Saúde

Como passar o inverno sem ficar doente

O resfriado comum é um mal habitual durante os meses frios. Existem medidas eficazes de prevenção?

Paulistanos saem com suas roupas de inverno.
Paulistanos saem com suas roupas de inverno.Paulo Pinto / Fotos Públicas

Encontrar a cura ou o método preventivo do catarro comum tem sido, e realmente é, o santo graal de cientistas e empresas farmacêuticas, mas no momento é preciso conformar-se tão somente com a existência de fármacos e remédios que aliviam os sintomas. “Podemos adotar medidas de prevenção, mas é impossível garantir que não adoeceremos”, enfatiza Jaime Jesús Pérez Martín, técnico de Saúde Pública do Serviço de Prevenção e Proteção da Saúde do Departamento de Saúde e Política Social de Múrcia.

Mais informações

Tomás Pomarola, da Sociedade Espanhola de Doenças Infecciosas e Microbiologia Clínica (SEIMC), comenta: “O problema é que existem mais de 200 vírus – o mais comum é o rinovírus – que causam catarro com sintomas semelhantes aos da gripe. A população confunde esses processos infecciosos, e daí a imagem ruim da vacina: muitos acreditam que imunizar-se anualmente é ineficaz, quando o que acontece, na realidade, é que estão sofrendo um processo viral distinto”. Assim, para a gripe existe a vacina, que é eficaz em 60-70% da população saudável “e útil para evitar as complicações graves que possam derivar dela”, segundo observa Pérez Martín. Mas como nos livramos do resfriado comum? Isso é difícil.

"O motivo principal da dificuldade de evitar essas infecções virais se deve a que, enquanto no outono ou inverno a temperatura corporal é de 37 graus, a da mucosa nasal (a porta de entrada dos vírus do resfriado) baixa para 33 e 34. Isso favorece sua sobrevivência e também está associado ao fato de que nos meses mais frios do ano permanecemos amontoados em espaços comuns, favorecendo a transmissão”, diz Pomarola.

"A vitamina C reduz a duração do catarro, mas não evita o seu aparecimento", diz Jesús Pérez, técnico de Saúde Pública

José Ramón Llorente, presidente da Associação de Profissionais e Autônomos das Terapias Naturais da Comunidade Valenciana e da Sociedade Espanhola de Nutrição Ortomolecular, recorda que, como diz o velho ditado, “um resfriado dura uma semana sem remédios e sete dias com eles”. No entanto, propõe atender os incômodos sintomas reforçando nossa resposta imunitária. “Com caldos cuja composição se baseie em alimentos como a cebola, o limão, o alho ou os sumos de vegetais, assim como utilizando princípios ativos que fortaleçam a área afetada, como a própolis (resina de abelhas), o azeite de orégano ou as vitaminas do grupo B, entre outras”, enumera.

Isso serve para aliviar os sintomas quando se está resfriado, mas não há nenhum alimento que o previna? Nem sequer a vitamina C (lembremos que Linus Pauling, grande pesquisador na matéria, chegou a receber o Nobel de Química em 1954)? Jesús Pérez Martín, técnico de Saúde Pública, responde: “Parece estar limitada a reduzir a duração dos catarros ou resfriados, mas não evita o seu aparecimento”.

As únicas medidas eficazes de prevenção desses processos virais passam, em suma, pela nossa higiene pessoal e dos que nos rodeiam:

  • Cubra sua boca e nariz ao tossir, espirre em um lenço de papel e o jogue no lixo.
  • Se não tiver um lenço de papel, tussa e espirre sobre a manga de sua camisa, para não contaminar as mãos.
  • Evite tocar com as mãos os olhos, o nariz ou a boca.
  • Lave as mãos frequentemente com sabão (durante 15-20 segundos) e, sobretudo, depois de tossir ou espirrar.
  • Não compartilhe objetos pessoais de higiene ou uso cotidiano (copos, toalhas…).
  • Ventile diariamente a casa, quartos e espaços comuns.
  • Limpe com frequência as superfícies e objetos de uso comum com produtos de limpeza (roupa, louça, bancadas, banheiros, maçanetas. Brinquedos, telefones…).

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete