Eleições EUA

A semana mais difícil para Donald Trump

Em cinco dias, republicano perde 15% das intenções de voto entre o eleitorado masculino

Donald Trump, em Wisconsin. FOTO: AP / VIDEO: Quality (reuters_live)

Após vários dias de polêmicas e erros, o candidato republicano Donald Trump enfrenta sua semana mais difícil na atual campanha eleitoral. O magnata nova-iorquino perdeu o primeiro lugar nas pesquisas do Estado de Wisconsin, que realiza eleições primárias nesta terça-feira e até agora parecia uma vitória segura no calendário de Trump. Pela primeira vez, além disso, caem os percentuais de apoio a Trump, tanto nesta fase da disputa, das eleições primárias, como para a eleição geral de novembro, cresce o número de eleitores que têm uma opinião negativa sobre ele e diminui o percentual daqueles que o avaliam positivamente.

O que aconteceu na última semana?

Trump protagonizou até agora uma campanha infestada de polêmicas, mas o candidato nunca se envolvem em tantas como nos últimos dias. Começou a péssima semana com uma controvertida foto da mulher do candidato Ted Cruz, seu rival pela indicação republicana. Depois, seu diretor de campanha, Corey Lewandowski, foi acusado de agressão leve a uma repórter e terá de comparecer perante um juiz.

O terceiro passo foi sugerir numa entrevista que, além de defender a proibição do aborto nos Estados Unidos, as mulheres que interromperem suas gestações, caso isso se torne ilegal, “merecem algum tipo de castigo”. O candidato tentou se corrigir, propondo num só dia três tipos de leis para regulamentar o aborto (legalizado em 1973 nos EUA).

Mais informações

No final da semana, ele se reuniu em Washington com os líderes do Partido Republicano, depois de acusar o Comitê Nacional de tratá-lo “injustamente”. Reservadamente, conforme revelou nesta segunda-feira o The Washington Post, um assessor da sua campanha criticou o establishment da capital, num gol metafórico para Trump contra a elite política e a mídia.

O pior candidato presidencial em décadas

Esse comunicado interno da campanha de Trump respondia a várias pesquisas que retratam o candidato como o pior aspirante à presidência dos Estados Unidos em décadas. “Os republicanos estão num buraco”, antevê Larry Sabato, do Centro para a Política da Universidade da Virgínia. Os cálculos desse especialista anteveem uma derrota de Trump nas eleições de novembro, especialmente caso enfrente Hillary Clinton.

O candidato repete publicamente que está “à frente de Clinton em muitas pesquisas”, mas os levantamentos que são divulgados o desmentem repetidamente. Segundo a média elaborada pelo site The Huffington Post com mais de 30 pesquisas nos dois últimos meses, o republicano só superou a democrata em uma ocasião – e tampouco ganharia de Bernie Sanders.

Segundo uma pesquisa do Post, 67% dos eleitores têm uma opinião negativa sobre Trump. O percentual sobe para 80% no caso dos eleitores mais jovens, e para 85% entre os hispânicos. Metade dos republicanos tampouco gosta dele. De acordo com o Post, se trata do candidato com maior rejeição nos últimos 32 anos.

E, apesar de os últimos acontecimentos levarem a crer que esse cenário é resultado dos ataques de Trump contra as mulheres, os dados do Ipsos apontam outro fator: em apenas cinco dias, o republicano perdeu 15% de votos entre seus principais seguidores, os homens. “Um candidato deve parecer presidencial para chegar à Casa Branca, e humilhar as mulheres não ajuda a chegar lá”, diz uma análise recente do instituto de pesquisas.

Wisconsin já não é uma vitória segura

O próximo Estado a realizar primárias conta com um importante setor de trabalhadores industriais e uma minoria de votantes evangélicos, dois fatores que até agora favoreceram o magnata. Wisconsin adota votações abertas, ou seja, em que o eleitor pode votar mesmo sem estar filiado ao partido. Mas todas as circunstâncias que favoreciam Trump até agora podem terminar nesse Estado. As últimas pesquisas o colocam em média 6,5 pontos atrás de Cruz, e suas repetidas críticas a Scott Walker, ex-candidato republicano e governador de Wisconsin, tampouco o ajudaram.

Se Cruz afinal obtiver a vitória nesta terça-feira, continuará mais de 200 delegados atrás de Trump, mas terá demonstrado que pode prolongar a disputa até a Convenção Republicana de 18 de julho.

E entre os democratas?

Hillary Clinton e Bernie Sanders chegam a Wisconsin envoltos numa polêmica sobre as doações feitas à candidata por pessoas vinculadas ao setor das energias fósseis. “Estou farta das mentiras da campanha de Sanders”, reagiu a democrata diante das denúncias. Seu rival também a acusou que impedir a realização de novos debates antes da votação em Nova York, Estado por onde ela foi senadora e onde o aspirante pode dar um importante golpe na campanha dela, em 19 de abril. Segundo as últimas pesquisas, o senador de Vermont supera Clinton por uma média de três pontos em Wisconsin.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50