Biden ordena a abertura de documentos secretos da investigação do 11 de setembro

Parentes das vítimas alertaram o presidente que ele não seria bem-vindo nos eventos comemorativos do vigésimo aniversário se não o fizesse. A desclassificação deve ocorrer “dentro de seis meses”

Presidente Joe Biden, nesta sexta-feira durante uma visita a LaPlace (Louisiana) para averiguar os danos do Furacão Ida.
Presidente Joe Biden, nesta sexta-feira durante uma visita a LaPlace (Louisiana) para averiguar os danos do Furacão Ida.Evan Vucci (AP)
Mais informações

A coincidência no tempo transformou a retirada dos EUA do Afeganistão e a comemoração do vigésimo aniversário do 11 de setembro em episódios quase gêmeos. Fustigado pelas críticas ao caos em torno da retirada, o presidente Joe Biden tenta ganhar a simpatia dos familiares das vítimas dos ataques da Al Qaeda ao assinar, nesta sexta-feira, um decreto que ordena a revisão de documentos ainda secretos da investigação governamental sobre os ataques às Torres Gêmeas e ao Pentágono, com a intenção de desclassificá-los.

O movimento acontece na véspera da comemoração, no sábado da próxima semana, do aniversário, mas o gesto também insinua a intenção de encerrar o capítulo afegão. A ligação entre os dois eventos é indissociável —os EUA intervieram no Afeganistão em 2001 em busca de terroristas da Al Qaeda— embora o decreto assinado nesta sexta responda especificamente ao pedido de mais de 1.600 parentes dos quase 3.000 mortos nos ataques para que se desclassificasse a informação confidencial. De acordo com um comunicado divulgado pela Casa Branca, Biden abordou o procurador-geral Merrick Garland e outras agências envolvidas para prosseguir com a desclassificação “dentro de seis meses”.

“Nunca devemos esquecer a dor permanente das famílias e entes queridos dos 2.977 inocentes que morreram no pior ataque terrorista de nossa história. Para eles, não foi apenas uma tragédia nacional e internacional. Foi um drama pessoal“, lembrou Biden.

Parentes e amigos de centenas de vítimas alertaram o presidente de que ele não seria bem recebido em Nova York, durante os eventos comemorativos, se não o fizesse. A assinatura do decreto também obedece, segundo o comunicado, a uma de suas promessas de campanha. Mas a verdade é que a ofensiva judicial lançada por parentes de algumas vítimas contra a Arábia Saudita e outros países por suposta cumplicidade com a Al Qaeda colocou o Governo Biden nas cordas. Sucessivos governos dos EUA mantiveram segredos de estado para evitar a publicação de informações confidenciais.

O democrata, que esta semana acrescentou contratempos —como o suposto dano colateral da retirada do Afeganistão, que se soma às críticas dos republicanos por sua gestão; ou a polêmica lei de aborto do Texas— enfatizou que seu “coração permanece com as famílias do 11 de setembro que continuam a sofrer”. O Governo que ele preside “continuará a ter um compromisso respeitoso com os membros desta comunidade, aos quais agradeço por suas opiniões e visão enquanto traçamos o caminho a seguir”, destaca a declaração da Casa Branca.

Há exatamente um mês, o Departamento de Justiça anunciou que o FBI decidiu revisar os documentos de 11 de setembro para “encontrar informações adicionais que possam ser divulgadas o mais rápido possível”. Os familiares das vítimas exigiram recentemente a publicação de todos os documentos que demonstram o envolvimento da Arábia Saudita nos ataques. À frente está a tradicional aliança, não sem tensão, entre os dois países, na qual o Governo Biden parece ter dado uma guinada.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: