Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Rio/SP, ponte aérea da hipocrisia

Imoral é uma mãe reconhecer um corpo nu do extermínio na laje fria do IML; jamais a nudez de uma performance artística

censura ao Queermuseu e ao MAM
O prefeito João Doria participa de intervenções de grafite em São Paulo

A tomar pelas opiniões dos seus prefeitos, as modernas e cosmopolitas Rio e São Paulo não passam, doravante, de cidades provincianas, caretas, carolas, esteticamente covardes. Esqueça a ponte-aérea dos descolados e o eixo das modas & modinhas. Bem-vindo ao espírito das Piratiningas e Sucupiras do bispo Crivella e do coroinha João Dória, irmanados na corrente contra a nudez na arte e no pecado da omissão administrativa.

Daqui avisto as irmãs Cajazeiras, as católicas mais taradas desde a Roma antiga (vide a série brasileiríssima O Bem Amado), unidas em protesto na companhia do ator pornô Alexandre Frota nas portarias das exposições. Aliança com Deus e com a família contra a sem-vergonhice do MAM. “Tudo tem limite”, brada o gestor paulistano. “Aqui (a mostra proibidona Queermuseu) só se for pra debaixo do MAR”, estrebucha o pastor carioca em transe pentecostal.

Não vejo a hora do caixeiro viajante, do alto do seu gabinete no Facebook, destituir, por decreto, a Semana de Arte Moderna de 1922, cujos efeitos nefastos contaminam a juventude de Piratininga até hoje. Essa maldita semana finalmente vai acabar, caríssimo Marcos Augusto Gonçalves --autor de um livraço sobre a pouca vergonha da turma de Oswald de Andrade etc. Te cuida, Zé Celso, a próxima vítima pode ser o Teatro Oficina Uzona Uzyna.

Escuta o apito moral, turma do Posto 9, Ipanema. O Rio do desbunde dos anos 1960 e 70, o Rio do Verão da Lata, o Rio do Circo Voador, o Rio da Kátia Flávia e da Godiva do Irajá, o Rio Babilônia, o Rio dos Rubens, o Rio do Madame Satã e do Bezerra da Silva... Se bem que o Rio tem história de resistência além da conta para esmorecer nas curvas sinuosas das calçadas de Copacabana.

O Rio crivelliza mas não morre na mão do falso moralismo, mire-se no exemplo do samba, demonizado pelas igrejas e otoridades chutadoras de macumba desde a idade do cuspe. O professor Luiz Antônio Simas, bamba da crônica e da história, é nosso testemunha na causa.

O que é um cultozinho moral perante os mais incríveis Salmos de botequim de Aldir Blanc? Diante da “flor de tua hipocrisia” de um irreconhecível Rio que se finge de sonso -biblicamente falando. Esquece. Apenas mais um prefeito safado que passou em nossas vidas. É tomar mais uma com o Marechal na Toca do Baiacu, ver as machadianas Marcelas no crepúsculo sambado da rua do Ouvidor e já era.

A Pauliceia também resiste, embora ao longe, amigos de outros brasis, pareça que a brava babilônia esteja dominada. Qual-o-quê, miserere nobis? Mire-se nas pérolas, rimas nada óbvias, de Rincón Sapiência, nos Sambas do Absurdo de Rodrigo Campos (com Juçara Marçal e Gui Amabis), donde a saudosa maloca cruza com o Sísifo do escritor argelino Albert Camus em São Mateus, Zona Leste, o mais existencialista dos terminais de ônibus de todas as galáxias rodoviárias.

Se você acha que está tudo perdido, boy, escute o blues de dona Edite no sarau da Cooperifa, no Jardim São Luis, Zona Sul, junte-se ao poeta Sérgio Vaz e grande trupe, faça o barulho da poesia ser mais importante que a sirene da polícia. Quem dera o Mr. Obama, nosso ilustre palestrante estrangeiro da semana, tivesse dado um pulo no Capão Redondo para saber do extermínio dos jovens que seguem circulando nos navios negreiros da cidade. Os corpos desnudos que chocam as mães no reconhecimento na laje fria do IML. Não essa conversinha furada de moralismo de homem nu de museu para tentar ganhar voto e enganar os bestas em 2018.

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de “Os machões dançaram -crônicas de amor & sexo em tempo de homens vacilões” (editora Record). Comentarista dos programas “Papo de Segunda” (GNT) e “Redação Sportv”.

MAIS INFORMAÇÕES