Olimpíada

Rotina de violência no Rio arranha a bolha olímpica

Tiroteios, assaltos e homicídios continuam a afetar a vida dos cariocas durante os Jogos Episódios furam o bloqueio policial e também afetam os atletas e os jornalistas

Policiais ao lado do corpo de um homem morto, perto do estádio do Maracanã no dia da cerimônia de abertura.
Policiais ao lado do corpo de um homem morto, perto do estádio do Maracanã no dia da cerimônia de abertura.David J. Phillip (AP)

Conforme os Jogos Olímpicos se aproximavam e os militares começavam a fazer exercícios de treinamento no Rio de Janeiro diariamente, muitos cariocas pensaram que, ao menos durante o evento, a violência urbana daria uma trégua para que a cidade recebesse as delegações e autoridades estrangeiras. Não é bem assim. A presença do Exército é constante nos locais onde ocorrem as competições e eventos olímpicos, mas nos outros bairros a rotina de insegurança pouco mudou. Casos de tiroteios e assaltos vêm estampando, ainda que de maneira discreta, as páginas de jornais. E alguns deles chegam a afetar não apenas a vida do cidadão carioca, mas também o dia a dia de atletas, jornalistas e turistas que aterrissaram na cidade. A realidade do Rio invadiu ou ao menos arranhou em diversas ocasiões a bolha olímpica.

MAIS INFORMAÇÕES

Foi o que aconteceu nesta terça, quando um ônibus para transporte da imprensa teve vidros quebrados quando se dirigia à Vila Olímpica, na Barra, segundo relatos de jornalistas que viajavam no veículo. O Comitê Olímpico está investigando se o que atingiu o grupo foram pedras —o mais provável—  ou tiros. Foi também o que aconteceu na última sexta-feira, dia da cerimônia de abertura dos Jogos no estádio do Maracanã. O bairro da Tijuca, na Zona Norte da cidade, contou com o reforço de policiais militares e o Exército e parecia viver uma paz absoluta. Todo o entorno do estádio estava bloqueado e era impossível se aproximar a menos de 200 metros dele. As delegações de atletas que entravam em suas vans para retornar a Vila Olímpica estavam sob o olhar atento dos agentes, enquanto os espectadores do espetáculo se deparavam com militares em todos os acessos do metrô.

Todo esse esquema de segurança foi montado para, sobretudo, evitar atentados terroristas e a ação de traficantes durante os Jogos. Mas não foi o suficiente para inibir a ação de bandidos e impedir que um delegado da Polícia Federal, que também era o coordenador da segurança da cerimônia de abertura, sofresse uma tentativa de assalto perto do Maracanã. Foi abordado por um grupo de quatro homens armados com facas ao deixar o estádio e, junto com outros dois policiais, atirou nos assaltantes, causando pânico nos que deixavam o recinto.

Situação similar parece acontecer na região do porto, onde fica o Boulevard Olímpico, sempre lotado de turistas e cariocas que vão assistir às diversas atrações culturais programadas para os Jogos. Segundo o relato de trabalhadores da região ao EL PAÍS, essa área do centro do Rio, ao lado do morro da Providência, nunca viveu dias tão tranquilos. No entanto, quando a arquiteta carioca Denise Ribeiro Dias, de 51 anos, dirigia em direção ao centro da cidade pela Via Binário, perto da sempre lotada praça Mauá, foi abordada por três assaltantes. Tentou acelerar o seu carro para fugir, mas acabou assassinada com um tiro na nuca.

Forças de segurança perto da chama olímpica, no centro do Rio.
Forças de segurança perto da chama olímpica, no centro do Rio.Alexander Hassenstein (Getty Images)

A forte presença do Exército perto do Parque Olímpico e das áreas de competição contrasta com a completa ausência de reforço nos principais acessos da cidade e em bairros como Botafogo ou até mesmo na turística Ipanema. Foi lá que, neste sábado, o ministro da Educação de Portugal, Tiago Brandão Rodrigues, sofreu uma tentativa de assalto quando voltava para o hotel onde está hospedado. “Numa rua muito movimentada, durante a tarde, fui abordado por dois indivíduos que pediram dinheiro. Tinham uma arma branca na mão e aquilo aconteceu de forma muito natural e muito rápida. Queriam os nossos pertences, mas tinha muita gente nas imediações e houve reação. Eles acabaram fugindo e soltaram tudo", contou.

A realidade olímpica tampouco apagou a crise do modelo de pacificação adotado pelo Estado do Rio, através da instalação de UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) nas favelas. A rotina de operações policiais e muita violência também segue igual para os moradores de regiões periféricas da cidade, como no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. “O Alemão continua na mesma, intenso. Tiroteios diários, operações policiais, pessoas baleadas. Nada mudou. As operações deram uma intensificada nesses últimos dias, resultando em mais gente baleados, mais mortos e muitos presos”, resumiu ao EL PAÍS Betinho Casas Novas, fotógrafo do jornal comunitário Voz da Comunidade, que acompanha a realidade deste complexo de favelas.

Os tiroteios que parecem pertencer uma realidade específica das favelas cariocas também já invadiram a estrutura olímpica, apesar do forte dispositivo de segurança. Uma bala perdida atingiu, não se sabe ao certo quando e nem como, a área de imprensa do Centro Olímpico de Deodoro, a 30 quilômetros da Barra de Tijuca. Já na última quarta-feira, um grupo de jornalistas chineses se deslocava dentro de um ônibus do aeroporto do Galeão para a Vila Olímpica pela Linha Vermelha, após cobrir a chegada da equipe de basquete, quando presenciaram quatro homens armados abrirem fogo contra uma viatura policial. Ninguém ficou ferido e os bandidos fugiram.

Três jornalistas espanhóis (dois deles do diário Mundo Deportivo), uma repórter finlandesa, dos russos e dois brasileiros também se viram em apuros quando aguardavam o ônibus oficial do Jogos que os levaria do hotel ao Parque Olímpico. Foram então surpreendidos por uma operação policial na favela do Jacaré. “No início pensávamos que se tratava de estalos. Mas quando ouvimos o terceiro barulho, percebemos que estava acontecendo nas nossas costas”, relatou David Llorens, um dos jornalistas presentes. Eles se esconderam atrás de um carro e, momentos depois, aproveitaram uma pequena trégua para se refugiar dentro do shopping Nova América, segundo contou Joan Justribó, outro dos jornalistas presentes. “Os trabalhadores do shopping estavam muito mais tranquilos. Era algo habitual”, relatou. Era a prova de que nem a realidade mágica e pretensamente controlada dos Jogos Olímpicos foi capaz de alterar a brutal realidade que os cariocas, de todas as regiões e classes sociais, enfrentam diariamente.