Maradona, intangível no auge e espetacular na queda

De maneira simbólica, jogador morreu num tempo de estádios vazios. Hoje, o futebol sem gente recorda com mais força quem no passado lotou as arquibancadas até o céu

Torcida do Napoli recorda Diego no estádio San Paolo, em 2017.
Torcida do Napoli recorda Diego no estádio San Paolo, em 2017.ROBERTO SALOMONE / AFP

Faz alguns anos, entrei em um táxi de Buenos Aires transformado em capela sobre rodas. Por todo lado havia fotos de Diego Armando Maradona. Logicamente, falamos da divindade que presidia aquele altar. “Nem minha mulher nem minhas namoradas nem meus filhos nem meus amigos me deram tanta felicidade como Diego”, exclamou o motorista, apontando para a sua nuca, tatuada com o canônico número 10....

Mais informações