Empresas de tecnologia

Amazon entra em Hollywood com a compra dos estúdios da MGM

Gigante da tecnologia assume a lendária produtora por 8,45 bilhões de dólares. Negócio inclui franquias de sucesso, como os filmes de James Bond e Rocky

Um celular com o logotipo da Amazon diante de uma imagem da MGM.
Um celular com o logotipo da Amazon diante de uma imagem da MGM.DADO RUVIC / Reuters

Mais informações sobre tecnologia

A Amazon concluiu nesta quarta-feira a aquisição dos estúdios cinematográficos Metro Goldwyn Mayer (MGM) por 8,45 bilhões de dólares (44,95 bilhões de reais). A operação inclui a dívida da Metro, fundada em 1924, e marca a entrada da empresa de Jeff Bezos em Hollywood. Ele agrega um acervo de 4.000 títulos à sua plataforma Prime, num momento em que os canais digitais lutam para obter o melhor conteúdo. O negócio inclui franquias de sucesso, como os filmes de James Bond e Rocky, mas deixa de fora os títulos clássicos que ajudaram a construir a reputação lendária da Metro, como O mágico de Oz, Cantando na chuva e ...E o vento levou, entre outros. Os direitos das produções anteriores a 1986 são propriedade da Warner.

O negócio, no entanto, inclui outros ganhadores do Oscar, como O silêncio dos inocentes, Touro indomável e Thelma & Louise, além de 17.000 programas de televisão. Entre eles há séries que foram sucesso de crítica e público, como Fargo e O conto da aia (Handmaid’s tale). A transação, segundo comunicado divulgado pela Amazon na manhã desta quarta-feira, permitirá que a MGM “continue fazendo o que faz de melhor: uma ótima narrativa”. O gigante da tecnologia disse em nota que “ajudará a preservar o patrimônio e o catálogo de filmes da MGM e fornecerá aos clientes um maior acesso a essas obras”. Mais de 200 milhões de pessoas são assinantes do Prime, serviço lançado em fevereiro de 2011 nos Estados Unidos com o objetivo de competir no mercado onde a Netflix era líder, e onde gigantes como Disney e Paramount entraram recentemente.

O acordo de aquisição inclui a franquia James Bond, um dos produtos mais lucrativos de Hollywood, que acumulou mais de sete bilhões de dólares nas bilheterias. Ainda não está claro como a Amazon será capaz de explorar as histórias do espião britânico. A MGM compartilha os direitos de propriedade com a família de Albert Broccoli, o produtor que trouxe o personagem de Ian Fleming para a tela. Os filhos de Broccoli já vetaram algumas opções de adaptação de novos filmes e exercem um férreo controle sobre Bond. O próximo episódio desse universo será lançado em outubro. Fontes da Amazon confirmaram ao canal de entretenimento americano Deadline que o gigante da tecnologia permitirá a estreia nas telas que os estúdios haviam programado para o segundo semestre de 2021.

Mike Hopkins, vice-presidente da Prime e da Amazon Studios, disse que o “verdadeiro valor financeiro por trás do acordo é o tesouro do grande catálogo que será reinventado junto com a equipe da MGM.” Kevin Ulrich, presidente do fundo de investimento Anchorage Capital, que detém a maioria das ações da MGM, afirmou que a oportunidade de reunir as duas empresas numa mesma história é “inspiradora”. A operação ainda não recebeu o aval dos reguladores dos EUA, num momento em que a Amazon chama a atenção de Washington por supostas práticas monopolistas.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Ulrich, que preside o conselho de direção da MGM, vinha desde o final de 2020 buscando ativamente um comprador para os estúdios, fundados há 97 anos. O Anchorage Capital Group procurou os bancos de investimento Morgan Stanley e LionTree em dezembro passado para obter ajuda para encontrar um interessado no negócio. O assunto tornou-se urgente para o fundo de investimento, que durante a pandemia foi afetado por perdas de faturamento e clientes. O valor da operação, de 6,5 milhões de dólares se excluída a dívida, representa para a Amazon a segunda compra mais importante depois da rede de supermercados orgânicos Whole Foods em 2017, por 13,7 bilhões de dólares.

A compra da MGM ocorre poucas semanas após a fusão entre a AT&T, dona dos estúdios da Warner, e a Discovery, outro grande passo que cimentou a rápida transformação do setor e deu um novo passo em direção a uma nova era de ouro do streaming. A companhia telefônica chegou a um acordo em 17 de maio para rentabilizar seu conteúdo incluído na biblioteca WarnerMedia com o gigante da televisão a cabo. Da fusão nasce um poder que inclui uma oferta variada, que terá desde produtos de ficção premium, com a HBO, documentários e reality shows do Discovery, notícias da CNN, programas de estilo de vida no TLC e Food Network e um poderoso acervo de clássicos de Hollywood abrangidos nos direitos adquiridos previamente pelo magnata Ted Turner.

A empresa de Bezos já tem um estúdio próprio, mas não consegue acompanhar a concorrência. The Marvelous Mrs. Maisel e Fleabag ganharam o Emmy Awards de melhor série cômica, mas muitos de seus filmes não conseguiram captar a atenção do público nas bilheterias. A plataforma não divulga as cifras de audiência do seu serviço Prime Video, por isso não se conhece o volume de espectadores que poderão usufruir do novo acervo graças à compra da MGM.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50