“O PM me deu um chute que quebrou minha tíbia. Pisou no meu pescoço e esfregou meu rosto no asfalto”

Dona de bar na zona sul de São Paulo agredida por policiais relata a abordagem e afirma sentir medo. Para tenente-coronel aposentado, a ação, revelada pela TV, foi "repugnante"

Sequência mostra PM pisando em mulher e depois apontando arma para moradores
Sequência mostra PM pisando em mulher e depois apontando arma para moradoresReprodução

A dona de um bar em Parelheiros, na zona sul da cidade de São Paulo, teve a perna quebrada e o pescoço pisado por um policial militar. A abordagem violenta aconteceu no dia 30 de maio, conforme revelado pelo Fantástico, da TV Globo. Passado um mês e meio, a mulher, que é negra, ainda sente medo.

Mais informações

Na tarde desta segunda-feira (13/7), ela conversou com a Ponte sob a condição de anonimato por questões de segurança. A vítima conta que, no dia das agressões, ela nem sequer foi abordada pelos policiais. O que aconteceu, relata, foi que um policial estava dando golpes em um cliente e ela tentou intervir.

Os PMs haviam sido acionados pelo som alto em um carro. Chegaram ao local por volta de 15h30, conforme ela conta. A mulher lembra que o homem se negou a entregar as chaves do carro, o que irritou os policiais, dando início às agressões.

“O rapaz já tinha apanhado bastante, estava caído. Pedi para o PM parar, aí o outro me jogou duas vezes na grade do bar”, conta, citando ter recebido três pancadas antes de ter o pescoço pisado. “Fiquei tonta com os golpes, ele me deu uma rasteira. O chute pegou na canela e quebrou minha tíbia. Quando eu disse isso, ele falou ‘quebrou porra nenhuma’ e pisou no meu pescoço”, relata a mulher.

Traumatizada, diz não lembrar ao certo quanto tempo o PM permaneceu com a bota apoiada em seu pescoço. “Não foi pouco, não. Colocou todo o peso do corpo. Meu rosto esfregou o asfalto enquanto ele me algemava”, explica. Depois, o agente ainda colocou o joelho em seu pescoço e sua costela quando a mulher estava jogada na calçada.

Após a ação, os PMs levaram a mulher ao Pronto Socorro Balneário São José, também na zona sul de São Paulo. Dali, a encaminharam para o 101º DP (Jardim Imbuias), onde ela passou a noite. Os policiais disseram que ela cometeu desacato, agressão e resistência à prisão.

A dona do bar passou por cirurgia para colocar uma haste na tíbia. Está com recomendação de ficar por três meses em repouso. “Tenho má circulação, a recuperação é mais lenta”, explica.

Neste tempo, a mulher conta viver graças à ajuda de familiares e conhecidos por não poder abrir o bar, sua única fonte de sustento. “Toda semana vou no Hospital no Grajaú, fui lá hoje. Está indo devagar, sinto muitas dores. A perna está extremamente inchada”, descreve.

À Ponte revela não saber o que esperar da PM. Por ter bar, explicou ser normal conversar com os policiais que patrulham a área e nunca viveu algo similar. “Os policiais sempre souberam conversar, sempre tratei com respeito. Sempre respeitei a farda. Infelizmente, não vejo mais essa farda com bons olhos”, lamenta.

Pisar no pescoço “é totalmente fora dos limites”

O tenente-coronel aposentado da PM paulista Diógenes Lucca classifica a ação como “repugnante”. Segundo ele, nada justifica a ação dos policiais, mesmo se as pessoas no bar tivessem reagido à abordagem. “Completamente fora do adequado, das práticas policiais. Uma coisa é usar energia, outra é uma coisa brusca como essa. Não é isso que a polícia prega”, afirma.

Lucca cita que há regras de passo a passo de uma abordagem e que pisar no pescoço é “totalmente fora dos limites”. “Não podemos ter ações assim. Se acontece uma tragédia dessa, arrebenta todo mundo. Os bons policiais ficam envergonhados”, define.

Segundo o coronel, o treinamento prometido pelo governador João Doria (PSDB), em resposta a casos recorrentes de mortes e violências da PM, é insuficiente para reparar uma cultura.

“Tem que fazer um trabalho amplo, uma mudança cultural e punir severamente quem age fora das normas. Jamais justificar uma ação. [É preciso] parar de ter apenas o discurso de ‘não compactuamos’. Tem que enfrentar o problema”, afirma.

Por conta dos vídeos da ação, a deputada estadual Erika Hilton (PSOL) cobrou respostas por parte do secretário da Segurança Pública de São Paulo, general João Camilo Pires de Campos (PSDB), e ao comandante da PM, coronel Fernando Alencar.

Segundo ela, o vídeo é a prova de como o racismo institucional do Brasil se reproduz por meio da PM. “Acabamos naturalizando a violência policial como sendo só mais um caso, não um violação de direitos humanos, uma tentativa de homicídio”, relata.

Erika destaca o fato de as vítimas, de forma recorrente, serem negras. “A PM olha o corpo negro como sendo abjeto. Não constrange de ter essas cenas violentas filmadas, como esse caso e tantos outros”, afirma.

A deputada defende o debate de raça e dos direitos humanos como forma de mudar esta polícia “genocida”. “Só vamos frear e acabar com a violência policial quando nós tivermos uma corporação que discuta racismo institucional, reconheça o racismo como modus operandi”.

Outro lado

A Ponte questionou a PM sobre a ação. Em nota, a corporação explicou que os policiais atenderam uma ocorrência de “de desobediência ao isolamento social, devido à covid-19, e, segundo os populares, em um ‘bar’ que estaria aberto, onde estariam pessoas aglomeradas e consumindo bebidas alcoólicas”.

Já a SSP-SP explicou que há um inquérito policial militar investigando a ação dos PMs em Parelheiros. A pasta os afastou do serviço de rua, colocando em serviço administrativo (com salários mantidos) durante o decorrer das investigações.

“A SSP não compactua com desvios de conduta de seus agentes e apura rigorosamente todas as denúncias”, diz a pasta, citando que desde o último dia 1º “policiais militares de todos os níveis hierárquicos participam programa de treinamento, visando a reforçar os conhecimentos e técnicas da instituição”.

A reportagem questionou o Ministério Público sobre o que será feito pelo órgão, responsável pelo controle externo das polícias. Segundo o promotor Arthur Lemos, haverá o acompanhamento da investigação na Corregedoria da Polícia Militar por meio da Promotoria Militar.

Reportagem originalmente publicada no site da Ponte Jornalismo em 13 de julho de 2020.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: