_
_
_
_

Joep Lange, especialista mundial em Aids, entre as vítimas do avião

Vários passageiros se dirigiam a uma conferência internacional sobre a doença na Austrália

Declaraciones do presidente da Sociedad Internacional del SIDAFoto: reuters_live

Entre as vítimas da queda do avião da Malaysia Airlines na Ucrânia está o holandês Joep Lange, um dos especialistas mais reconhecidos do mundo sobre a Aids. Vários passageiros – talvez até uma centena, segundo a Fairfax Media – iriam, assim como Lange, à conferência internacional sobre a doença, prevista para começar no domingo em Melbourne (Austrália).

Mais informações
Um míssil derruba um avião malásio com 298 ocupantes no leste da Ucrânia
Tragedia aérea na Ucrânia
Os mais graves acidentes aéreos dos últimos 15 anos
A desventura de Malaysia Airlines
A tragédia do Boeing 777: à procura dos culpados

Lange (Nieuwahngen, 1954) dedicou mais de 30 anos de sua vida à pesquisa sobre o vírus HIV e a Aids, e era conhecido por defender o acesso a tratamentos mais baratos em países pobres. "Joep tinha um compromisso absoluto com os tratamentos contra o HIV na Ásia e na África", declarou David Cooper, professor da Universidade South Wales, que colaborou estreitamente com Lange em um projeto de Bangkok.

"Ele sempre trazia um ponto de vista arejado e nunca aceitou que alguma coisa fosse impossível de conseguir", acrescentou Cooper em um comunicado.

O cientista presidiu a Sociedade Internacional da Aids (IAS, da sigla em inglês), organizadora do congresso, que tem entre seus colaboradores o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton. "Nesse momento incrivelmente triste e delicado, o IAS está ao lado de nossa família internacional e envia condolências aos entes queridos daqueles que perderam alguém nessa tragédia", disse Chris Beyrer, atual presidente do organismo, aos jornalistas. Com Joep Lange, "o movimento HIV/Aids perdeu um gigante".

Lange era professor de medicina interna da Universidade de Amsterdã e diretor do Instituto de Amsterdã para a Saúde Global e o Desenvolvimento, e foi pioneiro no desenvolvimento de terapias combinadas mais acessíveis contra o HIV e de tratamentos para prevenir a transmissão de vírus de mães e bebês em países pobres. Viajava para Kuala Lumpur, onde teria um voo de conexão para a Austrália, acompanhado de sua esposa, Jacqueline.

No avião viajavam 298 pessoas – 283 passageiros (entre eles, várias crianças) e 15 membros da tripulação. Entre os falecidos, 173 eram holandeses; 28 da Austrália; e 28 da Malásia (incluindo os 15 tripulantes e dois bebês). As demais vítimas são da Indonésia (12, incluindo outro bebê), do Reino Unido (9), Alemanha (4), Bélgica (4), Filipinas (3), Nova Zelândia (1) e Canadá (1), segundo explicou um porta-voz da companhia no aeroporto de Amsterdã, informa Isabel Ferrer. Há 35 pessoas cujas nacionalidades ainda permanecem desconhecidas.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_