Seleccione Edição
Login
JOSÉ SERRA | Ministro das Relações Exteriores do Brasil

“Bolívia e o Equador podem aprender a fazer democracia com o que se passou no Brasil”

Na China, Serra diz que impeachment de Dilma era inevitável e que protestos anti-Temer “são quase nada”

Chanceler brasileiro José Serra.
Chanceler brasileiro José Serra.

O polêmico processo de destituição de Dilma Rousseff foi “inevitável”, defende o ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra. Em entrevista a EL PAÍS, em Hangzhou (China), onde integra a delegação brasileira que participa da cúpula do G-20, iniciada neste domingo, o chanceler do novo Governo de Michel Temer reforça que o modo como se chegou à saída da ex-presidenta estava justificado. “Houve uma transgressão, gastos não autorizados pelo orçamento. É um crime, e a justiça deu respaldo.”

Rousseff recorreu ao Supremo da decisão aprovada na quarta-feira pelo Senado, por 61 votos a favor e 20 contra, de destituí-la. No Brasil continuam os protestos contra a medida. Órgãos como a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Washington, expressaram sua “preocupação”. Três países outrora com boas relações com o Governo do PT, Equador, Bolívia e Venezuela, retiraram seus embaixadores. “Está claro que o impeachment é um processo traumático, sempre, em um regime presidencialista. No parlamentarismo a mudança de governo é a solução, não o problema. Mas no presidencialismo, qualquer mudança, mesmo de governo, é traumática sempre”, reconhece.

Mas Serra não dá importância às críticas: os três países bolivarianos “têm seus problemas internos e uma boa maneira de desviar deles é referir-se à experiência do Brasil”, afirma. “Acredito que particularmente a Bolívia e o Equador poderiam aprender a fazer democracia com o que se passou no Brasil. E o da Venezuela é pura provocação. Considero que o regime venezuelano não merece nenhum respeito porque é um regime antidemocrático que desorganizou o país”.

Quanto às manifestações de protesto que vêm ocorrendo desde quarta-feira nas cidades brasileiras, “são muito pequenas, quase nada. Cinquenta, cem pessoas. Fazem muito barulho, chamam a atenção, mas não são praticamente nada”.

Segundo o ministro e ex-candidato presidencial em duas ocasiões, as críticas têm sido maiores no exterior, onde “houve um exagero por parte de órgãos importantes de informação pública”, do que dentro do próprio país. E para justificar essa tese cita tanto o número de votos a favor obtido no Legislativo em cada etapa do processo como os índices de popularidade de Dilma, “uma rejeição da ordem de 80%, 85%, o índice mais alto da História”.

Até mesmo no próprio partido da ex-presidenta, o PT, “não disseram mas, de fato, ficaram felizes com a solução”. “Já não precisam mais justificar o Governo da Dilma, que era um desastre. Segundo, porque agora podem votar quanto pior, melhor... e, terceiro, podem contar uma narrativa em que se apresentem como vítimas”.

Rousseff foi condenada por baixar três decretos que alteraram os orçamentos sem autorização prévia do Congresso e por atrasos em depósitos que o Estado deveria ter feito no banco público para cobrir projetos do Governo, que, segundo a acusação, acabaram por se transformar em empréstimos e resultaram em juros elevados. “É um crime de responsabilidade (que, segundo a legislação brasileira, pode conduzir à destituição de um presidente), não se pode deixar que prossiga”, argumenta.

“Meu partido (PSDB) seria o principal beneficiário se Dilma tivesse chegado ao final de seu mandato. Para nós seria o melhor, do ponto de vista eleitoral. Mas, na realidade, o país não aguentaria. Estava desgovernado, com um governo sem legitimidade, de distintos pontos de vista, e por isso nós respaldamos o impeachment”, afirma.

Agora o novo Governo enfrenta a difícil tarefa de levar adiante um país mergulhado na pior crise econômica desde os anos 1930. Um trabalho tanto mais complicado pelo fato de o processo ter criado profundas divisões no sistema político. E o Executivo do novo presidente, cujos índices de popularidade beiram os 10%, precisará do apoio de numerosos partidos para poder levar em frente uma série de reformas que outros líderes no passado não conseguiram aprovar.

Serra se declara otimista quanto a essas perspectivas. Se as reformas não foram em frente durante o segundo mandato de Rousseff, afirma, foi porque o próprio PT lhes pôs obstáculos. E Temer, três vezes presidente da Câmara dos Deputados, conta com uma ampla experiência de negociação no Congresso. Portanto, “acredito que tem as condições para conseguir a maioria. Não será uma tarefa fácil, mas devemos lutar por isso”.

No entanto, dentro do novo governo pesam suspeitas de corrupção, e várias de suas personalidades estão sendo investigadas. A esse respeito, “a posição do presidente tem sido muito clara, que todas as investigações devem prosseguir e devem ter plena liberdade para se desenvolver”. O Governo de Temer é limpo? “Claro. A menos que se prove algo de concreto.”

Em sua esfera de responsabilidade, a da política externa, afirma que já houve uma mudança em relação ao Executivo anterior. “Já não é uma política dependente dos interesses de um partido”, defende, e diz que “pusemos o Brasil no lugar de onde não deveria ter saído. O Brasil é um país continental e tem que ter relações com todos. Tem que explorar oportunidades comerciais e econômicas com todo o mundo, independentemente de onde estiver e independentemente de ideologias, porque o mundo já não é o da época da Guerra Fria”.