Fome no mundo

Guerra ao filantrocapitalismo

David Rieff critica organizações, fundações e ONGs que querem acabar com a fome mundial

Uma criança come em perto de Cankuzo, Burundi.
Uma criança come em perto de Cankuzo, Burundi.Frank May (Afp)

Mais informações

Se você é daqueles que acreditam que o progresso tecnológico e a filantropia estão em vias de acabar com a fome no mundo, David Rieff tem más notícias. Seu novo ensaio, El oprobio del hambre (O opróbrio da fome), é uma revisão crítica e minuciosa das organizações internacionais, fundações e ONGs que querem acabar com a fome no mundo e que, apesar de suas boas intenções, conseguem, de acordo com o autor, resultados decepcionantes.

Rieff, filho da ensaísta Susan Sontag morta em 2004 e editor de suas memórias,  reconhece que houve alguns progressos na erradicação da fome na última década, mas também adverte que a população não para de crescer, que o planeta vai se aquecendo com rapidez causando secas e arrasando culturas e que a desigualdade avança sem parar. Como vamos alimentar 9 bilhões de pessoas que vão morar no planeta a meados do século?, ele se pergunta com angústia neo-malthusiana.

Seis anos dedicou o autor de A punta de pistola ou Contra la memoria para escrever esta valente e inteligente análise das políticas de desenvolvimento, na qual ataca sem consideração e com o qual provavelmente não vai fazer muitos amigos na cena humanitária. O alvo de suas críticas devastadoras são investidores que especulam com matérias-primas, o Banco Mundial, as ONGs, a ajuda oficial ao desenvolvimento dos países ricos e, acima de tudo, os filantrocapitalistas. Deles diz que “brincam de ser deus” e que só prestam contas a eles mesmos. De Bill Gates chega a ponto de escrever que é tão totalitário quanto Fidel Castro.

O autor dedica muitas páginas para explicar o que está sendo feito de errado e poucas para mostrar o que poderia ser feito melhor

Acusa as “elites do desenvolvimento” sobretudo de pregar um otimismo quase messiânico, não dizer a verdade quando anunciam com estrondo que estamos testemunhando o começo do fim da fome no mundo. Deles também diz que se movem em um magma no qual os interesses comerciais e propósitos altruístas não conseguem ser bem definidos. “É um exagero afirmar que no início do século XXI às vezes parece que quatro categorias de pessoas (...) têm o direito de se comportar como quiserem: crianças, psicopatas, vítimas e filantropos?”, escreve ele.

O problema de fundo é o que Rieff chama de “antipolítica tecnocrática”, que é o que inspira os programas de ajuda ao desenvolvimento, ele garante. Ou seja, a crença de que uma boa dose de inovação promovida pelo setor privado vai resolver tudo. Para mostrar que isso é um equívoco, Rieff cita como exemplo a revolução verde e a eclosão transgênica que supostamente iam encher os estômagos dos famintos e não conseguiram. Rieff parece alinhar-se mais com os ativistas que defendem que a fome é principalmente um problema de acesso ao invés de produção, e resgata no livro uma forte citação de Mahatma Gandhi: “Na Terra há suficiente para satisfazer as necessidades de todos, mas não para satisfazer sua ganância. “

O tema e os argumentos de Rieff são fascinantes, o problema é que o autor dedica muitas páginas para explicar o que está sendo feito de errado e talvez poucas para explicar como se poderia fazer melhor. Somente no final do livro, Rieff aponta receitas como o fortalecimento do Estado e da democracia em um mundo em que “nossa política tem sido corrompida com dinheiro e publicidade”. Pode ser que seja o caminho certo, mas é uma resposta demasiadamente vaga e pobre depois de mais de 400 páginas dedicadas a desmontar as conquistas das organizações humanitárias.

El oprobio del hambre. Alimentos, justicia y dinero en el siglo XXI. David Rieff. Tradução de Aurelio Major e Lucas Aznar. Taurus. Madri, 2016. 430 páginas. 23,90 euros