Berlim recompra 6.000 imóveis de uma empresa para frear aumento do aluguel

A estratégia política da cidade-Estado inclui a aquisição e a construção de moradias, além do congelamento dos preços da locação

Uma mulher passa em frente a um complexo residencial em Berlim.
Uma mulher passa em frente a um complexo residencial em Berlim.Carsten Koall (DPA)

A cidade-Estado de Berlim recomprará quase 6.000 antigas moradias sociais que hoje pertencem a uma empresa imobiliária. Pagará por elas 920 milhões de euros (4,1 bilhões de reais). A operação faz parte de um conjunto de políticas com as quais o Governo berlinense pretende frear o vertiginoso aumento do aluguel na capital alemã. É a maior “recomunalização da história de Berlim”, nas palavras da secretária regional de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Katrin Lompscher. 

O prefeito de Berlim, o social-democrata Michael Müller, explicou que já anunciara no início do ano sua disposição de comprar imóveis onde isso fosse financeiramente possível e fizesse sentido para estabilizar os aluguéis. “Enquanto isso, continuaremos construindo novas moradias e garantindo juridicamente o teto do valor do aluguel”, disse na época.

Mais informações

Lompscher informou que se trata de antigas moradias sociais e que, embora não se possam desfazer “os erros cometidos no passado, quando elas foram vendidas”, pode-se agora dar aos inquilinos a segurança que perderam durante a privatização. E acrescentou: “Com a compra, ampliamos significativamente as propriedades das empresas públicas e ajudamos a preservar o equilíbrio social em nossa cidade".

O Governo da capital alemã —uma coalizão entre os sociais-democratas do SPD, o Partido Verde e a Die Linke (A Esquerda)— anunciou em junho passado que congelará o valor dos aluguéis por cinco anos. Cerca de 85% dos moradores de Berlim são inquilinos e viram como os preços dos aluguéis dispararam nos últimos anos. Especificamente, duplicaram na última década. O valor da venda aumentou 20,5% em 2017, mais do que em qualquer outra cidade, segundo dados da agência imobiliária Knight Frank. Uma das causas do fenômeno é a especulação decorrente da escassez de morarias e a continuada demanda de uma cidade magnética que não deixa de crescer. Todo ano, 40.000 pessoas se mudam para Berlim a fim de trabalhar, estudar ou na condição de refugiados.

A compra dos imóveis será formalizada em dezembro através da Gewobag, uma das empresas municipais de habitação de Berlim. “A Gewobag assinou hoje um acordo vinculante com a Ado Properties S.A. para a aquisição de 5.894 unidades residenciais e 70 comerciais em Spandau [sudoeste da cidade] e Reinickendorf [noroeste]”, disse em nota a empresa municipal. A Ado Properties S.A. é uma companhia com sede em Luxemburgo que opera em Berlim. “Com a compra, aumentamos nosso parque imobiliário para 68.000 apartamentos, de modo a garantir moradias acessíveis”, completou.

Críticas da oposição

O diretor da Ado Properties S.A., Ran Laufer, disse que a empresa estava “encantada” por ter alcançado o acordo com a Gewobag. “A venda é consistente com a nossa estratégia, que passa não só pela aquisição de propriedades quando acreditamos que pode criar valor, mas também por vender seletivamente quando há uma oportunidade de fazermos isso em condições favoráveis para a empresa".

A operação gerou críticas dos liberais, que não consideram que a medida solucione a falta de moradia na capital, e dos conservadores, que se perguntam por que não se fez isso antes, quando os preços eram mais baixos. A extrema-direita (AfD) qualificou a iniciativa como “um enorme gasto de dinheiro”.

Além da compra de imóveis e o do teto para o valor do aluguel, a construção é o outro eixo da política municipal. Matthias Kollatz, secretário regional de Finanças da cidade-estado de Berlim, explicou recentemente a este jornal que “a resposta prioritária deve ser a construção de moradias, sobretudo sociais”. Berlim planeja construir 6.000 imóveis desse tipo por ano, além de adquirir outros 4.000. Em 2018, foi aprovada a construção de 3.500 moradias sociais, e a ideia é aumentar essa cifra em 500 por ano até chegar a 6.000 anuais.