Michel Temer

Definindo o estilo Temer: tapa na mesa e direito ao recuo

Presidente interino rejeita imagem de hesitante e disse que "sabe governar" e tratar "com bandidos"

Eraldo Peres (AP)

Leia abaixo a defesa de Temer para as mudanças de conduta do Governo e outros recados, para além das medidas econômicas, do discurso no qual ele tenta imprimir seu estilo no Poder.

MAIS INFORMAÇÕES

"Quando houver equívoco, tem que rever a posição. Se fizer [o equívoco], consertá-lo-ei".

No período do novo Governo, se repetiram as palavras "recuo" e até "recuo do recuo" nas manchetes relacionadas a Temer. Da extinção à recriação do ministério da Cultura passando pelos ministros “falastrões” que tiveram que ser desautorizados por ele. Temer citou o presidente Juscelino Kubitschek (1902-1976) para defender que não tem "compromisso com o equívoco".

"Tenho ouvido: 'Temer está muito frágil, coitadinho, não sabe governar'. Conversa! Fui secretário de Segurança duas vezes em São Paulo e tratava com bandidos"

Temer lembrou seu passado à frente da Polícia Militar em São Paulo no mesmo contexto de demonstrar firmeza. Ao falar que “lidava com bandidos”, no entanto, o mandatário provocou comentários irônicos na Internet, que indagavam se ele se refere a Eduardo Cunha, deputado afastado pelo Supremo Tribunal Federal e réu na Lava Jato, ou a algum outro político. Na indicação do líder do Governo na Câmara (que é ficha sujíssima), foi dito que Temer era "refém do centrão [nome dado aos deputados de legendas menores]" e também refém de Cunha.

“Muitas e muitas vezes se diz que estamos em busca de eliminar ou dificultar qualquer investigação, mas isso contestaria precisamente o que disse em outros momentos. Eu não posso invadir a competência de outro Poder”

As declarações de Temer acontecem um dia após um de seus maiores aliados, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), pedir licença da pasta do Planejamento após uma conversa sua com um diretor da Transpetro ter vazado. Nos diálogos, registrados em março, o ex-ministro fala sobre a necessidade de tirar a então presidenta Dilma Rousseff do poder para frear a Lava Jato, diz que o senador Aécio Neves “será o primeiro a ser comido” por seus “esquemas”, e outros fatos pouco republicanos. Sobre este assunto, Temer disse que seu Governo não vai “impedir a apuração com vistas à moralidade pública e administrativa” e que, “ao contrário, vamos sempre incentivá-la". De acordo com ele, "ninguém quer [esquema para abafar a Lava Jato]”.

"Quero deixar claro que nós temos sido vítimas de agressões, de agressão psicológica, para ver se amedronta o Governo. Não temos preocupação com isso. Temos que cuidar do país. Aqueles que quiserem esbravejar façam o que quiserem, mas pela via legal"

Temer tem sido alvo de protestos de manifestantes contrários ao impeachment em várias cidade.  Desde que declarou o fim do ministério da Cultura, na semana passada, movimentos sociais ocuparam vários prédios ligados à produção artística, como a Funarte, em São Paulo. No fim de semana, grupo "antigolpe" montou acampamento nos arredores da residência de Temer, na Zona Oeste de São Paulo. Em um dos atos, a marcha de protesto foi até a rua do mandatário aos gritos de “golpista”.  Ao contrário do que houve com os manifestantes pró-impeachment que puderam ficar acampados em frente à Fiesp, na avenida Paulista por dias a fio, os manifestantes contra o atual Governo foram dispersados pela Polícia Militar, até pouco tempo comandada pelo atual ministro da Justiça de Temer, Alexandre de Moraes.

“No movimento de junho e julho de 2013 houve grande movimento popular em várias capitais, e eu vim a público dizer que isso era fruto da democracia, as pessoas estavam em busca da democracia de eficiência”

Criticado por montar um ministério que, além de sem mulheres, negros ou índios, é composto por implicados na Lava Jato rechaçados nas ruas, Temer diz estar conectado com o espírito das manifestações ao defender a “democracia da eficiência”. “Os serviços públicos precisam ser eficientes”, repetiu. Suas medidas econômicas planejadas, que incluem limitação de gastos na saúde e educação que podem que podem diminuir investimentos nestes setores, porém, devem ser criticados por parte dos que protestaram em 2013.

“Quando o movimento [de 2013] perdeu densidade? Quando surgiram os mascarados, black blocs, que começaram a depredar tudo. E o movimento acabou”.

A menção aos manifestantes adeptos da tática black bloc e as afirmações de que a oposição só é válida se for exercida “dentro dos limites da Constituição” pode ser lida como advertência aos que protestam contra seu Governo. Ministro Moraes, da Justiça, já havia chamado de "guerrilha".

Arquivado Em: