Processo de paz da Colômbia

Como a Colômbia está caminhando para a paz

Enquanto bibliotecas são inauguradas em áreas afetadas pela guerra, as FARC entregam as armas

Ex-guerrilheiros das FARC chegam na terça-feira à vereda de Pondores onde começarão sua transição para a vida civil.
Ex-guerrilheiros das FARC chegam na terça-feira à vereda de Pondores onde começarão sua transição para a vida civil.GUILLERMO LEGARIA (AFP)

Mais informações

Em Conejo, uma comunidade rural de 2.500 habitantes no nordeste da Colômbia, é dia de George Orwell, Dostoievski, Martín Caparrós e Petros Markaris. Os alunos da escola Ietagru, com uniforme branco, vão à inauguração da biblioteca. Escutam as autoridades junto a mesas e estantes que exibem dezenas de clássicos, sucessos comerciais, manuais, tablets e filmes. Ao fim da solenidade, saem em correria.

A aparente normalidade dessa imagem se choca com o contexto em que ela aconteceu, na terça-feira passada. Conejo vive a exceção como rotina há décadas. Essa população do árido departamento de La Guajira conviveu com o conflito entre o Estado e as FARC e, assim como os guerrilheiros, agora está caminhando para a paz. Por isso, um sinal como a abertura de uma biblioteca pública é, para Rosa Pérez, professora há 43 anos, muito mais que um passo. “É um benefício para os estudantes e para toda a comunidade”.

Em menos de cinco quilômetros se passa da aldeia para o território ocupado pela principal guerrilha da Colômbia. Pelo caminho, uma patrulha da polícia, as instalações do chamado mecanismo de monitoramento e verificação – órgão de controle integrado pelo Governo, pelas FARC e pelas Nações Unidas – e, finalmente, a vereda de Pondores. Assim se chama um dos 26 pontos de transição para a vida civil, um descampado em obras que acolherá, nas próximas semanas, 220 guerrilheiros. Moradias de mais de 20 metros quadrados, banheiros compartilhados, uma área de lazer com mesas de pingue-pongue ainda sem rede e, principalmente, dois grandes contêineres ainda vazios, os primeiros fornecidos pela ONU para o armazenamento de armas.

Um dos contêineres da ONU para o armazenamento das armas.
Um dos contêineres da ONU para o armazenamento das armas.F. M.

A lentidão na entrega dos armamentos – até agora, só foram depositados 140 de 14.000 – e na habilitação dessas áreas de transição marcam o calendário do processo de paz, que deveria ser concluído no início de junho. Apesar disso, tanto o alto comissário para a paz do Governo de Juan Manuel Santos, Sergio Jaramillo, como o número dois das FARC, Iván Márquez, ressaltaram na terça-feira “os avanços” da implementação dos acordos.

“Seguimos adiante apesar de todas as dificuldades. Existe um compromisso das FARC e do Governo para cumprir o prazo de 180 dias, de maneira que as armas sejam depositadas nos contêineres, os homens das FARC sejam registrados e tenham passado para a vida civil e termine o cessar fogo”, disse o alto comissário. “Como podem ver, este local não é uma república independente nem representa qualquer ameaça para a segurança nacional”, acrescentou Márquez.

Pondores ainda não tem nenhum morador. Os guerrilheiros se aproximavam das casinhas-piloto para examinar suas futuras moradias. A expectativa e as queixas de alguns deles se concentravam nos aspectos estritamente logísticos dessas dificuldades. Janet Arévalo, de 42 anos, lamenta a qualidade das telhas, da roupa, o calor… Outros priorizam o objetivo final, a paz, e seus desejos para o futuro. “Que bom seria trabalhar com os artistas na Colômbia de diferentes áreas. Vamos mostrar nossos sonhos, nos organizar e poderemos construir uma nova Colômbia”, reflete Inti Maleywa, de 36 anos, que expõe suas pinturas no povoado.

Uma das moradias que os guerrilheiros das FARC ocuparão em Pondones.
Uma das moradias que os guerrilheiros das FARC ocuparão em Pondones.F. M.

Na Colômbia de hoje, as estatísticas falam de uma sociedade dividida e polarizada pelo processo de paz em vista das eleições de 2018, quando as FARC terão representação parlamentar garantida pelos acordos. Atualmente, há guerrilheiros que começam a transição para a vida civil deixando de lado os inconvenientes dessa migração.

“Estamos tão convencidos com a paz que vamos aceitar”, admite Yesid Aguilar, de 26 anos, 15 deles na guerrilha. Ele também fala de suas leituras e diz que costuma carregar um livro consigo, embora suas referências sejam diferentes das do catálogo da biblioteca de Conejo. Menciona Marx e um ensaio sobre anti-imperialismo “de um escritor venezuelano”. Mas todos, camponeses e guerrilheiros, se preparam para viver em paz.