Argentina se retira do Grupo de Lima: “Isolar o Governo da Venezuela não levou a nada”

Governo de Alberto Fernández se distancia da linha dura contra Maduro e critica a presença da oposição venezuelana na organização, integrada por Brasil, Chile, México, Paraguai e outros nove países

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, faz uma saudação durante sua visita ao Senado mexicano, em 22 de fevereiro.
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, faz uma saudação durante sua visita ao Senado mexicano, em 22 de fevereiro.Mario Guzmán (EFE)
Mais informações
A medical staff works at the entrance of the emergency room for patients patients infected with Covid-19 at the Trinidad Teaching Medical Center, in Caracas, on March 19, 2021. (Photo by Federico PARRA / AFP)
Chavismo e oposição chegam a acordo político para compra de vacinas na Venezuela
AME1547. CARACAS (VENEZUELA), 12/03/2021.- Trabajadores del hospital Domingo Luciani participan en una jornada de vacunación contra la covid-19 con dosis de la rusa Sputnik V, el 4 de marzo del 2021, en Caracas (Venezuela). Un año después de que se detectaran los primeros casos de la covid-19 en Venezuela, la cantidad de contagios continúa siendo una de las más bajas de América Latina, con 144.277 personas afectadas por la enfermedad, que causó 1.415 muertes, según datos oficiales. La cifra es cuestionada por médicos y opositores que denuncian una aplicación de pruebas a conveniencia en medio del debilitado sistema sanitario y ante la laxitud de la cuarentena cada siete días y en fechas de celebración, como las navideñas. EFE/ Miguel Gutiérrez
Aumento de casos de covid-19 paralisa o sistema de saúde da Venezuela
QUITO, ECUADOR - FEBRUARY 04: Presidential candidate of Union por la Esperanza Andrés Arauz looks on during his closing campaign rally on February 4, 2021 in Quito, Ecuador. (Photo by Hamilton Lopez/Agencia Press South/Getty Images)
A esquerda retoma o voo na América Latina, mas ainda não encontra seu lugar no Brasil

Em um gesto de apoio à Venezuela, o Governo argentino anunciou a retirada do Grupo de Lima, criado em 2017 para acompanhar a oposição venezuelana na procura de uma solução à crise social, política e econômica. A decisão do Executivo peronista de Alberto Fernández rompe com a política de isolamento a Nicolás Maduro promovida por seu predecessor, Mauricio Macri. Através de um comunicado, a Chancelaria argentina disse que as ações promovidas pelo Grupo de Lima para “isolar o Governo da Venezuela e seus representantes não levaram a nada” e na “participação de um setor da oposição Venezuela como mais um integrante”.

A Argentina reiterou sua aposta por um “diálogo inclusivo que não favoreça nenhum setor em particular, mas sim obter eleições aceitas pela maioria com controle internacional” e frisou a responsabilidade de Maduro para que esse diálogo seja produtivo e inclua a oposição e setores sociais como a Igreja, empresários e ONGs.

“Em um contexto em que a pandemia fez estragos na região, as sanções e bloqueios impostos à Venezuela e às suas autoridades, assim como as tentativas de desestabilização ocorridas em 2020, só agravaram a situação de sua população e, em particular, a de seus setores mais vulneráveis”, destaca o documento. “A Argentina continuará sustentando seu compromisso com a estabilidade na região, e procurará encaminhar soluções pacíficas, democráticas e respeitosas da soberania e dos assuntos internos de cada Estado”, conclui.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Uma decisão previsível

A tensão entre o Governo de Fernández e os outros 13 países participantes do Grupo de Lima aumentava desde sua posse, em dezembro de 2019. Em outubro, a Argentina já havia se negado a assinar o pronunciamento do Grupo em que rechaçavam as eleições convocadas por Maduro e mantinham o apoio a Juan Guaidó. A Argentina chamou à época o líder oposicionista como “um suposto mandatário ao que a Argentina não reconhece e que nunca teve o exercício efetivo do Governo da República Bolivariana da Venezuela”.

A mudança da política de Fernández em relação à Venezuela já havia deixado o Brasil como o principal defensor da linha dura contra Maduro no Grupo de Lima. Além destes dois países, fazem parte o Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Guiana e Santa Lúcia. A Bolívia não fez parte do núcleo fundador do Grupo de Lima, mas entrou após a queda de Evo Morales em 2019. Na quarta-feira, o chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, se reuniu em La Paz com representantes do novo Governo de Luis Arce como primeiro passo para o restabelecimento das relações diplomáticas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS