_
_
_
_
_

Funeral de George Floyd reverencia a luta contra o racismo

O adeus ao afro-americano, ícone súbito da violência policial contra os negros, torna-se um chamado à justiça

Os enlutados param no caixão de George Floyd durante o funeral na igreja Fountain of Praise, em Houston, Texas, EUA.
Os enlutados param no caixão de George Floyd durante o funeral na igreja Fountain of Praise, em Houston, Texas, EUA.POOL (Reuters)
Mais informações
Protesters wearing protective face masks hold up placards at a demonstration in central Birmingham on June 4, 2020, to show solidarity with the Black Lives Matter movement in the wake of the killing of George Floyd, an unarmed black man who died after a police officer knelt on his neck in Minneapolis. (Photo by Oli SCARFF / AFP)
As vozes indignadas dos protestos antirracistas nos Estados Unidos
(FILES) In this file photo US President Donald Trump walks back to the White House escorted by the Secret Service after appearing outside of St John's Episcopal church across Lafayette Park in Washington, DC on June 1, 2020. - President Donald Trump on June 3, 2020 denied media reports that he was rushed for his safety to the White House bunker while protests raged in the streets outside. "It was a false report," Trump told Fox News radio, before elaborating that he did go into the secure area but only for a "tiny, little, short period time."According to The New York Times, quoting an unidentified source described as having direct knowledge, Secret Service bodyguards took Trump into the bunker on Friday night. (Photo by Brendan Smialowski / AFP)
Pulso firme de Trump contra protestos põe à prova a complexa aliança com o Partido Republicano
Elementos de la Guardia Nacional resguardan las afueras de la Casa Blanca este lunes. Trump dijo que desplegaría "miles y miles" de soldados "fuertemente armados" para frenar los disturbios desatados por la muerte en Minneapolis del afroamericano George Floyd en manos de la policía.
Protestos contra a morte de George Floyd começam a provocar mudanças reais nos departamentos de polícia

George Floyd, um cidadão completamente anônimo há 16 dias, um homem negro de 46 anos, empregos instáveis e um passado que combinava prisão e pequenas glórias esportivas, será enterrado nesta terça-feira em Houston (Texas) depois de um funeral transmitido ao vivo por veículos de comunicação de todo o mundo. Sua morte, em 25 de maio, em uma brutal prisão gravada em vídeo, provocou uma onda de protestos contra o racismo que atravessou fronteiras e desencadeou reformas policiais imediatas em vários Estados do país, bem como a derrubada de monumentos associados a abusos em países como o Reino Unido e a Bélgica. Floyd se tornou um ícone súbito de um mundo instável, atacado pela brutal crise do coronavírus.

Mais de 6.000 homens e mulheres de todas as idades prestaram homenagem a George Floyd na segunda-feira, quando a câmara-ardente foi instalada na cidade texana onde passou a maior parte da vida. Esta se apagou há duas semanas e um dia em Minneapolis, a maior cidade do Estado nortista de Minnesota, quando foi detido em frente a uma loja como suspeito de ter tentado pagar com uma nota falsa de 20 dólares. As câmeras de segurança da área e dos telefones dos pedestres registraram como quatro policiais o algemaram e o imobilizaram no chão. Um deles, Derek Chauvin, pressionou o joelho contra o chão enquanto Floyd clamava que não conseguia respirar.

A agonia durou oito minutos e 46 segundos. Ele disse que o pescoço doía, o estômago doía, tudo doía. Que iriam matá-lo. Nos últimos instantes, antes de perder os sentidos, chamou sua falecida mãe, Larcenia Floyd, como se lhe pedisse ajuda ou se encomendasse a ela. Nesta terça-feira será enterrado ao lado dela no cemitério Memorial Gardens. Ele cresceu em Houston, embora tenha nascido na Carolina do Norte. Na adolescência, durante os anos noventa, revelou-se bom em futebol americano e basquete e até conseguiu uma bolsa de estudos por seu rendimento neste último esporte, mas depois entrou em uma espiral de prisões e passou quatro anos detido. Tentou começar uma nova vida em Minnesota, onde trabalhava como guarda noturno havia alguns anos até que a pandemia o deixou desempregado.

“Celebramos uma vida que teve seus altos e baixos, como todas as vidas, mas também uma vida que estava conectada a Deus e uma vida à qual gente de todo o mundo se conectou por causa do trauma e da tragédia que ele sofreu”, explicou a reverenda Mia K. Wright na rede CNN pouco antes do início da cerimônia, que se transformou em um chamado à justiça e às reformas sociais.

Foi um resumo bastante preciso do que aconteceu com este homem anônimo cuja morte provocou a maior onda de protestos nos Estados Unidos desde o assassinato de Martin Luther King em 1968. O policial Chauvin foi acusado de assassinato e os três outros policiais também enfrentam acusações. Mas, independentemente do que acontecer nesse julgamento, o caso Floyd já mudou algumas coisas. Durante o fim de semana, autoridades de cidades como Los Angeles e Nova York anunciaram novas normas para suas forças policiais e um polêmico corte de recursos para reduzir seu poder e desviar recursos para outras agências. Em Minneapolis, a corporação municipal aprovou o “desmantelamento” de sua força policial para “reconstruí-la em um novo modelo de segurança”.

O corte de recursos também reacendeu a batalha contra as estátuas que homenageiam a América confederada e escravista, demonstrando que os protestos foram além do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras importam) contra a brutalidade policial. O governador da Virgínia, Ralph Northam, anunciou há alguns dias a retirada da icônica figura equestre do general Robert E. Lee, embora um juiz tenha acabado de suspender a medida enquanto começa a batalha nos tribunais.

No domingo, em Bristol (Reino Unido), um grupo de manifestantes colocou abaixo o monumento a Edward Colston, um traficante de escravos do século XVII que, ao mesmo tempo, se voltou para a filantropia. Na cidade de Antuérpia (Bélgica), as autoridades retiraram a figura de Leopoldo II, rei responsável pela exploração e pelo terror no então Congo Belga.

As implicações políticas de todo esse acontecimento, a apenas cinco meses da eleição presidencial nos Estados Unidos, também eram palpáveis nesta terça-feira no funeral de Floyd. O presidente Donald Trump condenou o que aconteceu, mas foi muito cuidadoso em reconhecer o racismo estrutural que levou a uma morte como esta e tampouco defendeu a necessidade de reformas para evitar abusos policiais. Pelo contrário, levantou a bandeira da lei e da ordem contra os tumultos e atos de vandalismo que ocorreram durante estas duas semanas de mobilizações, enfatizando a espiral violenta e alertando contra o corte de recursos destinados à segurança.

Seu adversário nas urnas em novembro, o ex-vice-presidente democrata Joe Biden, ocupou o espaço da denúncia social. Na segunda-feira fez uma reunião particular com a família de Floyd e nesta terça-feira enviou uma mensagem gravada advertindo que os Estados Unidos não podem “desviar o olhar do racismo que mancha” a “alma” do país. “A América ―disse― pode fazer melhor. Não há outra opção senão fazer melhor. Agora é o momento da justiça racial”.

Pouco depois, Floyd, que deixa uma filha de seis anos, foi levado ao cemitério em um caixão dourado. O famoso ex-boxeador Floyd Mayweather custeou todas as despesas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_