Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Viagem às raízes do Brasil negro

O Museu Afro Brasil é essencial para entender um país onde 51% da população se declara negra ou parda

Réplica de um navio negreiro no Museu Afro de SP.
Réplica de um navio negreiro no Museu Afro de SP.

Um passeio pelo Museu Afro Brasil emociona quem vai aberto a conhecer as raízes brasileiras. Com mais de 6.000 obras distribuídas em 7.000 metros quadrados, esse é o maior museu do país dedicado à cultura afro-brasileira, sediado no Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega, em meio ao verde do Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Lá, ícones nacionais como o escritor Machado de Assis, o abolicionista Luiz Gama e o guerrilheiro Carlos Marighella ganham rostos. E, para a surpresa de muitos ainda hoje, são rostos negros.

Visitado por pouco mais de 180.000 pessoas no ano passado, o museu foi fundado em 2004 pelo artista plástico e pesquisador baiano Emanoel Araújo, que, de entrada, doou 5.000 peças de sua coleção pessoal ao acervo permanente da instituição. Além de quadros na parede e de esculturas e objetos espalhados por três andares de mostras de longa duração e temporárias, a instituição conta também com o teatro Ruth de Souza e a Biblioteca Carolina de Jesus, que abriga cerca de 10.000 itens – vários deles sobre escravatura e abolição – e é uma dose de emoção à parte. "Como não é um museu de obras célebres, mas que revela a grande importância desse Brasil afrodescendente combinando arte, história e memória, ele gera mesmo grande comoção", diz seu fundador.

Ao contrário do que se pode pensar, não é um espaço de gueto, nem dedicado à África. Sua proposta é descortinar a parcela negra, que hoje soma 51% da população no Brasil, da mistura nacional, ainda que estabeleça uma ponte com o resto do mundo. “Acho que o Museu Afro Brasil é a maior conquista dos negros, não só brasileiros, mas de todos”, afirma Vera Eunice de Jesus Lima, filha de Carolina de Jesus – autora de Quarto de despejo – Diário de uma favelada, visceral relato em primeira pessoa sobre a luta contra a fome e a miséria na favela. “Porque ali você pode comprar o que o negro faz. Você vê o negro na arquitetura, o negro na literatura, o negro no teatro...”, continua a professora de português em uma entrevista estampada na entrada da biblioteca.

Carolina de Jesus e seu 'Quarto de despejo'.
Carolina de Jesus e seu 'Quarto de despejo'.

A história de sua mãe, contada através de recortes de jornais, fotografias e documentos, abre o trajeto pela exposição permanente com a emoção que vai acompanhar o visitante até o final. Carolina morava na favela do Canindé, em São Paulo, era catadora e escreveu sobre o cotidiano de sua comunidade em cadernos encontrados no lixo. Em 1958, foi descoberta pelo jornalista Audálio Dantas, que a ajudou a publicar seu diário. Quarto de despejo saiu em 1960, foi traduzido a 13 idiomas e teve 100.000 exemplares vendidos neste ano – o mesmo que vendia Jorge Amado na época.

A visita continua, e aparecem telas de pintores negros do século XIX e XX, como Arthur e João Timótheo da Costa e Emmanuel Zamor, fotografias de artistas que captaram a afrobrasilidade com suas lentes, como Madalena Schwarz e Pierre Verger, retratos e textos sobre atores e atrizes como Grande Otelo e Ruth Rocha, troféus de jogadores de futebol como Garrincha e Pelé e canções de cantores e compositores como Ismael Silva e Paulinho da Viola. A esse bloco de resgate, segue um de reflexão, com a réplica de um navio negreiro acompanhada de relatos sobre o tráfico de escravos da África para o Brasil, que durou 400 anos. Tem ainda uma vasta ala sobre religiosidade, candomblé e capoeira, outra sobre expressões culturais como o maracatu, e assim mais de 500 anos de uma outra história passam diante dos olhos.

Varanasi (Benares), Índia.
Varanasi (Benares), Índia.

"Desde sua fundação, há mais de dez anos, o Museu Afro Brasil tem a proposta de mostrar quem negro foi e quem negro é”, afirma Emanoel Araújo ao EL PAÍS. “Uma de nossas missões é resgatar a história e a memória daqueles que foram esquecidos ou são pouco lembrados pela história oficial", ressalta o diretor, que deixou a direção da Pinacoteca antes de embarcar neste projeto. Isso acontece sem que o presente fique de fora, sobretudo nas exposições temporárias, que podem ou não conversar diretamente com a proposta central do museu. Entre as recém-inauguradas, estão as mostras do artista plástico paulistano Caíto (Cúmulo), com 20 peças inéditas, e do fotógrafo Rodrigo Koraicho (Devoção), que usa um tema afim à proposta do museu – a religiosidade – para mostrar as crenças de regiões da Índia e do Nepal. A dica é investir algumas boas horas para ver tudo isso com calma. Aproveitando o passeio, o retorno em desconstrução de estereótipos é garantido.

Aos sábados, a entrada ao Museu Afro Brasil é gratuita, mas o passeio é menos tranquilo também. Nos demais dias (exceto segunda-feira), a entrada custa R$ 6 (R$ 3 a meia).

MAIS INFORMAÇÕES