Alemanha

Alemanha busca atrair estrangeiros para ocupar 1,4 milhão de empregos

Merkel se reúne com ministros, empresas e sindicatos para discutir uma lei que permitirá a entrada de trabalhadores com formação. Brasil será incluído em projeto-piloto para simplificação de vistos

A chanceler alemã, Angela Merkel, mostra o documento assinado por vários ministros, empresários e sindicalistas para acelerar a entrada de trabalhadores qualificados na Alemanha, depois da reunião sobre o tema em Berlim.
A chanceler alemã, Angela Merkel, mostra o documento assinado por vários ministros, empresários e sindicalistas para acelerar a entrada de trabalhadores qualificados na Alemanha, depois da reunião sobre o tema em Berlim.JOHN MACDOUGALL / AFP

Mais informações

Um cartaz no bonde 12 de Berlim, neste domingo, estimulava os passageiros a trabalharem como condutores. Essa é a imagem da nova normalidade na Alemanha, um país que procura mão de obra qualificada dentro e fora de suas fronteiras. O assunto foi o tema de uma reunião de alto escalão nesta segunda-feira, em Berlim, com a participação de Governo, sindicatos, empresários e Estados federados interessados em evitar que a locomotiva alemã trave por falta de trabalhadores (há quase 1,4 milhões de vagas). A ideia é preparar o terreno para aplicar uma lei que facilitará a entrada de empregados de fora da UE a partir de março.

A chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel fez um pronunciamento após a reunião, ao lado de ministros e representantes dos empresários e sindicatos, para enviar uma mensagem de unidade e deixar clara a existência de um consenso social em torno da necessidade de atrair trabalhadores estrangeiros. Todos os presentes assinaram um documento em que se comprometem a facilitar a incorporação de trabalhadores estrangeiros qualificados. Merkel falou de uma mudança de paradigma e considerou que “o importante é que nos outros países nos vejam como um país aberto e interessado pelo mundo, porque não somos os únicos que estamos interessados nos trabalhadores qualificados. Há uma grande concorrência”. Peter Altmaier, o ministro da Economia, disse que o país poderá “ter um maior crescimento” se receber “trabalhadores qualificados”.

Uma pesquisa das Câmaras de Indústria e Comércio da Alemanha (DIHK) publicada por ocasião da minicúpula em Berlim indica que 56% dos empresários consideram a falta de trabalhadores como o principal fator de risco para seus negócios. O Instituto para a Pesquisa do Emprego (IAB), ligado à Agência Federal de Emprego, contabiliza 1.359.000 postos de trabalho em aberto no país inteiro. Após quase uma década de crescimento econômico ininterrupto, e apesar da atual desaceleração, as cifras de desemprego são as mais baixas desde a reunificação alemã, no começo da década de 1990. Os setores da informática, saúde e cuidados, construção e gastronomia são os mais afetados.

O Governo alemão aprovou há um ano uma lei destinada a atrair trabalhadores qualificados de fora da UE. Já há 2,5 milhões de europeus trabalhando na Alemanha, mas Berlim calcula que o fluxo de trabalhadores procedentes da UE diminuirá devido ao envelhecimento dos países vizinhos, que necessitarão dos seus próprios trabalhadores. A prioridade, como deixaram claro nesta segunda-feira os agentes econômicos, passa por aproveitar ao máximo a força de trabalho interna, mas com a consciência de que esta é claramente insuficiente.

“Sabemos que muitos empresários procuram desesperadamente trabalhadores qualificados”, disse Merkel no fim de semana, alertando também para uma possível fuga de empresas se a Alemanha não conseguir atrair mão de obra. “É necessário fazermos todos os esforços para recrutar um número suficiente de especialistas. Do contrário, as empresas terão que emigrar, e obviamente não é isso que queremos”, afirmou.

A lei, que deverá entrar em vigor em 1º de março de 2020, permite que os trabalhadores estrangeiros com formação profissional — não necessariamente universitária — entrem no mercado alemão sem a necessidade de que se demonstre a inexistência de alemães ou de cidadãos de outros países da UE disponíveis para cobrir uma determinada vaga. Tampouco será preciso demonstrar sua ligação com um setor ou atividade profissional especialmente necessitada.

Sem contrato prévio

Os trabalhadores terão que saber o idioma alemão e poderão se mudar para a Alemanha sem contrato prévio durante seis meses, desde que cumpram os requisitos estabelecidos na lei. A ideia é que a nova legislação permita o desembarque de dezenas de milhares de novos trabalhadores por ano.

Os agentes políticos, sociais e econômicos reunidos em Berlim se mostraram de acordo sobre a necessidade de agilizar a concessão de vistos, chegando a acordos com países de origem. Acelerar a homologação de todo tipo de formação mediante o incremento de pessoal dedicado a essas tarefas é outro dos objetivos estabelecidos, junto com facilitar o ensino do idioma alemão. Em um site oficial do Governo intitulado Make it in Germany, os trabalhadores estrangeiros interessados podem encontrar informação sobre empregos na Alemanha e ceursos de idiomas. Reforçar esse portal como instrumento de conexão entre empregadores e empregados é outro dos objetivos.

O ministro do Trabalho, Hubertus Heil, pediu aos empresários que apresentem uma estratégia de recrutamento. Disse que são as empresas que precisam detalhar em quais Estados e setores econômicos são necessários mais trabalhadores, para priorizar a simplificação burocrática. Numa entrevista ao canal de TV ARD, Heil admitiu que a escassez de trabalhadores já é “um freio ao crescimento”, em alusão à queixa recorrente de empresários de que não podem aceitar pedidos por falta de pessoal. Heil antecipou que haverá projetos-piloto com o Brasil, a Índia e o Vietnã para organizar esquemas de migração simplificados para trabalhadores qualificados.

O setor tecnológico é um dos mais afetados. Calcula-se que haja 124.000 vagas. “Trata-se de uma cifra recorde nos últimos 20 anos”, afirma Bastian Pauly, porta-voz do Bitkom, entidade que representa 2.600 empresas alemãs da economia digital. As vagas crescem, apesar do esfriamento econômico, devido à crescente digitalização da economia. Com a nova lei, um programador indiano com experiência poderá obter uma autorização de trabalho mesmo se não tiver a titulação necessária. Trata também de um setor especialmente propício, onde impera a cultura internacional e no qual é mais importante conhecer a linguagem de programação que o idioma alemão.

9.000 euros por aceitar trabalhar em um hospital

Até 9.000 euros extras (40.000 reais) para enfermeiros de UTI. Esse o incentivo que oferece um hospital de Berlim para quem manifestar seu interesse até 15 de janeiro. Enfermeiros menos especializados receberão entre 3.000 e 5.000 euros só por aceitarem o trabalho na Clínica de Spandau. O pagamento do bônus será parcelado, para que nenhum trabalhador espertalhão pegue o dinheiro e saia correndo.

O caso da Vivantes, empresa municipal que administra os hospitais de Berlim, é certamente um caso chamativo, mas em todo o país os departamentos de recursos humanos precisam se virar para contornar a falta de mão de obra e atender às necessidades mais urgentes. "É conhecida a dificuldade para contratar pessoal de enfermaria", diz uma porta-voz do hospital, acrescentando que a clínica foi recentemente ampliada, por isso precisa de mais pessoal. Outro objetivo é aliviar a carga de trabalho dos atuais funcionários. "A Vivantes se decidiu por esta campanha depois que muitas outras medidas de recrutamento não deram resultado na contratação de pessoal do qual se necessitava com urgência", afirma a clínica em um comunicado. Atualmente, há uma escassez de 40.000 enfermeiros no país, segundo os dados reunidos pela agência DPA.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50