Dia da Consciência Negra

Goleiro negro virou símbolo da torcida antirracista do espanhol Rayo Vallecano

O nigeriano Wilfred Agbonavbare, ou simplesmente Willy, fez história no clube de Madri da segunda divisão, nos anos 90, encarando as dores do racismo exacerbado em campo

Painel em homenagem a Wilfred na fachada do estádio de Vallecas.
Painel em homenagem a Wilfred na fachada do estádio de Vallecas.B.P.

Mais informações

Na década de 90, Agbonavbare, que se tornou conhecido em Vallecas como Willy, era figura rara dentro dos campos de futebol na Espanha: um goleiro negro. Aos 24 anos, deixou a Nigéria para assinar contrato com o Rayo. Logo virou ídolo da torcida, especialmente depois de conduzir a equipe à primeira divisão em 1992. Na temporada seguinte, veio a consagração. Ao enfrentar o Real Madrid, clube mais poderoso da cidade, Willy fechou o gol. Suas defesas milagrosas garantiram a vitória dos donos da casa por 2 a 0. Saiu aclamado pelos torcedores que lotaram o estádio do bairro.

Na partida de volta, em pleno Santiago Bernabéu, o nigeriano brilhou novamente. Pegou um pênalti e, de forma heroica, o Rayo arrancou um empate nos domínios rivais. Então favorito ao título, o Real acabou ultrapassado na tabela pelo Barcelona. Para os rayistas, Willy ficou marcado como o goleiro que tirou a taça das mãos madridistas. Mas os torcedores do time merengue não o perdoaram. Durante o jogo, foi alvo de cânticos racistas. Para provocá-lo, a torcida adversária gritava “Ku Klux Klan” das arquibancadas. Em embates das temporadas seguintes, sempre ouvia o coro de “negro c…, vai colher algodão”.

Willy, por sua vez, tinha o sonho de jogar no Real Madrid. De ser reconhecido em um grande clube. Preferia não confrontar os agressores e respondia aos insultos discriminatórios com desdém. “Por ser negro, sei que vou ouvir xingamentos nos estádios. Que eles xinguem e eu continue fazendo a diferença a favor do meu time”, costumava dizer. Sem tréguas do racismo, defendeu o Rayo Vallecano por seis temporadas. Nunca recebeu oportunidades em times maiores, muito menos no Real, apesar de ter disputado a Copa do Mundo de 1994 com a seleção de seu país. Tentou prosseguir a carreira no modesto Écija, mas, como não havia ganhado fortunas em seus tempos de Rayo e o salário de goleiro semiamador era insuficiente para pagar as contas, pendurou as chuteiras aos 31 anos e resolveu voltar para a Nigéria.

Entrada do estádio do Rayo homenageia o ex-goleiro nigeriano.
Entrada do estádio do Rayo homenageia o ex-goleiro nigeriano.B.P.

Quando ainda tentava se restabelecer, sua mulher foi diagnosticada com câncer de mama. Retornaram à Espanha para apressar o tratamento, que corroeu o pouco que havia restado de suas economias. Ela não resistiu, e o ex-goleiro se viu obrigado a permanecer em Madri à procura de emprego. Trabalhou por mais de uma década como carregador de malas e operador de cargas no aeroporto de Barajas, até descobrir que também tinha um câncer. Willy morreu no início de 2015, aos 48 anos. Porém, não foi esquecido pela torcida que o transformou em lenda.

Unidos contra o fascismo e o racismo

“Não me lembro dele”, afirma o costa-riquenho Eduardo Ramírez, 36, ao se deparar com o rosto de Willy pintado na fachada do estádio. Ele vive em Vallecas há quase 10 anos, torce para o Rayo, mas nunca tinha ouvido falar no ex-goleiro, nem frequenta os jogos do clube. “Eu trabalho como vendedor autônomo. Para mim, sai muito caro comprar ingressos.” Já o espanhol Alvaro Contreras, 54, se recorda bem do ídolo que viu jogar. “Willy era uma pessoa humilde. Morava aqui na região. Se identificava muito com o bairro. E o bairro se identificava com ele.”

Sua chegada ao clube coincidiu com o surgimento da mais efusiva torcida organizada do Rayo Vallecano. Fundada em 1992, a Bukaneros começou com um grupo de sete jovens que queria propagar ideais antifascistas no estádio, em contraponto aos ultras abertamente de direita dominantes nas arquibancadas até então. O discurso politizado e em sintonia com a classe trabalhadora do bairro atraiu adeptos para a Bukaneros, que logo se converteu na facção de torcedores de maior influência dentro do clube.

Uma temporada depois de Wilfred Agbonavbare deixar o Rayo, a torcida organizou sua primeira “Jornada contra o racismo”, evento que promove todos os anos em combate ao preconceito. Em 2011, o ex-goleiro foi o convidado de honra da torcida para as solenidades. Seria a última vez que pisaria no gramado do estádio que o consagrou. Ao saber da doença enfrentada por Willy, a Bukaneros se mobilizou para arrecadar fundos a fim de que a família pudesse viajar da Nigéria para a Espanha, já que seu último desejo era se despedir dos três filhos, que não encontrava havia quase 10 anos.

Antes, a torcida rayista tinha se unido para ajudar uma torcedora do clube, de 85 anos, que estava prestes a ser despejada de casa. Ela doou parte do dinheiro arrecadado com o intuito de bancar seu aluguel para que os filhos de Wilfred o visitassem em Madri. Torcedores, dirigentes e jogadores também contribuíram. Problemas com a liberação dos vistos atrasaram a viagem, e, um dia antes do previsto para o embarque, o ex-goleiro faleceu no leito do hospital, sem conseguir realizar o sonho de reencontrar a família. Após a morte, o clube batizou uma das entradas do estádio com seu nome, enquanto a Bukaneros se encarregou do painel de azulejos em sua homenagem.

Vestiário do time também reverencia Wilfred.
Vestiário do time também reverencia Wilfred.B.P.

O Rayo segue se destacando em campanhas de apoio a causas sociais, como o enfrentamento ao racismo e à homofobia. Mas, há tempos, a sintonia entre diretoria e torcida não é tão afinada. A Bukaneros tem organizado boicotes aos jogos em protesto endereçado ao empresário Raúl Martín Presa, que comprou o clube em 2011. Por falta de respaldo às bandeiras levantadas na arquibancada, os atritos com o dono se tornaram rotina. Em 2017, torcedores se revoltaram contra a incorporação do atacante ucraniano Roman Zozulya, acusado de manter vínculos com movimentos neonazistas em seu país. A contratação do jogador acabou desfeita. No ano seguinte, o Rayo foi multado em 30.000 euros depois que a torcida organizou uma manifestação contra o racismo no estádio, sob a alegação de o ato não havia sido previamente comunicado às autoridades do futebol espanhol.

Embates nos bastidores, no entanto, não impedem que a idolatria a Wilfred Agbonavbare continue sendo uma unanimidade, sobretudo para uma militância cada vez mais engajada em Vallecas, único distrito de Madri onde a direita nunca conseguiu ganhar uma eleição. Em sua última reverência ao ex-goleiro, a Bukaneros salientou que “a vida foi cruel com Willy. Mas esse homem de aspecto bonachão foi um dos maiores que vestiram nossa camisa. Um ídolo humilde para um clube humilde”.