Equador e Brasil se comprometem a melhorar seu intercâmbio comercial

Dilma e Correa aprovam acordos de integração regional para enfrentar crise e ampliar troca de bens

Os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff (à esq.), e do Equador, Rafael Correa, acenam de uma sacada em Quito.
Os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff (à esq.), e do Equador, Rafael Correa, acenam de uma sacada em Quito.KEVIN GRANJA (REUTERS)
Mais informações
Exportações da América Latina caem pelo quarto ano consecutivo
América Latina nunca teve tantos jovens, mas não aproveita impulso

Integração regional para enfrentar a crise econômica e maior intercâmbio comercial entre os países da região: esses foram os acordos que Dilma Rousseff e Rafael Correa aprovaram durante seu encontro em Quito. Um dos pedidos concretos do Equador, segundo o embaixador desse país no Brasil, Horacio Sevilla, foi reduzir o déficit da balança bilateral, já que o Equador compra aviões militares e comerciais e maquinário do Brasil, enquanto espera em breve começar a exportar produtos industrializados e aumentar a venda de banana, camarão e atum, que foram prejudicadas por problemas com o registro sanitário.

Em suas falas, os dois presidentes se comprometeram a reunir suas equipes da área econômica em março para selar estes acordos. O presidente Correa espera que as instituições financeiras do Brasil abram novas linhas de crédito para importar caminhões e ônibus do Brasil, e ao mesmo tempo espera que este país aumente suas compras do Equador. O Brasil já é um dos sócios estratégicos do país andino: no passado, financiou projetos emblemáticos, como a central hidrelétrica Manduriacu.

A cooperação sul-sul que existe entre Brasil e Equador continuará. Desde 2015 há uma agenda de cooperação técnica que terminará em 2017, na qual se destacam os programas de redução de incêndios florestais e de fortalecimento da rede hidrológica. Além disso, estão mantidos importantes projetos vigentes de cooperação, como o banco de leite materno, a implementação da TV digital e a assessoria para estabelecer um sistema de vigilância farmacológica.

A presidenta do Brasil se aproximou dos jornalistas no final da conferência para falar do zika vírus, da busca por uma vacina e do esforço que a sociedade brasileira espera para sair desta crise sanitária.

Na manhã desta terça-feira, paralelamente, realizou-se o prólogo da IV Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), com a reunião dos seus ministros de Relações Exteriores. Eles definiram os temas que os chefes de Estado discutiriam durante a jornada desta quarta. Ricardo Patiño, chanceler do país anfitrião, insistiu a seus colegas para que orientem seus esforços a erradicar a pobreza extrema na região. Segundo dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), vivem na região quase 165 milhões de pessoas em situação de pobreza, das quais 69 milhões em pobreza extrema.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS