_
_
_
_

Senado aprova mudança nas datas da eleição municipal por causa do coronavírus

Primeiro e segundo turnos seriam em 15 e 29 de novembro. Apoiado pelo presidente do TSE, projeto ainda será analisado pela Câmara, onde deve enfrentar resistência do centrão e do MDB

Os senadores Davi Alcolumbre e Weverton Rocha na sessão remota desta terça-feira.
Os senadores Davi Alcolumbre e Weverton Rocha na sessão remota desta terça-feira.Waldemir Barreto (Waldemir Barreto/Ag. Senado)

O Senado Federal aprovou nesta terça-feira o adiamento das eleições municipais deste ano em seis semanas. O primeiro turno, de acordo com o novo texto, deve ocorrer em 15 de novembro e não mais em 4 de outubro. Já o segundo turno, previsto para 25 de outubro, mudaria para 29 de novembro. A alteração ocorre por conta da pandemia do novo coronavírus e tem o apoio do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso. Para que passe a valer, entretanto, a mudança ainda precisa ser aprovada em outras duas votações na Câmara, onde deve enfrentar resistência de deputados do Centrão. A expectativa é que os deputados comecem a votá-lo em no máximo duas semanas.

Mais informações
Demonstrators take part in a protest against Brazil's President Jair Bolsonaro in front of the Superior Electoral Tribunal (TSE), amid the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in Brasilia, Brazil June 9, 2020. REUTERS/Adriano Machado
Caminho judicial contra Bolsonaro começa a ganhar força no TSE
O ministro do TSE, Luís Roberto Barroso, em reunião com presidentes de Tribunais Regionais Eleitorais, em 1º de Maio.
Barroso: “Não há risco de voltarmos a ser uma república de bananas. Nem os militares querem isso”
Brazil's President Jair Bolsonaro adjusts his mask as he arrives to a national flag hoisting ceremony in front of Alvorada Palace, amid the coronavirus disease (COVID-19) outbreak in Brasilia, Brazil June 9, 2020. REUTERS/Adriano Machado
Justiça Federal obriga Bolsonaro a usar máscara facial em espaços públicos do DF

Os debates se intensificaram depois que Barroso assumiu o TSE, no início deste mês, e promoveu uma série de audiências com especialistas para tratar do tema. Entre os ouvidos estavam cientistas, epidemiologistas e advogados eleitorais. O objetivo era saber se seria adequado alterar o pleito em algumas semanas para evitar uma disseminação da doença em um período que o vírus ainda deve estar circulando entre a população brasileira. Assim como entender se haveria impedimentos jurídicos para essa alteração. Os especialistas, quase em sua totalidade, apoiaram a mudança. Barroso sempre disse que essa era uma decisão do Congresso e, portanto, eminentemente política, mas que deveria levar em conta a saúde pública.

Apesar de passar com facilidade no Senado, onde houve 67 votos a favor, oito contra e duas abstenções, não há a garantia de que na Câmara a PEC seja aprovada com facilidade. Deputados do Centrão já demonstraram ser contrários à medida. Esse grupo fisiológico de centro direita soma cerca de 200 parlamentares. Para aprovar uma PEC são necessários 308 votos dos 513 deputados e de 49 dos 81 senadores.

Nos bastidores, o argumento dos membros do centrão e do MDB é de que qualquer alteração de data pode afetar na avaliação dos atuais prefeitos que concorrerão à reeleição, já que estenderá por mais tempo os efeitos da crise gerada pela pandemia nos municípios. Eles acreditam que a mudança deve resultar mais em derrotas para o seu grupo político do que em vitórias, já que estão ligados a muitos prefeitos e vereadores que estão no poder atualmente. Os políticos municipais costumam ser os principais cabos eleitorais de deputados federais, que disputarão o pleito de 2022. No caso do MDB ainda há uma questão interna a ser decidida. Os parlamentares da legenda tinham o objetivo de ouvir seus diretórios regionais antes de tomarem qualquer decisão. Mas no Senado os debates duraram apenas uma semana e não deu tempo das bases serem oficialmente consultadas.

Na Câmara ainda há uma discussão sobre a prorrogação dos mandatos dos atuais 5.570 prefeitos e 57.420 vereadores para mais dois anos. Neste caso, as eleições municipais passariam a coincidir com as presidenciais. Essa sugestão, contudo, sofre resistências entre membros da Corte eleitoral e entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O próprio ministro Barroso já disse que ampliação de mandatos nunca ocorreu no Brasil em períodos democráticos. A última vez que isso ocorreu foi durante a ditadura militar, quando os prefeitos que deveriam deixar o cargo em 1980 saíram apenas em 1982.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_