Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Haddad se movimenta no tabuleiro petista de olho nas eleições 2018

Ex-prefeito de SP viaja pelo país e fomenta especulações se é o 'plano B' de Lula no PT. Disputa pelo Governo do Estado também é cogitada

Fernando Haddad, então prefeito de São Paulo, em 2015.
Fernando Haddad, então prefeito de São Paulo, em 2015.

Lula é o plano A, plano B e plano C”. A frase, à respeito do candidato do PT à presidência em 2018, foi dita pela presidenta do partido, a senadora Gleisi Hoffmann, durante uma conversa com jornalistas no diretório do PT em São Paulo, há 15 dias. E vem sendo repetida insistentemente por dirigentes petistas nos últimos meses. O Partido dos Trabalhadores diz publicamente que não trabalha com a hipótese de Lula não ser candidato à presidência no ano que vem, algo que pode estar pendente dos desdobramentos das ações contra ele na Justiça. Até o momento, o petista é réu em cinco ações e condenado em uma, à espera da confirmação ou não na segunda instância. Isso mudaria totalmente o cenário (leia mais abaixo).

Enquanto nada muda, ninguém no PT assume que o partido pensa em um plano B. Mas os movimentos nas peças deste xadrez não confirmam a suposta falta de alternativa no partido. Lula tem demonstrado estar pensando no assunto. E, ao que sinaliza, seu favorito é o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação Fernando Haddad. “O Haddad pode ser uma personalidade importante se ele se dispuser a correr o Brasil. Já falei para o Haddad: você tem que botar o pé na estrada, falar da educação, falar do que você fez na educação”, afirmou Lula, em uma entrevista no dia 20 de julho.

A fala do ex-presidente ocorreu poucos dias depois que ele publicou uma foto em sua página oficial no Facebook na qual aparece ao lado de Haddad. O texto que acompanha a imagem recorda do dia em que seu então ministro tomou posse no ministério da Educação. E enaltece seus feitos no cargo. Fernando Haddad prontamente agradeceu. Republicou o post dizendo "obrigado Lula por me lembrar desse dia tão importante. Foi uma transformação e tanto. Tamo junto. Abração".

Definitivamente o ex-prefeito de São Paulo tem feito a lição de casa. Passou a seguir os conselhos de Lula à risca e iniciou uma agenda por diversas cidades do Brasil. À convite de universidades e diretórios acadêmicos, Haddad tem dado palestras em cidades como Goiânia (GO), Chapecó (SC) e deve estar em Recife (PE) nos próximos dias. Nas visitas, aproveita para dar entrevistas à imprensa local. Nunca afirma ser candidato a nada. Mas ao menos deixou de lado o discurso de que se afastaria da vida pública, adotado na reta final da eleição municipal do ano passado. Naquela época, Haddad chegou a dizer que "deixaria a vida pública" caso não fosse reeleito. Perdeu no primeiro turno para João Doria (PSDB), se recolheu por seis meses, mas agora parece estar mais público do que nunca.

Enquanto isso, fontes de dentro do partido afirmam que o ex-prefeito, ao mostrar a cara em outros Estados, “reforça a campanha de Lula” pelo Brasil. E que seu nome é sim discutido para 2018, mas em âmbito estadual. Nesta esfera, além de Haddad, outros três nomes são fortemente debatidos possivelmente para o Senado ou o Governo do Estado de São Paulo: o vereador Eduardo Suplicy, Jilmar Tatto, ex-secretário de Transportes da gestão Haddad, e o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho. Fontes próximas afirmam que, uma vez que Lula seja o candidato majoritário, Haddad pleitearia o Senado, além de ser figura-chave na elaboração do programa de Governo petista. Nada ainda é oficial.

Seja como for, entre estes quatro nomes mencionados por fontes do PT, o único que tem dado as caras fora do Estado de São Paulo é Fernando Haddad. Enquanto Lula planeja uma caravana pelo Nordeste por cerca de 20 dias na segunda quinzena de agosto, Haddad já está em turnê. E muito provavelmente pegará carona em algum ponto da caravana de Lula.

Operação Lava Jato

A pré-candidatura ou não de Lula à presidência está totalmente ligada às investigações da Operação Lava Jato. Se, por um lado, o ex-presidente falou pela primeira vez como candidato ao desafiar a Lava Jato a apresentar provas contra ele, por outro, existe a possibilidade de sua candidatura ser inviabilizada por essa mesma Operação. Até o momento, o ex-presidente foi condenado em uma ação no âmbito da Lava Jato. Mas esta condenação ainda precisa ser confirmada em segunda instância para que a ele seja aplicada a lei da Ficha Limpa, anulando a possibilidade de uma candidatura em 2018.

Falar em "plano B", seria, portanto, assumir a possibilidade de Lula ser condenado, algo que o PT não faria publicamente. Mantida a esperança no ex-presidente, dirigentes petistas concordam, porém, que Haddad é uma peça importante do “time forte” que o PT está montando para 2018.

MAIS INFORMAÇÕES