saúde

Se você quiser, é possível eliminar a dor nas costas

Esses incômodos são o preço a pagar por sermos bípedes. Veja cinco formas de diminuir as dores lombares

Toca o despertador, reunião importante no escritório, você se espreguiça entre os lençóis, de um lado, do outro e... Para cima? Que desastre, não dá para ficar de pé: as dores lombares atacam de novo. “Amor, você pode trazer o café na cama?”. Vamos ver o que posso falar para o chefe...

A dor nas costas não é uma maldição, mas é o preço que devemos pagar por termos ficado em pé: se tivéssemos continuado caminhando “em quatro patas”, ela não existiria. A passagem para bípedes, esse salto evolutivo que tantas vantagens nos proporcionou como espécie, também fez com que todo o peso da cervical, crânio, tórax e braços recaíssem sobre nossa região lombar. E aí estamos nós, com as costas em estado lastimável.

Mas não podemos culpar unicamente a evolução: embora a postura ereta nos coloque essa predisposição, cada um é responsável pela “manutenção” da coluna e dos músculos que a sustentam. Estima-se que entre 80% e 90% das pessoas sentirão dores nas costas em algum momento da sua vida. A imensa maioria delas sentirá um tipo de dor comum, ocasionada por falta de exercício, posturas incorretas, pouca formação muscular, envelhecimento...

O exercício físico – ou, melhor, sua ausência –, costuma estar por trás dos problemas das dores lombares. “Se sentimos dor nas costas é porque não aplicamos o tratamento adequado. Mas se a dor vai e vem, é porque somos folgados e não fazemos a atividade física necessária e que, se realizada de maneira regular, diminui o risco de padecer de lombalgia”, assegura o doutor Francisco Kovacs, diretor da Rede Espanhola de Investigadores de Dores nas Costas, cuja frase favorita é “não há desculpas para folgados”.

Mais informações

A partir de sua experiência, o doutor Kovacs aponta também que “convém conhecer as normas de higiene postural, mas isso não diminui o fato de que, em todos os casos, é realmente importante manter-se fisicamente ativo e fazer o exercício necessário para ter, o máximo que for possível, uma musculatura potente, resistente, coordenada e treinada”.

Evite as seguintes condutas para aliviar a dor nas costas:

1. Repousar. A não ser em momentos de dor aguda, o repouso – ainda mais se for na cama – deve ser banido, porque prolonga desnecessariamente a duração da dor e facilita sua volta mais tarde.

2. Virar as costas ao esporte. É preciso procurar manter o maior grau de atividade que a dor permita, porque o movimento melhora a irrigação da musculatura e os tecidos da coluna, o que acelera o tempo de recuperação.

3. Deixar a bicicleta em casa. Um erro habitual é pensar que a dor nas costas vai desaparecer ao caminhar, e não é verdade. Para fortalecer a musculatura da coluna, a bicicleta estática e a natação são bem melhores.

4. Tomar relaxantes musculares. Segundo os testes disponíveis, os anti-inflamatórios e os analgésicos são mais eficazes.

5. Dormir em um colchão muito duro... Ou muito mole. Ao contrário da crença popular, não é verdade que o colchão muito duro é aconselhável para a dor nas costas. Um colchão de firmeza média melhora a intensidade e o grau de incapacidade física. Deve ser também firme e reto, mas suficientemente macio para se adaptar às curvas da coluna. Um colchão muito macio está contraindicado, pois nele a coluna flutua sem contenção.

A higiene postural e a ergonomia ensinam a fazer todo tipo de atividades do modo mais seguro e leve para as costas. Sites como o espalda.org (em espanhol) explicam algumas normas aplicáveis ao trabalho, às atividades domésticas e aos diferentes tipos de esportes.