A lista dos principais citados nos ‘Panama Papers’

Entre os nomes mais destacados do caso há mandatários internacionais, membros de casas reais, esportistas e cineastas

O primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, em outubro de 2014.J. NACKSTRAND (AFP) / EL PAÍS VÍDEOundefined

Um gigantesco vazamento de 11,5 milhões de documentos expôs a relação de importantes figuras mundiais – entre empresários, políticos, esportistas e personalidades culturais – com o escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca. Desde meados dos anos setenta, importantes bancos do mundo, como o suíço UBS e o britânico HSBC, trabalham ou trabalharam com esse escritório para administrar os ativos offshore (opacos) dos seus clientes. A seguir, alguns dos nomes mais relevantes que aparecem nesses documentos, aos quais o diário alemão Sueddeutsche Zeitung teve acesso, e que depois foram distribuídos para meios de comunicação do mundo todo – no Brasil, a divulgação foi feita pelo portal UOL, pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela Rede TV!, através do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês):

- Vladimir Putin. Apesar de o presidente russo não ser citado nominalmente nos documentos, a análise dos dados apontou que amigos do mandatário, beneficiários de contratos e concessões públicas que não teriam sido possíveis sem sua ajuda, estabeleceram uma rede de sociedades offshore (cujos titulares ficam ocultos) num valor aproximado de 2 bilhões de dólares (7,1 bilhões de reais). Entre as pessoas próximas do mandatário russo se destaca o nome de Sergei Roldugin, seu melhor amigo, que apresentou Putin à sua mulher e é padrinho de sua filha mais velha. A escolha dessa pessoa parece evidente: é da máxima confiança do Putin e sem um perfil econômico marcado, pois é músico profissional e praticamente nunca se envolveu em atividades empresariais. O Governo russo acusou o ICIJ de lançar um “enganoso ataque informativo”.

-Sigmundur David Gunnlaugsson. O primeiro-ministro islandês e sua mulher utilizaram uma firma offshore, a Wintris Inc., para ocultar milhões de dólares investidos em três grandes bancos durante a crise financeira. O envolvido, chefe do Executivo islandês desde meados de 2013, negou qualquer má prática. Poucos dias depois, Gunnlausgsson demitiu.

Mais informações
Vazamento de dados sobre paraísos fiscais expõe envolvidos na Lava Jato
Macri e o secretário de Kirchner também estão nos ‘Panama Papers’
Odebrecht e Queiroz Galvão abriram contas com a Moussak
As sociedades ‘offshore’ são ilegais? Depende de como são utilizadas
“Venezuela” aparece em 241.000 documentos do vazamento do Panamá

- Mauricio Macri. O presidente argentino participou, com seu pai e um de seus irmãos, do conselho de administração de uma sociedade offshore com sede nas Bahamas, denominada Fleg Trading. A firma esteve ativa até 2009, quando Macri ocupava a chefia do Governo de Buenos Aires, mas não se sabe se àquela altura ele já havia deixado seu cargo no conselho. O presidente rejeitou as suspeitas, dizendo que nunca participou do capital da Fleg Trading. “Essa sociedade esteve vinculada ao grupo empresarial familiar, daí que o senhor Macri fosse ocasionalmente designado como conselheiro”, afirmou a presidência argentina em nota.

-Salman bin Abdulaziz. O rei da Arábia Saudita utilizou uma sociedade com sede fiscal nas Ilhas Virgens Britânicas – um território que o Brasil considera como paraíso fiscal – para financiar moradias de luxo no centro de Londres. Na documentação também consta como usuário de um iate registrado nesse território britânico de ultramar.

- Petro Poroshenko. O multimilionário presidente ucraniano é, desde meados de 2014, o único acionista da firma Prime Asset Partners, também sediada nas Ilhas Virgens Britânicas.

-Pilar de Borbón. A irmã de Juan Carlos e tia do rei Felipe VI, da Espanha, foi presidenta da empresa panamenha Delantera Financiera a partir de agosto de 1974 – um mês depois de o então príncipe Juan Carlos assumir de forma interina a Chefia do Estado. A sociedade foi dissolvida apenas cinco dias depois de Felipe VI ser proclamado Rei da Espanha, em 2014.

-Micaela Domecq. A esposa do comissário (ministro) europeu de Clima e Energia, Miguel Árias Cañete, ex-ministro espanhol de Agricultura, era uma das pessoas responsáveis pela sociedade panamenha Rinconada Investments Group na época em que seu marido exercia diversos cargos públicos na Espanha e na União Europeia. A firma se tornou inativa no começo de 2010. A família Domecq alega que todos os ganhos foram declarados, e que atualmente não tem nenhum poder na Rinconada.

-Leo Messi. O jogador do FC Barcelona utilizou um escritório uruguaio para adquirir uma sociedade panamenha com a qual teriam faturado seus direitos de imagem – pelas costas da Agência Tributária espanhola – a partir de 13 de julho de 2013, um dia depois de o Ministério Público espanhol mover uma ação contra o jogador por suposta fraude.

- Michel Platini. O ex-presidente da UEFA, suspenso do cargo por suposta vinculação com um caso de corrupção, consta como dono e administrador único da Balney Enterprises, uma sociedade opaca criada no Panamá poucos meses depois da sua nomeação como máximo responsável pelo órgão que dirige o futebol europeu. Segundo os documentos, Platini teve ajuda do escritório Mossack Fonseca para administrar a empresa. Os advogados do ex-jogador francês disseram em nota que “a totalidade das contas e bens” de Platini “é conhecida pela administração fiscal da Suíça, país no qual é residente fiscal desde 2007”.

-Iván Zamorano. O ex-jogador do Real Madrid e da seleção chilena é outro dos nomes ilustres do mundo do futebol que se veem atingidos pelos documentos do Panamá. Segundo eles, Zamorano estava ligado a uma firma, a Fut Bam International, que geria seus direitos de imagem – uma das principais fontes de renda de um jogador de alto nível – a partir das Ilhas Virgens Britânicas.

-Pedro Almodóvar. O cineasta e seu irmão e produtor Agustín comandaram, a partir de junho de 1991, a firma Glen Valley Corporation, também registrada nas Ilhas Virgens Britânicas. A empresa se manteve ativa entre 22 de março de 1991 e 11 de novembro de 1994, e sua tramitação foi gerida pelo escritório panamenho Mossack Fonseca em Genebra (Suíça).

-Jackie Chan. O ator nascido em Hong Kong aparece nos documentos como acionista de seis empresas com sede nas Ilhas Virgens Britânicas.

- Eduardo Cunha. O presidente da Câmara dos Deputados teria uma offshore criada pelo escritório Mossak Fonseca. Os detalhes ainda serão revelados pelas investigações, mas neste domingo, o deputado usou sua conta no Twitter para se defender: "Para deixar bem claro, não tenho qualquer relação, direta ou indireta com a tal offshore, não conheço e nem nunca soube quem é o tal banqueiro", publicou. "Além do que,nunca conheci e nem sabia da existência da tal Mossak".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS