Aposta em plebiscito por novas eleições cresce e ganha aceno de Dilma

Consulta é parte de negociação com senadores em troca de voto contra o impeachment

Dilma Rousseff visita um canteiro de obra em Campinas, na última quinta.
Dilma Rousseff visita um canteiro de obra em Campinas, na última quinta.MIGUEL SCHINCARIOL (AFP)
Mais informações

A última chance que Dilma Rousseff parece ter para salvar seu mandato está sendo desenhada neste momento nos corredores do Congresso Nacional. Um grupo de senadores e de deputados de partidos variados articula uma tentativa de acordo para que o impeachment seja barrado no julgamento final, previsto para acontecer em meados de agosto. Em troca, a presidenta afastada se compromete a, ao reassumir, convocar um plebiscito para que a população decida se quer novas eleições presidenciais. A proposta recebeu um aceno da própria presidenta, mas não é consenso no PT e não convenceu ainda o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele fale publicamente do assunto.

Na quinta-feira, Dilma Rousseff defendeu, em entrevista dada ao jornalista Luis Nassif exibida na TV Brasil, que o plebiscito seria uma forma de se refazer o "pacto democrático" que, segundo ela, foi rompido com a abertura do processo de impeachment. "Eu não acredito que esse pacto será remontado dentro do gabinete. É preciso ter um processo em que a população terá que ser consultada (...) Pode ser um plebiscito. É uma coisa que está sendo discutida", afirmou ela, sem dar maiores detalhes de como isso seria realizado.

Apesar de ainda não existir uma proposta formal, uma das possibilidades levantadas é que o plebiscito ocorra junto às eleições municipais de outubro deste ano -para aprová-lo, é necessário que 1/3 da Câmara ou do Senado estejam de acordo. Se, uma vez consultada, a população for favorável a um novo pleito, há ainda um passo: a aprovação no Congresso de uma emenda constitucional sobre a nova votação, que só ocorreria em 2017 para que haja tempo hábil para a campanha política. Os parlamentares, entretanto, não trabalham com a proposta de eleições gerais, como alguns movimentos defendem. Apenas o cargo de presidente passaria por uma nova escolha.

Nesta semana, o senador Roberto Requião (PMDB) realizou um jantar com 30 senadores para discutir a estratégia. "Boa parte" dos presentes, garantiu ele ao EL PAÍS, votou pelo afastamento da presidenta há um mês, mas agora está inclinada a mudar de ideia e convergiu para a possibilidade de novas eleições diretas. O medo de que o cenário de torne desfavorável ao Governo interino no Congresso fez com que os articuladores de Temer tentassem acelerar o processo de impeachment na semana passada, mas a articulação causou polêmica e eles acabaram derrotados nesta semana.

Para se livrar do impeachment, Rousseff precisa do voto de 28 senadores. Há um mês, 22 foram contrários à admissibilidade do impeachment, 54 foram favoráveis e 4 não votaram, incluindo Delcídio do Amaral, que perdeu o mandato um dia antes, e Renan Calheiros, presidente do Senado, que já afirmou que não votará por querer "manter a isenção" que o cargo exige. Na prática, a articulação da presidenta afastada precisa convencer seis senadores. 

Requião faz parte do mesmo partido do presidente interino Michel Temer, mas foi contrário à abertura do impeachment de Rousseff há um mês. Ele tem sido uma das principais vozes públicas favoráveis à proposta do plebiscito e a explica da seguinte maneira: "Não é um 'fora, Temer', nem um 'fica, querida". "É a população escolhendo qual é o caminho do país", ressalta. O senador afirma, entretanto, que ainda é preciso deixar a proposta mais "homogênea" entre os apoiadores.

Divisão no PT e Lula nas pesquisas

A ideia tem o apoio de uma parte da base aliada que sustentava o Governo de Rousseff, como o PCdoB. Mas o PT ainda se divide sobre o assunto. Há um entendimento de que a estratégia pode ser positiva para Rousseff no final, já que ela poderia, ao voltar ao poder, trabalhar para que a proposta de novas eleições acabasse derrotada nas urnas. Caso conseguisse, ela permaneceria no cargo com a legitimidade popular e conseguiria refazer as alianças perdidas no Congresso e até aprovar propostas como uma reforma política que torne a presidência menos refém dos partidos.

Mas outra ala petista acredita que ao adotar o discurso de plebiscito o partido muda radicalmente sua posição de que o afastamento de Rousseff é um "golpe". Essa tese também é a defendida por alguns movimentos sociais que saíram às ruas para defender a presidenta afastada, como o Movimento dos Sem-Terra (MST), que acredita que o acordo é dar caldo para a "saída ilegítima" de Rousseff. Mas entre os movimentos a posição também não é pacificada. Parte do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), por exemplo, acredita que a realização de novas eleições pode ser o melhor caminho, pois vê no Governo Temer a pior saída para o projeto de país que eles defendem.

Na única pesquisa recente sobre o cenário de 2018, feita pelo instituto MDA a pedido da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Lula lidera quando a pesquisa é estimulada - quando são apresentados os nomes aos entrevistados - de primeiro turno para a eleição presidencial, mas aparece atrás em dois dos três cenários de segundo turno. A preocupação é a alta rejeição do petista, que em pesquisas recentes passou de 50%. Há, portanto, um cenário de risco para o PT, em caso de novas eleições neste momento e, com um possível fracasso do Governo Temer, a aceitação a Lula pode melhorar em dois anos. Por outro lado, a permanência de Temer também traz riscos para o partido. Se o presidente interino conseguir arrumar a economia, mantendo assim o apoio do mercado, e evitar grandes cortes aos programas sociais, especialmente ao Bolsa Família, o capital político petista pode ser prejudicado a longo prazo. O partido deixaria de ser associado a essas políticas por grande parte de seus eleitores fiéis. Por isso, a posição dentro do partido ainda não está pacificada.

Enfraquecido pela Lava Jato

A tese do plebiscito começou a ganhar força nesta especialmente após a divulgação dos áudios do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que mostraram que pode ter havido uma articulação para barrar a Operação Lava Jato por políticos próximos a Temer. Antes do afastamento de Rousseff, os defensores da presidenta acusavam o PMDB e a oposição de articular o impeachment para tentar barrar as investigações sobre a corrupção na Petrobras.

Parte dos senadores que na ocasião votaram favoravelmente pela abertura do impeachment teme que a imagem de "golpistas anti-Lava Jato" acabe prejudicando suas próprias imagens, caso aceitem a saída definitiva da presidenta. A forma como o presidente interino distribuiu cargos ministeriais para garantir uma superbase no Congresso também desagradou parlamentares - uma parte porque não foi contemplada e outra parte por acreditar que a negociação escancarou o fisiologismo do novo Governo, o que é mal visto pela população. Apesar de descontentes com esse um mês de Governo Temer, eles também não querem votar pela permanência de Rousseff, para não serem associados com a volta de uma presidenta pouco popular ao poder. O acordo, portanto, se coloca como a melhor saída para que eles não se comprometam com nenhum dos lados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: