Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Caminhar é o melhor remédio para evitar a dor nas costas

dor nas costas
O doutor Cravo, antes de entrar em quirófano.

90% da população sofrerão de problemas lombares em algum momento da vida. O doutor Clavel tem duas receitas para evitar isso. A preventiva: andar. A terapêutica: a substituição de um disco danificado por uma prótese operando a partir da barriga.

Pablo Clavel diz que via a questão com clareza desde o princípio. A degeneração do disco deveria ser atacada de forma diferente de como vinha sendo feita. Nada da intervir pelas costas. Mas de frente, com muita coragem e cautela, evidentemente, porque na “abordagem lombar anterior existem artérias e veias que devemos esquivar” para poder remover o disco cervical danificado e colocar um novo. “Mas era a coisa certa a fazer, era o que deveria ser feito, era preciso apostar”, ele diz.

90% da população sofrerá de problemas lombares em algum momento da vida

Neurocirurgião, especialista em coluna, o doutor Clavel, de 49 anos, sabia então que estava nadando contra a corrente. “Ninguém apostava”, continua ele, sentado em seu escritório no Instituto Clavel, dentro do centro médico de Quirón, em Barcelona (Espanha). “As cirurgias de hérnia de disco e outras lesões na coluna vertebral eram feitas pelas costas, onde você tem de abrir musculatura, destruir osso, remover articulações...”, diz essa eminência enquanto segura na mão a última porção de uma coluna vertebral e mostra passo a passo o que está dizendo. Mas a lista de contraindicações não termina aí: “Um nervo pode ser lesionado. E o que acontece se depois de tudo isso, ademais, não se consegue chegar ao disco para poder restaurá-lo ou substituí-lo?”.

Era preciso inovar. E como quase sempre acontece quando se inova, o processo leva um tempo para se materializar. “No início do ano 2000 começamos a fazer abordagens lombares anteriores [esse é o termo médico da intervenção, que basicamente se traduz em operar pela barriga]. Mas descobrimos que as cirurgias eram longas, difíceis, e os implantes não eram bons”, afirma. O vento favorável soprou em 2009, quando os chamados implantes de terceira geração foram fabricados. “Foi quando ficou claro para mim que essa técnica tinha que funcionar”.

Clavel resume isso com uma comparação perfeita para os amantes do automobilismo e da velocidade. “Finalmente tínhamos um bom piloto e um bom carro.” Esse médico nascido em Sevilha, mas formado nos Estados Unidos, aonde chegou com meio ano, reconhece que consultou o pai, também neurocirurgião, sobre o salto que daria no vazio. “Não duvide, filho”, incentivou-o. “Vá em frente. É o que deve ser feito” (está última frase foi dita em inglês).

Material cirúrgico para realizar a técnica da abordagem lombar anterior para substituir por uma prótese um disco degenerado ou danificado (abaixo)
Material cirúrgico para realizar a técnica da abordagem lombar anterior para substituir por uma prótese um disco degenerado ou danificado (abaixo)

Com coragem – e a bênção paterna –, Clavel e sua equipe se dedicaram ao treinamento de maneira intensiva em um centro médico em Berlim que realizava esse tipo de intervenção. “Ficou claro para nós: não se discutia a abordagem cervical anterior, mas sim a abordagem lombar, e a única razão era pela complexidade técnica.” Foram examinados durante meses, com avaliações, para superar essas “complexidades” e hoje a equipe do doutor Clavel é líder na Espanha, na Europa e no mundo. Em 2017, realizaram 250 abordagens lombares anteriores. “Nosso centro é um dos que mais realiza intervenções no mundo, talvez o que mais, competindo muito de perto com o da Alemanha.”

Uma prótese de disco vertebral
Uma prótese de disco vertebral

A peça que esse neurocirurgião, casado e pai de três filhos pequenos, tem na mão poderia parecer um molde de gengivas, uma simples dentadura, mas sem incisivos, caninos, molares, pré-molares... E, no entanto, é uma prótese que muda a vida da pessoa na qual é implantada. O preço? Cerca de 4.000 euros (16.900 reais). O país de fabricação? Estados Unidos. Quando o doutor Clavel é perguntado se a tecnologia em problemas de coluna avança tão rápido quanto a Apple muda o modelo do iPhone a cada ano, ele sorri e responde com um explícito “não”. As técnicas cirúrgicas melhoraram muito e hoje Clavel opera em menos de uma hora, mas os implantes não mudam tão rapidamente “porque cada vez que uma alteração é introduzida existe um sistema de regulamentação muito estrito que leva anos para dar a luz verde ao novo modelo”. Isso na Europa. Nos Estados Unidos, a aprovação das autoridades de saúde pode ser eternizada ao infinito.

O doutor Clavel tem muitos pacientes estrangeiros, de russos – uma língua que os membros de sua equipe se empenham a fundo, com uma hora de aula todas as sextas-feiras “sempre que a agenda nos permite” – até latino-americanos, passando por norte-americanos. E nesse ponto há um paradoxo. “Há pessoas doentes que moram na Califórnia, a menos de uma hora de Silicon Valley, onde as próteses são fabricadas, e elas têm de voar a Barcelona porque o Governo federal dos EUA ainda não aprovou uma prótese que seu próprio país fabrica.”

Clavel durante uma cirurgia
Clavel durante uma cirurgia

No auge da carreira, referência para pacientes com discopatia degenerativa nos discos lombares, Clavel não se gaba de títulos ou méritos. Nenhum deles está pendurado nas paredes do seu escritório minimalista. O lugar é inclusive frio e impessoal. Tampouco está cheio de livros. De fato, são muito poucos. A prótese da vértebra lombar e o modelo de coluna com o qual educa os pacientes – ou, neste caso, jornalistas e fotógrafos – é a única coisa que existe sobre sua mesa, assim como um computador de última geração.

Com as 24 horas exatas que tem a cada dia, o bom doutor está há alguns anos fazendo um autêntico tetris de viagens e dividindo o tempo consagrado à família e à profissão para dedicar momentos a sua outra grande paixão: a fundação que leva seu nome e que tem como lema uma frase de Nelson Mandela: “Tudo parece impossível até que seja feito”.

E nisso ele está envolvido. Em tornar possível o impossível. Em Adama, na Etiópia. Em oferecer cuidados médicos básicos para a população oromo, que totaliza cerca de 40 milhões de pessoas (o país tem mais de 100 milhões de habitantes), com uma equipe de medicina geral no terreno formada por pouco mais de um dez médicos espanhóis. “Treinamos o pessoal etíope porque queremos que sejam corresponsáveis, caso contrário nosso trabalho será pontual e não deixará um legado no tempo”, explica. Um anestesista, um cirurgião, algumas enfermeiras etíopes, além da equipe Clavel, para 40 milhões de pessoas. O que dizia Mandela?: “Tornar possível o impossível”.

Clavel mostra a porção inferior da coluna, onde é feita a substituição do disco
Clavel mostra a porção inferior da coluna, onde é feita a substituição do disco

O rei da coluna vertebral com a terapia de substituição de disco (ADR na sigla em inglês) fica com os olhos brilhando quando fala sobre a fundação. “É um projeto muito bonito”, diz ele, humilde, quase tímido. “Me emociona o entusiasmo dos voluntários pelos projetos.”

Esse entusiasmo é transmitido na forma de otimismo sobre o futuro da nossa saúde, das nossas costas. Porque a manchete trazida pelo doutor Clavel é devastadora: 90% da população sofrerá de dores nas costas em algum momento de sua vida, de acordo com dados da Rede Espanhola de Pesquisadores em Dores nas Costas (REIDE). “Sou um cirurgião pouco comum, estranho, me interessa muito a prevenção e a saúde pública, e acho que vivemos em uma época de grande confusão, existem tantos métodos de recuperação das costas e de prevenção que parece que tropeçamos neles: tem o pilates, a yoga...”

O que há de errado comigo, doutor? Por que minhas costas doem? A resposta incomoda pela simplicidade: “Porque somos preguiçosos”

Então, “o que há de errado comigo, doutor? Por que minhas costas doem?”, pergunto. De tão básica, a resposta parece cientificamente descartável. Nossas costas doem porque somos preguiçosos. A resposta dói. Quase tanto quanto o tormento lombar, estatisticamente a primeira causa de incapacidade. “Mas vamos matizar”, se apressa em esclarecer o médico. “Para saber por que as costas de alguém doem, você tem de conhecer seus hábitos, sua idade, se trabalha sentado, se está estressado, se come bem, se dorme o suficiente, se pratica esporte.”

Em si mesma, a explicação de Clavel produz estresse. Quem tem tempo em sua agenda lotada para terminar o dia fazendo esportes? “Tudo isso vai mudar, já está mudando, cada vez vivemos mais anos e queremos vivê-los bem, saudáveis”, expõe.

Ao terminar a jornada de trabalho, devemos deixar a tecnologia de lado e retornar “ao bosque”, relata quase ensimesmado. Tanto quanto possível, voltar para a natureza. Caminhar já basta. Ou seja: “A melhor coisa que podemos fazer para salvar nossas costas é caminhar”. Isso é algo que não parece ser tão impossível.

O doutor Clavel, a caminho da sala de operações do centro médico de Quirón, em Barcelona
O doutor Clavel, a caminho da sala de operações do centro médico de Quirón, em Barcelona

MAIS INFORMAÇÕES