Pandemia de coronavírus

Argentina abandona negociações futuras do Mercosul e paralisa o bloco

Casa Rosada anuncia que não participará das negociações comercias que seus parceiros mantêm com outros países

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, cumprimenta o chanceler argentino, Felipe Solá, durante a reunião que mantiveram em fevereiro em Brasília.
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, cumprimenta o chanceler argentino, Felipe Solá, durante a reunião que mantiveram em fevereiro em Brasília.CAROLINA ANTUNES

Mais informações

O Mercosul ficou paralisado. Após a aceleração da assinatura, no ano passado, de um Acordo de Livre Comércio com a União Europeia (pendente de ratificação), a consolidação do bloco integrado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai está no limbo. A Casa Rosada anunciou nesta sexta-feira à noite que está deixando as negociações para novos TLCs (tratados de livre comércio) que seus parceiros insistem em promover com Coreia do Sul, Canadá, Índia, Líbano e Cingapura. O Ministério das Relações Exteriores da Argentina afirmou que o mundo está de cabeça para baixo e que é hora de lidar com os efeitos devastadores que a pandemia terá sobre as economias domésticas. O Paraguai, que detém a presidência pro tempore do bloco, alertou que os membros “avaliarão as medidas jurídicas, institucionais e operacionais” necessárias para não afetar as negociações em andamento.

A Argentina tomou a decisão de deixar as mesas de negociação após uma reunião virtual de coordenadores nacionais, durante a qual pediu o congelamento das negociações com terceiros até novo aviso. Apresentou aos parceiros um quadro desolador, onde “organizações internacionais preveem a queda do PIB nos países mais desenvolvidos, a queda repentina no comércio global de até 32% e um impacto imprevisível na sociedade”, de acordo com o conteúdo do encontro divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores em comunicado. O texto assinala que o Governo de Alberto Fernández fez da proteção das empresas locais e dos mais pobres uma prioridade diante da pandemia de coronavírus. E em seguida lança o dardo da discórdia: “Faz isso em contraste com as posições de alguns parceiros, que propõem uma aceleração das negociações para acordos de livre comércio com Coreia do Sul, Cingapura, Líbano, Canadá e Índia, entre outros”.

Brasil, Paraguai e Uruguai responderam que de modo algum congelariam as negociações com esses países, e a Argentina bateu a porta. Por trás de tudo estão as grandes diferenças ideológicas entre Fernández e seus pares do Mercosul, que, com diferentes nuances, pregam a abertura comercial e o livre mercado. O peronista não tem relação com Jair Bolsonaro, a quem não viu pessoalmente desde que tomou posse na Casa Rosada há mais de quatro meses, e mantém uma distância cordial com o uruguaio Luis Lacalle Pou e o paraguaio Mario Abdo Benítez. Longe vão os tempos em que Mauricio Macri se unia em abraços com Bolsonaro para celebrar o acordo Mercosul-União Europeia. O Governo argentino disse que esse TLC prosseguirá, mas nada mais.

A reação dos parceiros foi diplomática. O ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Ernesto Talvi, desejou à Argentina “um retorno imediato à mesa” porque “juntos somos mais”. O Paraguai disse que analisará os mecanismos legais necessários para a continuidade das negociações. Acontece que a decisão argentina deixa qualquer progresso no limbo. Sem a assinatura dos quatro membros, nenhum acordo terá validade. É possível, então, que a crise acelere outras questões pendentes, como o relaxamento das regras que proíbem os membros do Mercosul de assinar acordos bilaterais sem a aprovação dos demais. No Brasil, o Itamaraty recebeu a notícia de forma positiva. “O Governo brasileiro continuará, junto com Paraguai e Uruguai, a perseguir o objetivo de comércio aberto e livre com outros países”, disse em nota para a Folha de S. Paulo.

Na frente interna argentina, as respostas foram menos comedidas. O macrismo repudiou de imediato a decisão da Casa Rosada e a comparou com “os modelos nacionalistas como os que ocorreram no desastre de 1929, que devastaram grande parte da economia mundial e desembocaram na tragédia da Segunda Guerra Mundial”. Em texto assinado pela liderança da aliança que promoveu a reeleição fracassada de Macri, os principais dirigentes da oposição acusaram Fernández de usar a pandemia como uma “desculpa” para "interromper negociações de longo prazo. “A negociação da dívida e suas dificuldades têm o efeito oposto. A abertura de novos mercados na Argentina ajuda, não atrapalha a negociação”, disseram. Até novo aviso, as relações externas do Cone Sul estão suspensas.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50