Seleccione Edição
Login
Bruno Torturra | Ativista

“Estamos deixando de discutir as verdadeiras pautas nesse protesto”

Para Bruno Torturra, temas como reforma política, direitos humanos e cidadania passam ao largo das manifestações atuais, que representam a antítese de junho de 2013

Bruno Torturra, ativista e jornalista
Bruno Torturra, ativista e jornalista

O ativista e jornalista Bruno Torturra ficou fortemente identificado com as manifestações de junho de 2013, quando atuava com a Mídia Ninja, um grupo independente de jornalismo, que cobriu os protestos que tomaram o país e assustaram o mundo naquele ano. Os veículos tradicionais eram desprezados pelos manifestantes na ocasião por não terem captado de cara quais eram as demandas do grupo, e por terem sido rotulados de “vândalos”, inicialmente. Era uma época em que ainda não se entendia bem o que eram os Black Blocs, Movimento Passe Livre, e nem se falava em eleitores 'coxinhas' ou 'petralhas' com tanta ênfase como agora.

Naquele tempo, Torturra transitava à vontade pelas ruas do país levando as imagens ao vivo dos protestos pela web, vídeos de celulares feitos pelos manifestantes, e as cenas de violência que chocaram a população, aumentando o número de pessoas na rua. Fora da Mídia Ninja desde o final de 2013, hoje ele cuida do Estúdio Fluxo, também de jornalismo, e se mantém na ativa com a produção de conteúdo para a internet. Nesta entrevista, ele compara as ‘jornadas de junho’ com o momento atual do Brasil, prestes a viver uma marcha contra a presidenta Dilma Rousseff.

Pergunta. Há quem compare o movimento atual com as jornadas de junho de 2013. Faz sentido?

Resposta. Não adianta comparar, pois a origem do movimento atual é oposta à de junho de 2013, que teve como gatilho uma demanda não só histórica, mas de cunho de esquerda e popular: pelo transporte grátis. Era uma pauta específica e histórica, catapultada, depois, pela violência policial [empregada nos primeiros protestos].

P. Qual é a sua avaliação?

R. Muitas coisas me preocupam. Há um sentimento muito raivoso, e desfocado que afeta não a presidenta, mas a estabilidade democrática que ainda é muito frágil no país. Temos eleições há muito pouco tempo. Tem muitos oportunistas por trás dessas manifestações pelo Brasil, que não vem à frente. Na verdade, é um movimento antítese ao de junho.

P. Você teve um papel importante naquele momento, com a Mídia Ninja que transmitia ao vivo os protestos pela internet. Como se sente agora?

R. Sinto desilusão porque os protestos estão descolados dos reais problemas pelos quais o país está passando, e tantas outras pautas que resolveriam problemas que esta turma aponta.

P. E quais seriam as verdadeiras pautas?

R. Todas as vezes que tivemos chance de discutir uma reforma política não fomos capazes de unir a população em torno desse assunto que provoca mais corrupção que qualquer outra coisa no país. O próprio movimento contra o aumento de tarifa foi absolutamente insatisfatório. Falando especificamente de São Paulo. Não conseguimos colocar 5.000 pessoas nas ruas por um plano de emergência para a falta de água e crise hídrica. A violência policial, o fim da polícia militar. Vivemos um estado que mata milhares de pessoas todo ano e tratamos com uma naturalidade impressionante. Não colocamos gente suficiente para tratar desses temas, e agora querem tratar o impeachment. O quanto esse tema está sendo tratado de maneira diligente, pela mídia, políticos, e pela própria natureza superficial e histérica do Facebook.

P. O que deu errado de junho de 2013 para cá que desmobilizou as pautas de esquerda?

R. Há uma responsabilidade da própria esquerda, que falhou ao produzir a crítica ao PT por dentro da própria esquerda. E constrange muita gente que poderia fazer isso. A oposição acaba sobrando inteira na mão de direita. E um governo desgastado, incompetente de várias formas, que traiu promessa de campanha. Fica muito complicado produzir um discurso consistente para a defesa do Governo. Quando eu critico a ideia do impeachment, a minha defesa não é a do PT, é a da estabilidade das instituições, da democracia. Não é defender a presidente. É a presidência. Muito em risco quando temos linha sucessória atual [o vice-presidente Michel Temer, ou presidente da Câmara, Eduardo Cunha].

P. Mas há um movimento de resistência a esta marcha, o que não havia em junho, não?

R. A direita me parece mais forte. Não sei o que esperar, francamente, pode ter menos gente do que eu espero, mas não é o que sinto. Muita gente jovem, de 12, 13 anos, está combinando de ir. Houve uma tensão de 2013 para cá que ainda não foi para a rua. Estava de maneira incipiente dentro de movimentos radicais [pós eleição de Dilma].

P. O que significa o apoio de partidos, como o PSDB?

R. Há uma fragilidade no Governo hoje, o poder Executivo está refém. De força política e de uma popularidade muito baixa. Diferente de 2013. Por isso os partidos tentam pegar carona. Tem muita gente vendo isso como uma grande oportunidade. Diferente de 2013, quando todos os políticos foram pegos de calça curta. Esta é mais planejada, estrategicamente. Apesar de ser uma manifestação chamada pela internet, com caráter difuso. Uma coisa é certa. Estamos separando melhor as pessoas.

P. Mas há também os que simplesmente estão indignados com o PT de forma legítima, ou seja, tem apoio popular.

 R. Nunca comprei que este movimento é da elite. Está na classe média, na classe C. Falta uma autocrítica nesse sentido. Não acho que é um movimento 'gourmet'. Sim, tem uma elite engajada que responde a esses estereótipos e outra bem longe disso do que seria coxinhas X esquerdopatas. É muito mais complexo do que isso.

P. Onde os movimentos de esquerda erraram?

R. Eles estão longe do problema real também. Não produzimos um discurso consistente de crítica ao Governo mais pela esquerda. Vai além do próprio Governo, vai da base aliada, do MST, do MTST. A esquerda no poder colocou os direitos humanos em segundo plano. Acabou definindo o povo mais como um consumidor do que como uma cidadão para medir sua qualidade de vida. Criou-se uma narrativa triunfalista de país que não corresponde aos direitos individuais e à cidadania. Se insistirmos na ascensão do povo pelo lado econômico, debatemos apenas PIB, juros, inflação... Chega ao ponto ridículo que a alta da gasolina é mais importante do que a falta de água. Esse é o grande nó.

MAIS INFORMAÇÕES