Pandemia de coronavírus

Está difícil pensar e não parar de comer? Cientistas polares e astronautas sabem lidar com o isolamento

Estudos sobre a psicologia do confinamento apontam as chaves para superar os danos que ele causa: manter o bom humor, celebrar pequenas vitórias e respeitar o espaço dos outros

Astronautas compartilham uma refeição a bordo da Estação Espacial Internacional.
Astronautas compartilham uma refeição a bordo da Estação Espacial Internacional.ESA

Um dos telefonemas mais estranhos que podem ser feitos é o que conecta os cientistas da base Concórdia, no meio da Antártida, com os astronautas da Estação Espacial Internacional, a 400 quilômetros da superfície terrestre. Essa ligação mostra o grande vínculo que une esses dois grupos humanos: o gigantesco isolamento em que vivem. Tanto é que essa espaçonave é o vizinho mais próximo da Concórdia, uma vez que os humanos mais próximos em terra estão a 600 quilômetros, na base russa de Vostok. A Agência Espacial Europeia (ESA) põe os astronautas em contato com essa base como parte do seu estudo sobre os efeitos psicológicos da reclusão. Há décadas, muitos especialistas vêm estudando a saúde mental desse reduzido grupo de pessoas em situações extremas; agora suas lições são úteis para todo o planeta, pois há bilhões de pessoas trancadas em suas casas devido à pandemia da Covid-19.

Mais informações

“Nos últimos dias escutamos muitas histórias de aumento de sensações de depressão, ansiedade, irritabilidade e transtornos do sono experimentados por pessoas isoladas pelo coronavírus, muito similar ao que experimentam alguns astronautas e expedicionários polares”, diz Larry Palinkas, psicólogo da Universidade do Sul da Califórnia. “Nem todos os humanos podem se adaptar facilmente”, acrescenta esse especialista, que há décadas estuda pessoas submetidas a essas condições, também para a NASA. Mas embora não seja um desafio fácil, Palinkas acredita que a experiência de astronautas e expedicionários pode ser de grande utilidade agora. Evidentemente, sem esquecer as condições sociais e econômicas de cada um: os astronautas não têm que consertar a nave com um bebê nos braços nem descer à rua para ganhar uns trocados que sirvam para pagar o aluguel.

“Eles sabem que haverá dias ruins, mas que passarão”, diz Emma Barrett, da Universidade de Manchester, especialista na psicologia destas situações extremas. “O importante é se centrar no presente e tentar não se deter em um futuro incerto. Concentre-se nas coisas que você pode controlar, não no que não pode. A ansiedade pode escapar do controle se você passar todo o dia se preocupando com o futuro”, insiste Barrett.

Muitas aventuras polares do século XIX terminavam como a do explorador norte-americano Arthur Greely, com o grupo exposto “ao motim, à loucura, ao suicídio e ao canibalismo, deixando seis sobreviventes de uma tripulação de 25 homens”, conforme conta Palinkas. Mas as condições atuais dos cientistas da base Concórdia não são tão extremas, com todas as necessidades cobertas, e se parecem muito mais às que a população vive em suas casas. Uma revisão dos sintomas habituais dos cientistas polares pode nos soar muito familiar: dores de cabeça, tédio, fadiga, falta de atenção à higiene pessoal, menor motivação com “inércia intelectual” e aumento de peso provocado por um maior apetite. “Entretanto”, adverte Palinkas em um de seus trabalhos, “os sintomas mais comuns das pessoas que fazem expedições polares incluem transtornos do sono, deterioração do rendimento cognitivo, emoções negativas e tensão e conflito interpessoais”.

E, entre todos eles, ressalta-se um sintoma mais difuso, mas que muitos enclausurados já estão sofrendo: o embotamento mental. “Algumas pessoas podem experimentar dificuldades para recordar coisas e completar certas tarefas à medida que suas mentes começam a experimentar uma forma de hibernação psicológica”, explica Palinkas. Esta hibernação cerebral é um fenômeno que foi observado durante experimentos de simulação espacial de longa duração e em bases polares e se refere a uma “desaceleração do corpo e da mente devido à estimulação restringida", nas palavras de Palinkas. “As pessoas dormirão mais tempo ou terão dificuldades para dormir, e seu funcionamento cognitivo mostrará sinais de uma pequena deterioração”, acrescenta. Um estudo recente na base Concórdia revelou que os cérebros se deixavam levar em vez de enfrentarem a situação. "É um mecanismo de proteção contra o estresse crônico, o que faz sentido: se as condições forem incontroláveis, mas você souber que em algum momento no futuro as coisas melhorarão, você pode optar por reduzir os esforços mentais para preservar a energia”, explicava Nathan Smith, da Universidade de Manchester.

Astronautas e expedicionários são selecionados para estas duras provas segundo seu perfil psicológico e passam por treinamentos específicos, como quando a ESA prende seus eleitos durante dias em cavernas da Sardenha (Itália). Nada disso vale na situação atual: todo mundo está nesta reclusão e ninguém teve tempo de se preparar. Mas a experiência pode oferecer algumas chaves úteis para a população. Por exemplo, como já disseram muitos especialistas, adaptar-se à mudança estabelecendo uma rotina que ajude a reduzir a incerteza ao construir uma estrutura firme no dia a dia. Ou o exercício. Entre 2010 e 2011, oito voluntários passaram 520 dias encerrados, simulando uma missão a Marte. As centenas de estudos feitos sobre o comportamento dos tripulantes da missão simulada Mars 500 mostram que o exercício de resistência (correr, pedalar) não só ajudava fisicamente como também melhorava a adaptação em termos psicológicos e de rendimento cognitivo, enquanto os exercícios de força não ofereceriam nesse benefício.

Os especialistas também recomendam escrever, por exemplo, um diário, pois proporciona uma válvula de escape para expressar seus sentimentos, além de ocupar o tempo. Diego Urbina, um dos tripulantes da Mars 500, recomendava há alguns dias escrever cartas ou e-mails em vez postar nas redes sociais: “Escrever mensagens longas e cartas ajuda a refletir, a fazer introspecção e permite um contato humano mais profundo do que o que podemos ter hoje através do WhatsApp”. Barrett também acredita que é útil porque ajuda a dar sentido ao caos. Além disso, Urbina aconselha encontrar um espaço próprio para se isolar dos outros companheiros de confinamento. É algo que aparece em todos os estudos: por menor que seja a nave ou a base, mesmo que seja apenas o catre, todos devem ter um local sagrado onde possam se sentir confortáveis e que os outros respeitem.

“Hoje foi difícil. Não entendemos o que está acontecendo conosco. Caminhamos em silêncio um ao lado do outro, sentindo-nos ofendidos. Temos de encontrar alguma maneira de melhorar as coisas.” Estas palavras foram escritas pelo cosmonauta soviético Valentine Lebedev, que passou 211 dias a bordo da Mir em 1982: ele calculou que 30% do tempo no espaço envolvia conflitos da tripulação. Geralmente por simples mal-entendidos que se ampliavam A doutora Beth Healey, que passou um ano na base de Concordia para os estudos da ESA resumiu isso assim: “Todos notam tudo. Inclusive uma mudança no que você comeu no café da manhã se torna objeto de longas discussões”. Por isso é recomendável respeitar o espaço dos outros e ser especialmente tolerante e dialogar se você tiver de passar o confinamento acompanhado. “Se concentram em ser agradáveis”, resume Barrett.

Para suavizar os atritos, na base polar se obrigam a comer todos juntos para vencer a tentação de evitar alguém permanentemente. E tanto os astronautas quanto os cientistas usam um recurso que está em nossas mãos: comemorar. Festejar aniversários, pequenas realizações ou inventar motivos para organizar uma festa é fundamental para desfrutar de um momento de relaxamento divertido. “Essas pessoas valorizam os aspectos positivos de sua situação, como uma xícara de café perfeita ou umas risadas, se centram em pequenas realizações e comemoram essas pequenas vitórias com o grupo”, aponta Barrett.

Algumas pessoas podem experimentar dificuldades para recordar coisas e completar certas tarefas à medida que suas mentes começam a experimentar uma forma de hibernação psicológica

Diante do tédio, esta especialista lembra que costumam combater a monotonia com atividades passivas, como assistir televisão, e atividades ativas, como criar minirrepresentações teatrais, compartilhar um momento de jogos, cozinhar, etc. “O que me surpreendeu estes dias é a criatividade das pessoas para se manterem mentalmente saudáveis, felizes e conectadas com os demais”, diz Palinkas. Sejam celebrações noturnas na varanda ou passear o cachorro pela vizinhança, esses contatos sociais, “mesmo que breves, são extremamente importantes e ajudam a sentir que você não é o único que está passando por essas mudanças”, afirma.

Por último, mas não menos importante, temos uma grande ferramenta: o humor. “O riso é o melhor remédio”, diz Palinkas, “é certamente importante porque permite o exercício da criatividade e ajuda a desviar a tensão social e reduzir o conflito potencial”. Um estudo com várias tripulações espaciais observou que o humor era um mecanismo habitual para enfrentar as tensões em todas as culturas e situações e, embora usassem todo tipo de humor, tendiam a usar mais o positivo. Ao usá-lo, os níveis de solidão, depressão, estresse, tensão e ansiedade caíam entre os astronautas, enquanto melhoravam os sentimentos de amizade, autoestima e otimismo.

Em um estudo sobre as tripulações de submarinos de Israel, os cientistas se mostraram surpresos com os altos níveis de cinismo e humor com os quais os marinheiros enfrentavam o confinamento. A principal manifestação dessa atitude era o Diário Noturno, uma espécie de jornal satírico que faziam com fotos, links para notícias e outros materiais, para revisar o que havia acontecido durante o dia. “É a nossa maneira de lidar com coisas dolorosas e expressar cinismo. Reflete cinismo. Em vez de alguém dizer aos outros o que quer lhes dizer, ele simplesmente acrescenta isso ao jornal noturno e é assim que todo mundo fica sabendo. É um jornal divertido e cínico que facilita a rotina, para provocar risadas”, explicou um dos tripulantes. “Existem muitas provas de que o tipo correto de humor pode ser crucial para enfrentar altos níveis de estresse diante da adversidade. Mas é preciso ter cuidado: a piada alegre de uma pessoa pode ser irritante para outra ou inclusive ela pode se sentir criticada. O humor ajuda a aliviar o estresse desde que não caia na intimidação”, diz Barrett.

Mais informações