LENÍN MORENO | PRESIDENTE DO EQUADOR

“Os chamados socialistas do século XXI saquearam a América Latina”

O presidente equatoriano diz ter provas de que seu antecessor, Rafael Correa, foi o instigador dos protestos de outubro no país

O presidente Lenín Moreno, em Madri.
O presidente Lenín Moreno, em Madri.JAIME VILLANUEVA

Dois meses depois de protestos no Equador, motivados, entre outras razões, pela retirada dos subsídios aos combustíveis, o presidente Lenín Moreno (Nuevo Rocafuerte, 66 anos), que se define como um "socialista autêntico", visitou Madri, onde participou da Cúpula do Clima (COP25) e se reuniu com o presidente em exercício do Governo da Espanha (primeiro-ministro), Pedro Sánchez, e o rei Felipe VI. Moreno diz que a situação em seu país, pioneiro na onda de manifestações na América Latina, foi acalmada. Ele acusa seu antecessor, Rafael Correa, também do partido Aliança País, de estimular as revoltas.

Pergunta. Como está a situação no Equador?

Mais informações

Resposta. Completamente acalmada. Continuamos o diálogo com vários setores sociais com os quais estamos chegando a acordos em muitas questões, incluindo a possibilidade de direcionar os subsídios aos combustíveis para que afetem o mínimo possível os setores menos abastados.

P. Começaram, então, as negociações com as comunidades indígenas?

R. Com alguns setores, sim. Há um setor que tem resistido ao diálogo que iniciamos e que, além disso, entrou em acordo com os fiadores naquele momento, que eram a Conferência Episcopal do Equador e as Nações Unidas, mas com todos os outros estamos dialogando. Enviaram uma proposta que iremos analisar oportunamente.

P. O que ocorreu exatamente em outubro? Qual é a sua versão?

R. Tradicionalmente, os povos indígenas se manifestam contra as medidas que acham que não são benéficas para eles e, geralmente, fazem isso em paz, como também desta última vez. O que aconteceu é que setores criminosos se infiltraram, pagos pelo correísmo, e não só isso, também gente das FARC, ELN, assalariados maduristas, que se camuflaram entre os quase 4.000 venezuelanos que entraram no país como imigrantes, e também membros de gangues, que começaram a provocar desmandos como nunca antes se havia visto contra a polícia, os cidadãos, para destruir as lojas. Também se dedicaram a algo muito significativo: queimaram o Gabinete da Controladoria-Geral, justamente o departamento em que se encontravam as provas da corrupção correísta, daí se pode imaginar qual era o objetivo final.

P. Tem provas?

R. Estão em andamento todas as investigações de pessoas intimamente ligadas ao correísmo. Além disso, não se esqueça que os atos de investigação sobre corrupção do Governo correísta estão nas últimas instâncias judiciais e isso os preocupa muito. Portanto, aproveitam-se das manifestações indígenas que, de todo modo, quando não são violentas, são reconhecidas como um direito na Constituição. Pode-se unir perfeitamente as pontas e se chegar à conclusão de por que os protestos ocorreram.

P. Mas não há provas físicas dessa conspiração…

R. O Ministério Público as possui. Houve inspeções em domicílios por ordem do Ministério Público, por ordem do Executivo, interceptações telefônicas, e estão encontrando elementos de condenação.

P. O Equador abriu a torneira da onda de protestos na América do Sul. No Chile, provocaram uma mudança constitucional e, na Bolívia, a saída do poder de Evo Morales ...

R. Não parece coincidência demais?

P. Acha que tudo obedece ao mesmo plano?

R. Tudo foi premeditado.

P. Conspiração à parte, parece haver condições objetivas para o mal-estar na região...

R. A desigualdade é bastante alta, e também no Equador. É tarefa de um Governo buscar reduzir a distância entre os menos favorecidos e aqueles com maior riqueza. No Equador, estamos tentando acabar com isso, com programas como o Toda uma Vida, que, como o nome indica, abarca desde o momento da concepção até que Deus decida fechar nossos olhos.

P. Houve um golpe de Estado na Bolívia?

R. Quem deu o golpe de Estado? Alguém que fez eleições ardilosas ou um povo que sai para se manifestar contra essa manobra ardilosa? Seria necessário ver quem deu esse golpe de Estado. Há sinais de algo, isto é, de um e de outro. Mas a presidenta interina, Jeanine Áñez, convocou eleições transparentes e limpas, com amplas formas de controle e observação por parte de organizações internacionais. Acho que não pode haver maior manifestação de democracia.

P. Seu Governo contraiu em fevereiro uma dívida pesada com o FMI e precisa de outros 500 milhões de dólares (2,1 bilhões de reais) no curto prazo ...

R. Está dentro do acordo que excede 10 bilhões de dólares (42 bilhões de reais), e não é só com o FMI, também do Banco Mundial, também o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o Banco Europeu de Investimento, a Agência Francesa de Investimentos, ou seja, um conjunto de órgãos mundiais que decidiu apoiar o desenvolvimento do Equador porque a dívida contraída pelo Governo anterior é cara e difícil de pagar no curto prazo. Por outro lado, a dívida com essas instituições é de longo prazo e de fácil pagamento, com taxas de juros baixas.

P. Como convencer o FMI?

R. O FMI não é o mesmo que antes. Exige agora que grande parte do financiamento seja investido nos setores mais vulneráveis.

P. Pensa em convocar eleições antecipadas se a reforma tributária não for aprovada pela segunda vez?

R. Não. Com exceção dos correístas, ninguém mais as pediu.

P. Acredita que o próximo presidente do Equador, em 2021, será um líder indígena?

R. Será o povo que decidirá, mas garanto que encontrará um país em condições muito melhores do que as que nós herdamos.

P. Atualmente, algumas pesquisas apontam o senhor com 80% de reprovação...

R. Se isso fosse verdade, eu estaria em casa, desfrutando os meus netos. Há uma grande propaganda internacional: a gangue dos chamados socialistas do século XXI assaltou os recursos da América Latina. Agora, esses recursos são investidos em fundações que financiam partidos políticos, e não quero me referir a nenhum porque estou na Espanha, e por respeito a organizações sociais e a intelectuais de esquerda que se sentem muito confortáveis com essa posição ideológica e econômica. O dinheiro costuma comprar tudo, menos a dignidade. Eu sou socialista, mas dos autênticos. É uma gangue que se apropriou do termo socialismo para espoliar os países.

P. O senhor era o número dois de Correa, mas agora são inimigos…

R. Sim. Até agora estou expurgando. Você quer que eu faça um mea culpa? Não me preocupei em averiguar se o que o ex-presidente dizia, com muita convicção, era a verdade. Nenhum corrupto tem isso escrito na testa

O susto da dívida

C.B

O verdadeiro combustível das revoltas de outubro no Equador foram os imprescindíveis ajustes necessários para fazer frente à enorme dívida contraída pelo seu antecessor. “Disseram-nos que tínhamos uma dívida de 27 bilhões de dólares e, no final, eram 70 bilhões. Você pode imaginar o susto”, diz Moreno. Ele também acrescenta que os subsídios à gasolina eram usados por "pessoas que não precisam deles, que têm carros de luxo, e por traficantes de cocaína".

Pergunta. Quais ajustes serão feitos?

Resposta. Sempre haverá ajustes. Herdamos um aparato burocrático paquidérmico, que triplicou no período anterior, é difícil manter. O presidente anterior, Rafael Correa, fez isso graças a um alto preço do petróleo e enormes taxas de endividamento, mas estamos seguindo em frente... Há um plano de otimização econômica, de impostos, que está sendo avaliado pela Assembleia, que numa primeira leitura o aprovou. Esperamos que o faça em segunda leitura.

P. Pode especificar algum deles?

R. Um imposto de 0,1% sobre empresas que faturam mais de um milhão de dólares, de 0,15% para aquelas com mais de cinco milhões e 0,2% para as com mais de 10 milhões. Entre outros, 50 artigos adicionais que tentam principalmente regularizar o regime tributário. Por exemplo, não será mais paga a antecipação do imposto de renda que causava a retirada do investimento de pequenas e médias empresas. No que diz respeito ao Governo, uma redução de 5% do orçamento dos ministérios, com exceção da educação, saúde e segurança.

Quanto às críticas aos fatos que resultaram em uma dezena de mortes e milhares de feridos em duas semanas de protestos, Moreno afirma que, embora tenham ocorrido, isso está sendo investigado e que foi feito de maneira "correta".

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50