Datafolha aponta salto de Doria e disputa embolada por segundo lugar em São Paulo

Ibope também confirma liderança do tucano e briga entre Haddad, Marta e Russomanno

Líder nas pesquisas, João Doria faz campanha em São Paulo na sexta-feira.
Líder nas pesquisas, João Doria faz campanha em São Paulo na sexta-feira.Andre Penner (AP)

Às vésperas do primeiro turno das eleições municipais 2016, continua indefinida a disputa para a Prefeitura de São Paulo. Pesquisa Datafolha divulgada no final da tarde de sábado confirma a liderança isolada do candidato João Doria (PSDB), que vinha crescendo nas últimas pesquisas e agora deu um salto, chegando a 44% das intenções de voto válidos (que excluem votos brancos e nulo). O levantamento mostra como ainda incerto quem irá acompanhá-lo na próxima etapa da corrida eleitoral. O prefeito Fernando Haddad (PT), candidato à reeleição, viu suas intenções de voto subirem a 16% e agora está tecnicamente empatado com Celso Russomanno (PRB), que também tem 16%, e Marta Suplicy (PMDB), com 14%. Luiza Erundina (PSOL) tem 5% dos votos válidos. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais. Também neste sábado, Ibope divulgou seu levantamento que confirma a liderança do tucano e a disputa embolada pela segunda vaga no segundo turno, mas não detecta crescimento de Haddad (veja abaixo).

Mais informações
Doria, o “não político” de relações obtusas com a vida política
Eleições 2016: as imagens do 1º turno pelo Brasil
Vencedores das eleições 2016 e quem disputa o segundo turno nas capitais
João Doria: “Se for prefeito, vou vender o Pacaembu, Interlagos e o Anhembi”
Os cariocas levam Crivella e Freixo ao segundo turno

Com um discurso de "não político"e beneficiado pelo maior tempo de TV para propaganda entre os candidatos, graças a uma coligação entre 11 partidos, João Doria é o candidato do governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB) e viu sua campanha disparar em um pouco mais de um mês: em 24 de agosto, aparecia com somente 7% das intenções de votos válidos, foi a 19% em 8 de setembro, depois a 30% (em 21 de setembro) e a 35% na pesquisa anterior (em 27 de setembro). Também se beneficiou do fato de ser o mais rico entre os concorrentes, já que neste ano mudanças na legislação eleitoral proibiram as doações de empresas e as campanhas foram mais pobres —ele, contudo, declarou que arcaria com os gastos da sua campanha milionária, se necessário.Com o percentual de intenções de votos válidos registrados nesta pesquisa, Doria está a seis pontos de levar no primeiro turno.

Russomanno fez trajetória contrária à de Doria no mesmo período: começou com 41% das intenções de votos válidos há um mês (hoje tem 16%). Se o segundo turno fosse hoje, João Doria venceria os três adversários: o tucano teria 54% contra 25% de Russomanno; 54% contra 29% de Marta e 59%; contra 26% de Haddad, segundo o Datafolha.

Considerando os votos brancos e nulos, João Doria subiu de 30% para 38% das intenções de voto em relação ao levantamento passado. Fernando Haddad ganhou três pontos e foi a 14%, ultrapassando Marta, que caiu de 15% para 12%. Celso Russomanno perdeu campo também nas intenções totais, caindo de 22% para 14%. Luiza Erundina não oscilou e permaneceu com 5% da preferência do eleitorado.  Brancos e nulos somam 10%, e 4% disseram não saber em quem votar.

Em entrevista ao EL PAÍS, o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, afirmou que nenhuma possibilidade está descartada em São Paulo, já que, na reta final, cada voto deve fazer a diferença nesta eleição. Boa parte do eleitorado ainda admitia a possibilidade de mudar de voto no dia da votação. "Muita gente vai esperar o resultado da última pesquisa pra exercitar o voto útil, pra definir , voto. Eu não descarto nenhuma possibilidade ainda nessa eleição de São Paulo", afirmou.

Apesar do crescimento nas intenções de voto, Fernando Haddad continua sendo o mais rejeitado entre o eleitorado: 45% disseram não votar no petista de jeito nenhum (era 43% antes). Já Russomanno tem rejeição de 37%, seguido de Marta Suplicy, em 36%. Luiza Erundina é rejeitada por 23%; e 17% descartam votar no candidato tucano. Ao EL PAÍS, o diretor do Datafolha atribuiu ao sentimento de antipetismo a rejeição ao prefeito e candidato à reeleição. "Certamente o Haddad sofre com essa rejeição ao partido", disse na última semana.

Fernando Haddad, que tenta a reeleição, em carreata com o ex-presidente Lula seu vice, Gabriel Chalita, na sexta-feira.
Fernando Haddad, que tenta a reeleição, em carreata com o ex-presidente Lula seu vice, Gabriel Chalita, na sexta-feira.Andre Penner (AP)

Datafolha (votos válidos):

- João Doria (PSDB): 44% das intenções de votos válidos (eram 35%, na pesquisa anterior, de 27 de setembro).

- Fernando Haddad (PT): 16% (eram 13% no levantamento anterior).

- Celso Russomanno (PRB): 16% (na última pesquisa estava com 26%).

- Marta Suplicy (PMDB): 14% (antes tinha 17%).

- Luiza Erundina (PSOL): 5%

- Major Oliimpio (SD): 2%

- Levy Fidelix (PRTB): 1%

- Ricardo Young (REDE): 1%

- João Bico (PSDC): 0%

- Altino (PSTU): 0%

- Henrique Áreas (PCO): 0%

A pesquisa foi realizada nos dias 30 de setembro e 1 de outubro 4.022 pessoas, encomendada pela Folha de S.Paulo e TV Globo. A margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança da pesquisa é de 95%.

Ibope

João Doria também aparece na liderança isolada da disputa na pesquisa Ibope divulgada no início da noite deste sábado: tem 35% dos votos válidos. O Ibope aponta um empate técnico entre Russomanno (23%) e Marta (19%), e entre ela e Haddad (15%). A margem de erro nesta pesquisa é de três pontos porcentuais, para mais ou para menos. Luiza Erundina foi de 6% para 5% dos votos válidos. A soma dos outros candidatos continua dando 3%.

O Ibope ouviu 1.204 eleitores entre os dias 29 de setembro e 1º de outubro. O nível de confiança utilizado é de 95% e a pesquisa foi encomendada pelo jornal O Estado de S.Paulo e pela Globo.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS