Com Collor e Dilma, a debandada de apoio na reta final do processo é igual

Diferentes na origem, impeachment dos dois presidentes ficam parecidos a poucos dias da votação aberta na Câmara

Collor, no Congresso Nacional (1990).
Collor, no Congresso Nacional (1990).ROOSEWELT PINHEIRO (ABR)
Mais informações

Dilma está sofrendo a mesma debandada de apoio parlamentar que Collor viveu a poucos dias da votação aberta no plenário da Câmara. Isso, apesar dos esforços dos correligionários de ambos em assegurar os votos necessários para barrar o impeachment, com oferta de cargos e verba para emendas parlamentares.

O então líder do Governo de Collor, o deputado federal Humberto Souto (antigo PFL de MG, atual DEM), recorda os dias que antecederam a votação do impeachment do ex-presidente pelo plenário da Câmara. “Até um dia antes da votação, que foi em 29 de setembro, nós contávamos 18 votos a mais do necessário para barrar o impedimento do Collor”, afirma o advogado mineiro. Segundo ele, no dia 28 foi feita uma reunião de líderes na mansão de um parlamentar em Brasília. “Lá alguns deputados começaram a me procurar e dizer que governadores tinham telefonado pedindo que votassem pelo impeachment”, afirma.

Souto viu o apoio ao presidente derreter em questão de horas. “Nossa vantagem de votos caiu de 18 no início da noite para 12 em um instante. Em seguida, outro deputado me procurou e disse que iria retirar o apoio da sua bancada, e nos vimos com sete votos de vantagem”, afirma ele, que prefere não citar os nomes dos parlamentares que mudaram de lado aos 45 minutos do segundo tempo.

O que se seguiu naquela noite foi, nas palavras do ex-líder, um “efeito dominó: vai um, vai outro... e acabamos a noite com a certeza de que seríamos derrotados”, lembra ele. No dia seguinte, veio o resultado devastador. O pedido de impeachment de Collor foi aceito na Câmara com 441 votos a favor, 38 contra, uma abstenção e 23 ausentes.

Souto avalia que o mesmo está acontecendo com a presidenta Dilma, com a debandada do PSD, PP e PR do Governo, poucos dias depois do principal partido aliado, PMDB, ter desembarcado do Governo no dia 29 de março. Todos hesitaram nessa mudança, comprometendo-se a ficar no barco da petista, decisão esta mantida até esta semana. “Os que sobram, PSOL, PDT, PC do B, são partidos pequenos, não têm força ou votos suficientes para barrar o impeachment”, afirma o advogado.

A esta altura, o enredo de Dilma, se parece, efetivamente, com o de Collor. Publicamente, o Governo petista afirma ter 186 votos, mais do que os 172 suficientes para barrar o processo. Nos bastidores, no entanto, o clima é de desânimo. Estimativas feitas pela oposição, consultorias e por agências de risco dão a derrota do Planalto no domingo como certa. A perda de apoio de Dilma ao longo da semana foi registrada pelo site Atlas Político, que monitora em tempo real as chances de que a proposta de afastamento de Dilma seja aprovada em votação no domingo. O índice foi de 56% na segunda-feira a 97% nesta quinta às 17h, quando o marcador da Atlas registrava 332 votos a favor, 128 contra e 53 indecisos.

Quando começa a debandada [de apoio], é o fim

“Quando começa a debandada [de apoio], é o fim”, diz Souto. Ele cita ainda o fato de que caso haja um começo de votação favorável ao impedimento no domingo, um deputado pró-Dilma pode reavaliar sua posição ao analisar o cenário político, no qual ele se indisporia com o próximo presidente, Michel Temer (PMDB). “Ficar contra o impeachment e perder o poder provocaria o isolamento do parlamentar, e, além disso, o adversário dele na base teria prestígio com o novo presidente e ele não”, diz.

Dilma e o PT ainda mantinham a esperança depois do resultado da Comissão Especial do Impeachment nesta segunda, responsável por analisar se o pedido de afastamento deve ou não ser aceito (etapa que precede a votação no plenário). O pedido de impeachment teve 38 votos favoráveis e 27 contra. O processo de Collor, no entanto, teve uma derrota acachapante: 32 votos a favor e apenas um contra. Outros 15 parlamentares se ausentaram na ocasião.

Collor acreditava que poderia reverter o desfecho na Câmara mesmo assim. A tentativa de garantir o apoio necessário para a votação na Câmara também representa um paralelo entre os dois processos de impedimento. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, depois que Collor saiu derrotado na comissão, o presidente fez uma ofensiva final, oferecendo cargos na administração e a liberação de verbas a quem apoiasse seu mandato. “O ‘Diário Oficial’ (onde são publicadas as nomeações e liberações de emendas) vai sair gordo na próxima semana”, teria dito o então deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), aliado do presidente. Souto nega, e afirma que “naquela época não fizemos negociata, não distribuímos nem cargos nem verba, não houve toma lá da cá”.

No caso de Dilma, o ex-presidente Lula, que montou seu quartel-general em um quarto do Hotel Golden Tulip, em Brasília, seria o responsável, ao lado do chefe de gabinete da presidência, Jaques Wagner, por tentar angariar o apoio dos deputados. Os petistas negam estar oferecendo cargos ou liberação de emendas para conseguir votos contra o impeachment, e garantem trabalhar apenas com a costura de acordos políticos.

Foi exatamente a possibilidade de conseguir mais prestígio mesmo em um Governo que vai mal das pernas manteve por duas semanas PP, PR e PSD na base aliada do Planalto após a saída do PMDB. O deputado Ricardo Barros (PP-PR) chegou a ser cotado para substituir Marcelo Castro (PMDB) no Ministério da Saúde, o mais cobiçado da Esplanada por liderar um dos principais orçamentos. Barros manteve nas últimas semanas a posição de "indeciso" em relação ao impeachment. A negociação não andou e Barros anunciou nesta terça-feira em sua página no Facebook que votará pelo impedimento junto com seu partido. Já os deputados do PR alimentavam a expectativa de assumir posições no Ministério de Minas e Energia.

Semelhanças e diferenças - na origem e no processo - à parte, tudo aponta que  o desfecho do processo contra Dilma terá o mesmo final do que o de Collor. A dúvida, agora, é qual será a diferença de placar.

Collor X Dilma

O início do fim da carreira de Fernando Collor presidente foi uma denúncia feita por seu irmão, Pedro Color de Mello, enredando o presidente e seu tesoureiro, Paulo César Faria, assassinado em 1996, em um esquema de corrupção e cobrança de propinas no Governo. Foi criada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso para investigar o caso, e descobriu-se uma rede de empresas de fachada em nome de Faria que eram usadas para pagar despesas de Collor. O relatório final apontou fortes indícios de crimes como corrupção passiva e formação de quadrilha em seu Governo.

Já no caso da petista, as acusações são de ordem fiscal: ela teria autorizado a emissão de decretos de suplementação orçamentária em 2015 quando o Governo já sabia que não teria dinheiro em caixa - as chamadas pedaladas. Até o momento no entanto, Dilma não é investigada formalmente em nenhum processo e não se descobriu nada que desabone sua conduta pessoal.

Colaborou Rodolfo Borges

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: