Seleccione Edição
Login

Investigação mundial revela contas ocultas de chefes de Estado

'Panama Papers' apontam conexões de dezenas de personalidades em atividades ocultas ao fisco

Putin, citado nos 'Panamá Papers'.
Putin, em uma foto de arquivo. REUTERS

Chefes de Estado e de Governo em exercício e aposentados, políticos, grandes empresários, esportistas de elite, atores e artistas de prestígio mundial figuram como titulares ou vinculados a empresas de fachada no grande vazamento de dados do escritório de advogados panamenho Mossack Fonseca, especializado na criação de empresas offshore, revelaram vários meios de comunicação de todo o mundo. Entre as personalidades que emergem do exame dos 11,5 milhões de documentos filtrados pelo Wikileaks e pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos figuram amigos pessoais do presidente russo, Vladimir Putin; o ex-presidente da UEFA Michel Platini; o primeiro-ministro islandês, Sigmundur David Gunnlaugsson; o presidente da Argentina, Mauricio Macri, assim como pessoas relacionadas com 72 chefes ou ex-chefes de Estado ou de Governo. Também figuram nos papéis empresas vinculadas ao jogador de futebol do Barcelona Lionel Messi e várias personalidades espanholas.

Os mais de 11 milhões de documentos da Mossack Fonseca que foram divulgados revelam, segundo a rede britânica BBC, como essa empresa ajudou durante os últimos 40 anos alguns de seus clientes a lavar dinheiro procedente de diversas atividades.

Embora o nome do presidente russo não apareça nos documentos, segundo a análise dos dados, os amigos do Putin, beneficiários de contratos e concessões públicas que não teriam sido possíveis sem seu amparo, estabeleceram uma rede de empresas offshore (cujos donos ficam ocultos), com um valor aproximado de 2 bilhões de dólares (7,1 bilhões de reais). Entre as pessoas próximas do presidente da Rússia se destaca Serguei Roldugin, o melhor amigo de Putin, que lhe apresentou aquela que se tornaria a mulher do líder russo e é padrinho de sua filha mais velha, segundo o jornal britânico The Guardian, que teve acesso aos dados.

Os documentos mostram relações com várias personalidades vinculadas a Putin, como Roldugin. A operação foi posta em marcha por meio do banco Rossiya, alvo de sanções dos Estados Unidos e da União Europeia depois da anexação da região ucraniana da Crimeia pela Rússia. O dinheiro foi supostamente lavado por meio de uma empresa de Roldugin, amigo da adolescência de Putin.

Esse músico profissional controla ativos de aproximadamente 100 milhões de dólares através das empresas de fachada. Entre esses ativos estão uma participação de 12,5% na principal agência de publicidade televisiva da Rússia e outra de 3,2% no Rossiya, uma instituição privada utilizada por amigos de Putin e alvo de sanções em 2014, segundo o jornal britânico.

Os chamados “papéis do Panamá” revelam que o presidente do Rossiya, Yuri Kovalchuk, e o próprio banco transferiram pelo menos 1 bilhão de dólares a uma empresa de fachada chamada Sandalwood Continental. Esses fundos provinham de empréstimos do Banco Comercial da Rússia, controlado pelo Estado e por outras instituições públicas russas.

Por sua vez, Gunnlaugsson, atual primeiro-ministro da Islândia, e sua mulher, Anna Sigurlaug Pálsdóttir, adquiriram, através da marca luxemburguesa do banco islandês Landsbanki, a empresa Wintris Inc., administrada pela Mossack Fonseca. O casal utilizou essa empresa para investir milhões de dólares herdados, segundo os documentos assinados em 2015 pela mulher do primeiro-ministro.

Macri, presidente da Argentina, seu pai Francisco e seu irmão Mariano eram administradores de uma empresa denominada Fleg Trading Ltd., constituída nas Bahamas em 1998 e dissolvida em janeiro de 2009. Macri não revelou seu vínculo com a Fleg Trading em suas declarações patrimoniais de 2007 e 2008, quando era prefeito de Buenos Aires. O que ele declarou foi uma conta bancária no Merrill Lynch, nos Estados Unidos, com saldo de 9,1 milhões de dólares em 2007 e 5,9 milhões em 2008. Também declarou 500.000 dólares em ativos no estrangeiro em 2008, mas não especificou sua origem nem localização. Tudo, segundo dados do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos.

Um porta-voz do Governo argentino garantiu ao EL PAÍS que as contas que aparecem não são de Maurício Macri, mas sim do grupo familiar Socma, e insiste que o grupo declarou essas contas. Por isso descarta que o presidente argentino tenho praticado a evasão de impostos em aglum momento, informa Carlos E. Cué. De qualquer forma, o porta-voz insiste que são questões anteriores ao momento em que Macri entrou na política, e sempre vinculadas ao grupo familiar, um dos mais importantes da Argentina.

Entre as pessoas que utilizaram os serviços dessa empresa se encontram os irmãos Pedro e Agustín Almodóvar (ambos asseguraram à imprensa que sua situação já está regularizada), o jogador de futebol Lionel Messi e Pilar de Borbón (irmã do ex-rei espanhol Juan Carlos).

O cineasta espanhol e seu irmão receberam poderes para dirigir a empresa Glen Valley Corporation, com sede nas Ilhas Virgens. Essa assinatura esteve ativa entre março de 1991 e novembro de 1994. Ambos negaram sua participação direta ou indireta em qualquer companhia offshore.

Os documentos mostram que Messi mantém ativa no Panamá uma empresa cujo único acionista é seu pai. A empresa Mega Star Enterprises Inc. foi registrada no Panamá. Os únicos beneficiários são o astro do Barcelona e seu pai, que são acusados na Espanha de um suposto delito fiscal, pelo qual começarão a ser julgados em 31 de maio.

A Mossack Fonseca comunicou recentemente a seus clientes que sofreu um ataque a seus servidores de informática e afirmou em um comunicado que seu escritório de representação no Brasil foi intimado a contribuir com informações “como parte das investigações da procuradoria desse país sobre alguns casos atualmente em curso nesse país”. Nos documentos vazados, aparecem ao menos 57 pessoas já investigadas pela Lava Jato, como Edison Lobão e Eduardo Cunha, que podem ser beneficiárias de contas ocultas.

A empresa reconheceu que entre seus clientes se encontram “bancos de primeira categoria, advogados, contadores, escritórios de advocacia, etc.”, acrescentando: “São empresas e firmas reconhecidas comercialmente e de boa reputação.”

MAIS INFORMAÇÕES