O rock morreu? 18 discos recentes provam que não

A trilha sonora do turbulento 2020 não poderia deixar de incluir vozes furiosas e guitarras rasgadas

A banda Blues Pills. À esquerda, a cantora e compositora sueca Elin Larsson.
A banda Blues Pills. À esquerda, a cantora e compositora sueca Elin Larsson.

O mundo cambaleia. Há um inimigo pouco visível à espreita. As pessoas se refugiam em seus apartamentos. Soa o ferrolho. Quem pisa na rua é só para incendiar contêineres por causa de injustiças raciais. Que ano este tal de 2020... Embora o rock sempre esteja presente em períodos conturbados, a música onde a guitarra elétrica é o instrumento primitivo emerge agora com mais força. Desde que se impôs esta nova ordem mascarada, esplêndidos discos de rock foram lançados – alguns furiosos, outros sofisticados. Para demonstrar que essa história de “o rock morreu” é só mais uma fake news, aqui vão estes 18 exemplos, incluindo desde bandas recém-chegadas até veteranos.

Mais informações

- Idles, ‘Ultra Mono’

Quem são? Uma banda furiosa de Bristol (Reino Unido) à qual o The New York Times dedicou uma reportagem recente com este título: “Idles lançam uma revolução pós-punk, e todos estão convidados”.

Ultra Mono’ é tão bom assim? Um bate-estaca de guitarras cortantes e vozes iradas. Ou em outras palavras: jovens furiosos com o Brexit, o cinismo político, a sociedade patriarcal e a opressão aos migrantes. A revolução não será mais televisionada: ela toca na conta do Idles no Spotify.

Clique aqui para ouvir a música ‘Grounds’.

- Metallica, ‘S&M2’

Quem são? A banda que conseguiu que um gênero radical (o thrash metal) virasse mainstream. Os shows do Metallica são uma eclética reunião de metaleiros, mauricinhos, punks, adolescentes, avós…

S&M2’ é tão bom assim? Nesta era do imediatismo, recomendar um disco que dura duas horas e meia parece uma temeridade. Mas recomendamos, porque este trabalho com a Sinfônica de San Francisco é delicioso. A primeira parte foi lançada há 20 anos, seguindo a tradição dos grupos de hard rock fundindo-se com orquestras sinfônicas. Agora chega a segunda, cujo resultado não destoa. Pelo contrário: rock e música clássica se entrosam para dar nova vida a clássicos da banda, como Master of Puppets, Enter Sandman e One.

Clique aqui para ouvir a música ‘No Leaf Clover’.

- Richard Davies and the Dissidents, ‘Human Traffic’

Quem são? Uns caras com vasta quilometragem no circuito inglês do rock and roll. À frente, Richard Davies. Este é seu primeiro disco.

Human Traffic’ é tão bom assim? Agradará os aficionados que tiverem na sua discoteca álbuns de Bruce Springsteen, Tom Petty e Johnny Thunders. Rock clássico e histórias de perdedores. Já o ouvimos mil vezes, mas quando está bem executado e com paixão é sempre uma festa.

Clique aqui para ouvir a música ‘Human Traffic’.

- Blues Pills, ‘Holy Moly!’

Quem são? A banda de Elin Larsson, uma esplêndida cantora sueca de 31 anos que domina muitos registros: blues-rock, soul, psicodelia, hard rock…

Holy Moly!’ é tão bom assim? Para quem achava impossível atualizar o rock dos anos setenta, este é um bom exemplo, como é também Greta Van Fleet. Gente jovem partindo do Led Zeppelin para criar seu próprio estilo. Não só na música. Também nas letras. “Sou uma mulher orgulhosa / que perde tempo acreditando nas mentiras dos hipócritas”, canta com fúria Elin Larsson na empoderada Proud Woman.

Clique aqui para ouvir a música ‘Proud Woman’.

- Marilyn Manson, ‘We Are Chaos’

Quem é? Aquele personagem que nos anos 1990 nos impactou, nos 2000 achamos chato, e que agora...

We Are Chaos’ é tão bom assim? Seu melhor disco em uma década, sobretudo por canções como Paint You with My Love e Half-Way & One Step Forward, ponto de união com T. Rex e o David Bowie dos setenta. Quanto menos lúgubre fica Marilyn Manson, melhor; quantos menos “fucks” forçados ele uiva, mais legal. Esse músico fica mais interessante quando a canção está em primeiro plano, tampando o personagem. E há muito disso neste disco. Já diz ele em Keep My Head Together: “Não tente mudar alguém, acabará mudando a si mesmo”.

Clique aqui para ouvir a música ‘Paint You with My Love’.

- Brendan Benson, ‘Dear Life’

Quem é? Músico essencial do rock alternativo norte-americano. Seu disco Lapalco (2002) contém tantas canções boas que é preciso ouvi-lo com prudência. Benson tem também seu projeto roqueiro com Jack White, os Raconteurs.

Dear Life’ é tão bom assim? Os discos precisam ter uma coerência sonora? Alguém ouve álbuns inteiros hoje em dia? À primeira pergunta, não; quanto à segunda, tomara que sim, porque do contrário ninguém lerá isto. Este álbum é uma barafunda, uma dispersão onde cabe uma base percussiva de hip-hop, guitarras pesadas, explosões de pop indie… Tudo encaixa à maravilha, porque a variedade está a serviço de boas canções de três minutos. Baby’s Eyes é, desde já, uma das mais destacadas do ano.

Clique aqui para ouvir a música ‘Baby’s Eyes’.

- Fontaines D.C., ‘A Hero’s Death’

Quem são? Os escolhidos. A mídia moderna costuma desdenhar do rock, mas a cada certo tempo se lança a apoiar alguma banda guitarreira, desde que ande bem vestida. Os irlandeses do Fontaines D.C., além de terem um closet maneiríssimo, são bons. Este é seu segundo disco.

A Hero’s Death’ é tão bom assim? “A vida não está sempre vazia”, repetem obsessivamente os irlandeses na canção que dá título ao disco. Tão existencialistas como o Radiohead, com a arrogância dos Strokes, soando às penumbras do Joy Division e The Cure. Este disco é a trilha sonora dos jovens furiosos em tempos onde mostrar-se rebelde é quase um dever moral.

Clique aqui para ouvir a música ‘A Hero’s Death’.

- The Rolling Stones, ‘Goats Head Soup – Live Forest National Arena (Brussels)’

Quem são? Os Rolling Stones com sua formação mais roqueira: o quarteto habitual (Jagger-Richards-Watts-Wyman) com Mick Taylor na guitarra. Isto é anos setenta: rock and roll intimidador.

Live Forest National Arena (Brussels)’ é tão bom assim? Aqui fizemos uma pegadinha: efetivamente é um disco lançado recentemente, porém gravado em 1973. Este ao vivo é parte do pacote da reedição de luxo de Goats Head Soup, e é um show na íntegra daquela turnê. Aqui estão os Stones que a ala rockista do grupo ama: acelerados, sujos, imperfeitos (uma qualidade neles), sexuais… Até a cremosa Angie soa robusta com a guitarra elétrica de Mick Taylor. Estes Stones não voltarão mais: aproveitemos este disco, portanto.

Clique aqui para ouvir a música ‘Brown Sugar’ de ‘Live Forest National Arena (Bruxelas)’.

- J. P. Cregan, ‘Twenty’

Quem é? Um sujeito quase mais conhecido como comentarista de basquete (na ESPN) do que como músico. Nasceu em Washington, mas vive na Califórnia. No tempo livre que o basquete lhe deixa, escreve canções tão boas como as contidas neste Twenty.

Twenty’ é tão bom assim? O título tem sua história: trata-se de um álbum conceitual dedicado aos seus 20 anos de casamento, com seus furacões e seus édens. A música é absolutamente adorável, às vezes próxima a Marc Bolan, outras a Brian Wilson, e algumas a franco-atiradores do rock mais refinado, como Todd Rundgren. Uma delícia de disco.

Clique aqui para ouvir a música ‘History of a Man’.

- The Pretenders, ‘Hate for Sale’

Quem é? O grupo de Chrissie Hynde, como se estivesse em 1979.

Hate for Sale’ é tão bom assim? Os Pretenders são um dos poucos grupos com uma trajetória tão longa (40 anos) sem fiascos. Têm discos bons e regulares, nenhum ruim. Este está no primeiro grupo. A arrastada voz de Hynde está em forma, e o repertório é rock de garagem, briguento e barulhento. É como se a banda tivesse se reunido em um porão, tomado umas e começado a tocar.

Clique aqui para ouvir a música ‘Hate for Sale’

- A.A. Williams, ‘Forever Blue’

Quem é? Cantora, guitarrista e celista que de Londres construiu a trilha sonora destes tempos sombrios.

Forever Blue’ é tão bom assim? Muito, mas é preciso consumi-lo com cautela, porque pode nos mergulhar em um mundo de escuros vazios. Pode-se acrescentar a estreia de A.A. Williams na mesma lista de canções de Nick Cave. Sombria, apocalíptica, sinistra, intensa… apaixonante. A música adequada para o outono mais tenebroso de nossas vidas.

Clique aqui para ouvir a música ‘Melt’.

- The Overtures, ‘Onceinaworld’

Quem são? Uma banda fundada em 1989, focada em prestar tributo ao rock e pop britânico dos anos sessenta: The Beatles, Small Faces, Rolling Stones, The Kinks… Tocaram em festas com a presença de Paul McCartney e Elton John. Continuam fazendo versões, mas agora editaram um disco com material próprio.

Onceinaworld’ é tão bom assim? Fantástica coletânea de canções com clara influência dos Beatles e guitarras pop dos anos sessenta. Este álbum tem uma coisa singular: deixa você de bom humor assim que toca a primeira canção.

Clique aqui para ouvir a música ‘Till Your Luck Runs Out’.

- Porridge Radio, ‘Every Bad’

Quem são? Um grupo de Brighton (Reino Unido) liderado por Dana Margolin. Após umas gravações para sondar o terreno, lançam o soberbo Every Bad, o disco que todo jovem (e nem tanto) indignado necessita.

Every Bad’ é tão bom assim? A raiva que Margolin transmite recorda Kurt Cobain e PJ Harvey. “Você está me fazendo perder tempo, alguém tinha que lhe dizer isso, e me alegro de ter sido eu”, vocifera Margolin em Long. Rock taciturno contra a inação.

Clique aqui para ouvir a música ‘Long’.

- Deep Purple, ‘Whoosh!’

Quem são? Sem Ritchie Blackmore e sem John Lorde. Quando já não esperávamos nada destes reis do hard rock, eles vão e gravam este digníssimo Whoosh!.

Whoosh’ é tão bom assim? Ao menos não é irrelevante. E isso quer dizer muito para uma banda que já viveu seus anos dourados há muito tempo. Com a voz de Ian Gillan ainda resistindo no estúdio (outra coisa é no palco), o mítico grupo inglês abrange toda a sua extensa carreira (rock pesado, sinfonismo, psicodelia) e deixa alguma pérola estranha, mas sugestiva, quase pop pegajoso. Isso: surpreendente.

Clique aqui para ouvir a música ‘Throw My Bones’.

- Dent May, ‘Late Checkout’

Quem é? Nascido no Mississippi e radicado na Califórnia, Dent May é um músico de 35 anos obcecado em compor a canção perfeita. E está muito perto com este disco.

Late Checkout’ é tão bom assim? Absolutamente maravilhoso. May se aproxima dos momentos mais memoráveis de Brian Wilson. Compõe sofisticadas toadas que conseguem que o céu se abra e tudo seja colorido. O leitor pode imaginar como essa música é necessária nestes tempos bravos que vivemos.

Clique aqui para ouvir a música ‘I Could Use A Miracle’.

- The Lemon Twigs, ‘Songs for the General Public’

Quem são? Os irmãos D’Addario, Brian e Michael, de Nova York, nos recordando as boas canções que Ian Hunter, David Bowie, Elton John e Slade faziam nos anos setenta.

Songs for the General Public’ é tão bom assim? Uma coleção de canções pegajosas e de qualidade, difíceis de encontrar todas juntas em um disco. Qualquer uma delas (e são 12) tem potencial para tocar no rádio. A pena é não estarmos nos anos setenta, e as paradas radiofônicas hoje estão em outras batalhas.

Clique aqui para ouvir a música ‘The One’.

- Belako, ‘Plastic Drama’

Quem são? A banda de rock mais promissora a ter surgido na Espanha nos últimos tempos. São de Mungia (País Basco).

Plastic Drama’ é tão bom assim? Só pela canção The Craft este disco já merece estar na lista. Parece tirada dos anos noventa, quando o indie rock criava sucessos estalando os dedos: Breeders, Elastica, Pavement... O resto do álbum não desmerece: algumas vezes afiados, outras melódicos, sempre intensos.

Clique aqui para ouvir a música ‘The Craft’.

- Chuck Prophet, ‘The Land That Time Forgot’

Quem é? Um veterano do rock and roll, Chuck Prophet fez parte do Green on Red, ponta de lança (junto ao Dream Syndicate e outros) do chamado Novo Rock Americano. Desde a década de 1990 Prophet lança discos solo. Todos são recomendáveis.

The Land That Time Forgot’ é tão bom assim? Certamente Keith Richards e Bruce Springsteen vão curtir este disco. Talvez inclusive tivessem gostado de compor algum dos temas. Mas são de Chuck Prophet, um especialista no rock de traje elegante e arrebatado compositor de baladas, como a primorosa High as Johnny Thunders, em homenagem a esse genial looser que foi membro do New York Dolls.

Clique aqui para ouvir a música ‘High as Johnny Thunders’.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: