primeiros socorros

Limpar ferimentos com álcool e outros oito erros dos primeiros socorros

Os primeiros socorros não são para amadores, mas existem noções básicas que podemos adquirir e falhas muito comuns que devemos deixar de cometer quando queremos curar

MAIS INFORMAÇÕES

Os sustos não dão trégua aos profissionais de saúde nem mesmo nas férias. Mas as ameaças podem surgir a qualquer momento e nos obrigar a agir imediatamente para administrar os primeiros socorros a alguém. Não é uma tarefa simples e, embora o Samu (disque 192) não exista apenas para pedir uma ambulância ou a ajuda dos bombeiros, mas também para assessorar e dar instruções sobre o que devemos fazer em uma emergência, é bom ter conhecimentos básicos de como socorrer alguém. O primeiro passo para isso é deixar de cometer erros, por exemplo, quando se trata de curar um ferimento simples, enfrentar um engasgo ou remediar os efeitos de uma insolação. Patxi Bueno, enfermeiro e diretor de formação do Centro Médico de Pamplona (Espanha), explica o que costumamos fazer errado e como deveríamos proceder nas emergências mais comuns.

Se o álcool arde, não é porque está curando

Os ferimentos leves e os acidentes graves são situações bastante comuns e nem sempre sabemos como lidar com eles adequadamente. No caso de acidente, não se deve mover a vítima, pois pode haver uma fratura, luxação ou até mesmo uma lesão na medula. O adequado é se limitar a ligar para o Samu ou corpo de bombeiros, pois as ambulâncias são veículos preparados para a imobilização e o transporte nas melhores condições.

Em relação a pequenos ferimentos, aplicar álcool como desinfetante e pensar que arde porque está curando é um erro. A ideia pode ajudar as crianças a aceitar a dor, mas, na realidade, a sensação nasce das bordas das feridas, que estão queimando. O melhor desinfetante é a Clorexidina, um medicamento de uso cutâneo cuja substância ativa é o digluconato de clorexidina. Este antisséptico se aplica sobre a pele e é indicado para pequenos ferimentos e queimaduras leves. Devemos reservar o álcool para desinfetar o material ou lavar as mãos em caso de não ter água e sabão.

Diante de um engasgo, nada de tapinhas

Se você acha que tem que dar um tapinha nas costas ou colocar de lado quem está passando por esse perigoso momento, com o risco de mover o corpo estranho para as vias aéreas ao invés de expulsá-lo, preste atenção, pois não é a melhor coisa que você pode fazer. O certo é deixar passar alguns segundos e observar se a pessoa engasgada pode tossir, já que a maioria dos casos é resolvida graças ao reflexo da tosse.

Mas às vezes acontece uma obstrução que pode ter um desfecho fatal. Para reduzir o risco, é importante manter a calma e aplicar a manobra de Heimlich, a melhor maneira de ajudar uma pessoa que não consegue respirar por ter engasgado. Se você não a conhecer ou tiver esquecido, sempre se pode ligar para o serviço de emergência para que este indique os passos a seguir. Todos os anos acontecem mais de 2.000 mortes por engasgo, mais do que por acidente de trânsito, o que lembra que devemos dar alimentos adequados à idade das crianças e evitar distrações durante as refeições, com o celular ou a televisão. Os adultos também exigem supervisão; 90% dos engasgos acontecem com pessoas com mais de 65 anos que sofrem de disfagia ou dificuldade para engolir.

Tampouco é adequada a falta de reação do resto dos presentes enquanto alguém realiza a manobra de Heimlich, em vez de ligar para o Samu.

Se você se queimar na churrasqueira, evite remédios caseiros

Em casos de queimadura, aplicar gelo, mel —melhor guardá-lo para adoçar— pasta de dente ou qualquer outro remédio caseiro é uma ação tão desesperada quanto pouco recomendável. Assim como negligenciar a queimadura pensando que é um incidente leve; pode causar problemas graves, uma vez que vai inflamar.

O correto é submergir a área afetada em água fria por 15 ou 20 minutos. Assim se reduz a inflamação, se alivia a dor e se expele o calor residual que fica na queimadura, então o prognóstico será muito melhor. Se a pele tiver bolhas, nunca se deve estourá-las e é necessário proteger o ferimento com gaze úmida e uma bandagem que não comprima. Se não aparecerem bolhas, a queimadura é leve e não afetar uma área sensível como o rosto, o pescoço ou os genitais, você pode tratá-la com uma pomada específica. Se for no pescoço ou no rosto, pode causar desconforto respiratório e, se for maior e afetar a palma da mão ou outras áreas sensíveis, ou crianças menores de um ano, é necessário levar o ferido a um pronto-socorro para ser avaliado.

Como reconhecer (e tratar) um golpe de calor

Os erros mais comuns quando surge esse problema são ingerir bebidas açucaradas e recorrer a uma ducha fria ou ficar sob o jato do ar condicionado na potência máxima. O correto é levar a pessoa para uma área com sombra e sem ar condicionado, porque pode provocar um choque térmico. É necessário tirar a roupa e colocar compressas frias de água sob as axilas, na testa, no pescoço e na virilha. Se a vítima está consciente e é capaz de beber, deve tomar pequenos goles de água ou uma bebida isotônica que podemos comprar ou preparar com água, sal, bicarbonato de sódio e um pouco de limão.

Também é importante medir a temperatura. Abaixo de 39ºC, falaríamos de insolação. Mais de 39°C, golpe de calor (ainda mais grave). Se atingir 42 ou 43 °C, o corpo já não é capaz de manter a termorregulação e a pessoa pode morrer. A prevenção é fundamental e não se limita ao uso de protetor solar: não se deve se expor durante as horas mais quentes, é preciso se proteger do sol com bonés, viseiras e creme, e, principalmente, se hidratar com muita frequência. É preciso ter em conta que as crianças e os idosos se desidratam mais facilmente e evitar praticar esportes nas horas mais quentes.

Barro em uma picada de mosquito? Melhor não

Depois do ataque de um mosquito, a tentação de aplicar barro ou recorrer a qualquer outro remédio caseiro é forte; qualquer coisa para se livrar do ardor que provoca. Mas isso deve ser evitado. O correto é limpar a área afetada com água e sabão, aplicar água fria ou gelo com um emplasto ou pano, sem que entre em contato direto com a pele. O frio reduz a inflamação e a coceira. Depois se trata a picada com algum produto indicado para tal e se monitora para verificar se ocorre apenas a reação local da picada ou se ela se espalha ao redor, pois as picadas podem causar urticária e isso é sinal de que a pessoa é alérgica.

Em caso de hemorragia nasal, não levante a cabeça

O pior ato reflexo que podemos ter quando nosso nariz sangra é jogar a cabeça para trás, já que corremos o risco de inalar sangue e obstruir as vias aéreas. Nessa situação é fundamental ter paciência; uma hemorragia precisa que o sangue coagule, algo que leva entre cinco e 10 minutos que, sim, se tornam eternos. Para deter o fluxo devemos comprimir a área que sangra e, se for o nariz, não colocar a cabeça para trás, mas sim para frente. Em seguida, faremos um pequeno tamponamento no orifício que sangra com uma gaze e um pouco de água oxigenada, deixando a ponta da gaze à vista para facilitar a remoção. Levantar da mão ou molhar a nuca são métodos sem evidência científica, mas não fazem mal.

Em pacientes que usam anticoagulantes como o Marevan, o sangramento durará muito mais tempo, razão pela qual, nesses casos, às vezes é melhor ir direto ao hospital para que receba vitamina K e comece o processo de coagulação até voltar aos níveis normais de sua medicação.

A indigestão não existe, mas incomoda

O principal erro que cometemos nessa situação é a falta de prevenção, e deriva, em grande parte, do fato de que a chamada indigestão é uma ameaça clássica em tardes de praia que poucas pessoas viram se tornar realidade. A indigestão não existe como tal, embora o processo ao qual a expressão se refere seja real.

A indigestão ocorre devido a uma mudança repentina de temperatura que faz com que o sangue se dirija bruscamente para o interior do organismo para mantê-lo aquecido. Quando isso acontece, pode haver um pequeno vômito ou até mesmo tontura devido à diminuição do fluido que chega ao cérebro. Se acontecer dentro d’água, o coração pode parar e ocorrer o temido afogamento, embora seja muito raro. A relação com a digestão está no fato de que é um processo que produz calor, por isso o mais adequado é esperar as famosas duas horas depois da refeição que as mães aconselhavam antes de tomar um banho, de entrar na água pouco a pouco e evitar refeições fartas.

Não subestime uma intoxicação alimentar

Recorrer a medicamentos antidiarreicos ou provocar o vômito não é uma ideia apropriada, a menos que seja indicado pelo Centro de Toxicologia ou por um profissional de saúde. Em todo caso, é importante não subestimar a gravidade, pois pode ser uma salmonelose que, dependendo da condição da pessoa, pode levar a uma situação grave. Tomar pequenos goles de bebidas isotônicas para evitar a desidratação e procurar atendimento médico é tudo o que precisa ser feito. Naturalmente, o mais importante é manter os alimentos perfeitamente refrigerados para evitar a proliferação de bactérias.

Arquivado Em: