cinema brasileiro

Fernanda Montenegro a Dilma: “Avalie se vale a pena continuar neste inferno”

Atriz responde a questionário do EL PAÍS e fala sobre a sua carreira, política e violência no Brasil

A atriz brasileira Fernanda Montenegro.
A atriz brasileira Fernanda Montenegro.

Arlette Pinheiro Esteves Torres (Rio de Janeiro, 1929), mais conhecida pelo seu nome artístico, Fernanda Montenegro, é a atriz mais reconhecida do Brasil. Com o filme Central do Brasil (1998), foi a primeira atriz latino-americana a ser nomeada para um Oscar de Melhor Atriz. Não ganhou, mas com esse mesmo papel ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Berlim. Ao longo dos anos, a primeira dama do teatro do Brasil mostrou seu talento no cinema, televisão e teatro. Em 2013, ganhou o prêmio Emmy Internacional por sua atuação no filme para TV Doce de Mãe.

Pergunta. Qual foi o último livro que fez você dar gargalhadas?

MAIS INFORMAÇÕES

Resposta. Dar gargalhadas, nenhum. No entanto, toda boa leitura é uma grande diversão.

P. Qual é seu lugar favorito no mundo?

R. Minha casa. De preferência, o meu quarto. De preferência, a minha cama.

P. Sobre seu trabalho, no que ele mais lhe orgulha?

R. De ter sobrevivido a 70 anos de vida pública. Comecei aos 15 anos e agora tenho 86 e as pessoas me aguentaram bem.

P. Quando foi a última vez que chorou?

R. Eu choro todos os dias, por razões subjetivas. Mas a última vez foi quando eu soube que no Rio mataram cinco jovens honestos, dignos, com 50 tiros. Em um carro, como se fosse um local de extermínio.

P. Qual é o melhor conselho que lhe deram seus pais?

R. "Tenha um ofício. Uma profissão."

P. Qual é a sua rotina diária para ensaiar?

R. Eu não tenho nenhuma rotina sacramentada. Quando você trabalha com teatro, você vive de acordo com o grupo de trabalho. Tudo é resolvido na sociabilidade no teatro, não se faz teatro sozinho.

P. Com quem você gostaria de se sentar em uma festa?

R. Com Fernando Torres, meu marido, que já se foi. Meu companheiro de 60 anos.

P. Quando foi o mais feliz?

R. Sou feliz cada vez que vejo meus filhos e meus netos. É o momento mais feliz para mim, porque eu sei que o caminho da minha descendência não terminou comigo.

P. O que a deixa sem dormir?

R. Por incrível que pareça, após um dia de trabalho duro, o sonho não vem à noite. Há uma dinâmica no cérebro, uma mistura de sentimentos, imaginação e força física que exige muito.

P. Um lugar que lhe inspira?

R. A própria natureza. É um lugar comum, eu sei, mas é verdade. A floresta, as nuvens...

P. Com que idade percebeu que queria ser atriz?

R. Nunca tive uma razão me conduzindo. Foi um instinto, uma vocação, algo que se aproxima lentamente e um dia se consolidou. Quando isso aconteceu, eu sabia que não ia fazer outra coisa na vida.

P. O que seus amigos criticam em você?

A última vez que chorei foi quando eu soube que no Rio mataram cinco jovens honestos, dignos, com 50 tiros. Em um carro, como se fosse um local de extermínio

R. Eu acho que muitas coisas. Talvez só me apresentar quando quero ser vista.

P. O que te assusta?

R. A possibilidade de perder minha memória, porque eu sou a minha memória.

P. Onde não gostaria de viver?

R. Às vezes eu não gosto de viver na minha cidade por ser tanta a violência que vejo em volta. Nem no meu país.

P. O que é um bom fim de semana?

R. Muitas vezes é ficar em casa lendo. Outras vezes é sair para comer com minha família.

P. O que você diria à presidenta Dilma Rousseff?

R. Avalie bem, com calma, se vale a pena continuar no inferno que você está vivendo agora.

P. Qual personagem mais se assemelha a você?

R. Todos os que fiz, tanto os de bom caráter, como os de mau caráter.

P. Quais são suas influências artísticas?

R. Minha avó, analfabeta, italiana. Ela era uma grande contadora de histórias em uma época em que não havia rádio ou televisão. Ela era uma porta-voz de um imaginário que só os analfabetos têm.