brasileiras e, principalmente, o espaço entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na esquerda, e Jair Bolsonaro (PSC), na direita. “O Rodrigo Maia tem confiança de agentes do mercado financeiro, de agentes políticos. Tem mostrado muita segurança, equilíbrio, na condução de matérias importantes na Câmara dos Deputados, por isso é nosso nome”, afirmou o deputado Pauderney Avelino, um dos entusiastas dentro do DEM pela candidatura Maia.

O sinal mais firme dado pelo deputado até agora foi uma entrevista que concedeu ao jornal O Globo, na qual não descartou concorrer à presidência. “Eu não tenho problema de correr risco, mas não estou disposto a participar de uma aventura”, afirmou Maia.

O discurso é semelhante ao que os deputados do PSD têm em relação a Meirelles “Ele começa a se descolar como um candidato que tem afinidade com o mercado e com a sociedade”, disse o líder do PSD, Marcos Montes, um dos que lançou a candidatura do ministro.

Maia não foi testado em pesquisas eleitorais. Já Meirelles, quando seu nome é citado, não ultrapassa a casa dos 3% das intenções de voto. Além disso, os dois estão estreitamente ligados a um governo que tem índices recorde de impopularidade. E como lidar com essa falta de aprovação popular? “O nome do Maia ainda não foi testado. Quando o for, saberemos. O que é importante é nós termos partidos que possam dar capilaridade, que tragam tempo de televisão e apoiem uma campanha”, analisou Avelino. Os partidos que ambos miram são Solidariedade, PP, PR e PRB. Os três primeiros já demonstraram afinidade com Rodrigo Maia. Enquanto Meirelles já se aproximou do PRB.

Como tem mais tempo na política do que Meirelles, Maia leva uma vantagem, de transitar com maior facilidade entre autoridades. Nos últimos dias esteve em Santa Catarina, no Espírito Santo, no Rio de Janeiro e, neste sábado seguiu para uma agenda internacional nos Estados Unidos e no México. Nas viagens nacionais, aproveita para pedir apoio aos governadores e deputados locais. Nas internacionais, para testar seu nome entre agentes estrangeiros.

Enquanto não se lançam oficialmente, ambos iniciam conversas sobre suas possíveis equipes. Meirelles gostaria de levar consigo boa parte dos ocupantes de cargos na administração Temer, entre eles Mansueto Almeida, seu secretário de Acompanhamento Econômico, e Eduardo Guardia, seu secretário-executivo. Enquanto Maia trabalha com a possibilidade de se unir a antigos aliados de Lula, como o economista Marcos Lisboa, e outros que já trabalharam com o DEM, como o marqueteiro Fernando Barros.

O primeiro teste para Maia será no dia 28 de fevereiro, quando o DEM fará sua convenção nacional em Brasília. Para Meirelles, é em março, quando ele anuncia ao presidente Temer se abandona o ministério para iniciar a campanha. O que deve os unir, novamente, será a reforma da Previdência, prevista para ser votada no dia 19 de fevereiro e é fortemente apoiada tanto por um quanto por outro. O resultado que sair da votação dos deputados será fundamental para definir os rumos de qualquer uma das candidaturas. De qualquer forma, ambos esticarão a corda o quanto puder. Se notarem que não têm chances, o apoio de seus partidos será entregue com um valor mais alto.

Henrique Meirelles.
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

MAIS INFORMAÇÕES