Biden: “Não vamos perdoar ou esquecer. Vamos caçar os terroristas e fazê-los pagar por isso”

O presidente dos EUA pede aos chefes militares planos de contingência para atacar o Estado Islâmico em retaliação ao duplo atentado em Cabul

O presidente dos EUA, Joe Biden, lê uma lista de perguntas durante entrevista à imprensa sobre a questão afegã realizada nesta quinta-feira na Casa Branca.
O presidente dos EUA, Joe Biden, lê uma lista de perguntas durante entrevista à imprensa sobre a questão afegã realizada nesta quinta-feira na Casa Branca.JONATHAN ERNST (Reuters)

O presidente dos EUA, Joe Biden, descreveu nesta quinta-feira como “heróis” os 12 soldados americanos que perderam a vida no duplo atentado suicida perpetrado pelo Estado Islâmico em torno do aeroporto de Cabul. “Heróis engajados em uma missão que salva vidas, como as de mais de 100.000 pessoas, entre cidadãos norte-americanos e afegãos, que foram evacuados nos últimos 11 dias” do Afeganistão, disse ele, destacando o bom ritmo de repatriação. “Aqueles que perpetraram este ataque, e quem deseja o mal aos Estados Unidos, devem saber disso: não vamos perdoar nem esquecer. Vamos persegui-los e fazê-los pagar por isso“, prometeu, com a voz embargada de emoção, um tom que permeou grande parte de seu discurso.

O veterano democrata lembrou dos riscos da operação, como vem fazendo nas últimas semanas. “Estávamos cientes de que era uma missão extremamente perigosa; Nas últimas semanas, temos sido alertados repetidamente sobre ameaças [de ataque] pelo Estado Islâmico-Khorasan “, ou ISIS-K por sua sigla em inglês, o braço local da organização jihadista, responsável por alguns dos piores ataques no Afeganistão.

O presidente confirmou o adiantado, a partir do Pentágono, pelo chefe do Estado-Maior, general Kenneth McKenzie: que a operação de evacuação, que deve ser finalizada na próxima terça-feira, será concluída sem sequer considerar a opção de antecipar a saída. “Podemos e devemos completar esta missão, e o faremos”, disse. “É o que ordenei, em contato com os comandantes no terreno, com nossos oficiais em Cabul, Doha ou no Pentágono. Não vamos ser intimidados pelos terroristas, vamos continuar até o fim“.

“Vamos concluir nossa missão”, acrescentou, “e continuaremos depois que nossas tropas se retirarem [em 31 de agosto], para buscar maneiras de encontrar até mesmo o último norte-americano que queira deixar o Afeganistão”, disse, sobre a ajuda que os EUA pretendem continuar a fornecer aos cidadãos que ainda permanecem no país. Isso não significa que a retirada seja um repensar. “Você está mantendo sua decisão de retirar as tropas?”, perguntou um jornalista quando foram abertos os questionamentos. “Sim”, respondeu Biden, apesar do golpe do ataque mais mortal contra as tropas norte-americanas no Afeganistão na última década, das duas que durou a intervenção aliada. “Sou o principal responsável por tudo o que aconteceu recentemente”, respondeu ele a outra pergunta relacionada às críticas à retirada.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Biden também revelou que pediu aos chefes das Forças Armadas que elaborassem diferentes planos de contingência para atacar o Estado Islâmico em retaliação ao ataque desta quinta-feira. Em seu discurso à nação, o enésimo desde a tomada de Cabul pelo Talibã em 15 de agosto, Biden garantiu que a preparação dessas operações permitirá que sejam implementadas no momento que o Pentágono considerar apropriado. “Os Estados Unidos vão responder com força e precisão no momento preciso, no lugar que escolhermos, no momento que escolhermos”, alertou.

Biden se mostrou empático, humano, não apenas como inquilino da Casa Branca ou comandante-chefe das Forças Armadas dos Estados Unidos; mas também como pai de um soldado que serviu no Iraque, seu idolatrado filho Biden, que mais tarde morreu em decorrência de um tumor cerebral, algo que ele citou expressamente no discurso. Convidou também os jornalistas presentes —cuja lista de intervenções em tempo de interrogação, previamente acordada, exibiu do pódio— a observar “um momento de silêncio” pelos caídos. O presidente ordenou que a bandeira fosse hasteada a meio mastro em todos os prédios oficiais até o pôr do sol na próxima segunda-feira.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: