A nuvem de gafanhotos que se aproxima do Rio Grande do Sul e preocupa o Governo brasileiro

Infestação que começou no Paraguai avançou pelo território argentino nos últimos dias e tem o potencial de destruir lavouras e pastagens

Nuvem de gafanhotos na Argentina. Divulgação/Governo da Província de Córdoba|vídeo: Reuters/EFE

Uma nuvem de gafanhotos, originária do Paraguai, se aproxima do Brasil e preocupa agricultores e Governo brasileiro, já que é uma ameaça para pastagens e lavouras. Até esta quarta-feira, a praga estava a cerca de 250 quilômetros da fronteira da Argentina com o Rio Grande do Sul, após avançar pelo território argentino durante o fim de semana. Segundo o agrônomo argentino Héctor Medina, um quilômetro quadrado de infestação pode ter até 40 milhões de insetos, que consomem em um dia pastagens equivalentes a 2.000 vacas ou 350.000 pessoas, segundo informou à agência Reuters.

Mais informações
Mapa que muestra la distribución actual de las mayores concentraciones de patógenos. Los colores más rojizos muestran las zonas con más abundancia de estos.
Os patógenos que colonizarão o planeta
Marie (izquierda), Marinasy (centro) y Tsiampoizy (derecha) son tres mujeres de Ranomay. En la foto, muestran los paneles y las lámparas solares que ellas mismas instalan y reparan. Viajaron hasta India para formarse como ingenieras solares. Estas aldeanas, que no saben leer ni escribir, han dado luz a 155 hogares de su comunidad rural.
Comunidades rurais da América Latina enfrentam o avanço do coronavírus

Os insetos foram vistos pela primeira vez nas províncias de Formosa e Chaco, no Paraguai, onde há culturas de cana-de-açúcar, mandioca e milho, que foram em parte destruídas pela infestação. O Governo argentino divulgou que a nuvem pode passar por vilas e ambientes urbanos sem causar danos diretos aos seres humanos, mas preocupa pelo risco às plantações.

A infestação se desloca de acordo com condições climáticas favoráveis, como temperatura e circulação de ventos, se adaptando melhor ao clima quente. Por isso, especialistas argentinos e gaúchos indicam que a nuvem deve seguir para o Uruguai, já que uma frente fria é esperada para os próximos dias no Rio Grande do Sul, inclusive com quedas de granizo. À Agência Brasil, a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Rio Grande do Sul disse que a intensificação dos ventos na região deve potencializar o deslocamento da nuvem para “a Fronteira Oeste, Missões e Médio e Alto Vale do Rio Uruguai”. O gafanhoto é da espécie Schistocerca cancellata e na sua dieta estão incluídos folhas, cereais, capins e outras gramíneas.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou que acompanha o deslocamento da infestação em tempo real e que “emitiu alerta para as superintendências federais de Agricultura e aos órgãos estaduais de Defesa Agropecuária para que sejam tomadas medidas cabíveis de monitoramento e orientação aos agricultores da região (...) para a adoção eventual de medidas de controle da praga, caso esta nuvem chegue em território brasileiro”.

Já a Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Sul orienta os produtores agricultores para que informem a Inspetoria da Defesa Agropecuária de sua região caso o inseto seja identificado em grandes quantidades.

O gafanhoto está presente no Brasil desde o século 19 e causou, durante as décadas de 30 e 40, grandes perdas nas lavouras de arroz do Sul do Brasil. No entanto, a praga tem permanecido em sua fase “isolada”, como explica o Ministério. Em 2017, uma infestação do inseto atingiu diversas cidades do Pará, atacando lavouras de mandioca e trazendo prejuízos econômicos e sanitários à população pelo uso abusivo de inseticidas na região.


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS