Fundar uma república para complementar a aposentadoria

Dividir moradia em Madri já não é só para jovens, indicam os ‘big data’ do aplicativo Badi. 7,5% dos usuários que ofertam moradia têm entre 51 e 65 anos

Da esquerda para direita, Visitación Gracia, Reynaldo Homen e Liseth Quintero, colegas de apartamento no bairro de Prosperidad, Madri.
Da esquerda para direita, Visitación Gracia, Reynaldo Homen e Liseth Quintero, colegas de apartamento no bairro de Prosperidad, Madri.INMA FLORES

MAIS INFORMAÇÕES

Aos seus 71 anos, Visitación Gracia, Visi, acaba de estrear a divisão de apartamento com desconhecidos. Mora há dois meses em seu apartamento do bairro madrilenho de Prosperidad com dois jovens venezuelanos que conheceu no Badi, um aplicativo de celular que funciona como um “Tinder dos colegas de apartamento”.

Visi conta que o faz por necessidade. Tem uma boa aposentadoria, mas dá dinheiro a um de seus filhos. “Que aposentado não tem um familiar que precisa ajudar?”, diz Visi, que acha que dividir moradia é um sinal dos tempos atuais.

A popularidade do Badi entre os idosos pegou de surpresa os criadores do aplicativo. Quando foi lançado em 2015 tinham em mente o mercado millennial de jovens estudantes e com baixos salários. Esse é o público exibido em seus anúncios do metrô e ônibus de Madri e Barcelona, mas em sua última campanha publicitária já aparecem pessoas de todas as idades. “Alguns dizem que não têm idade para isso e outros continuam sempre atualizados”, diz o último anúncio televisivo da empresa. Uma senhora de idade põe a língua para fora em uma selfie com um jovem nas imagens da propaganda.

Anúncios de quartos em Madri no app Badi.
Anúncios de quartos em Madri no app Badi.BADI

Ao contrário de outras páginas para dividir moradia, o Badi sabe a idade dos usuários porque ela deve ser informada ao se registrar. Por isso o aplicativo com mais de 1,5 milhão de usuários registrados na Europa é um termômetro que indica que essa forma de vida já não é só coisa de jovens. Seu big data mostra que 7,5% de sua oferta em Madri e Barcelona vêm de apartamentos de pessoas de 51 a 65 anos.

“Pensávamos que 100% do público seria jovem, mas claramente não foi assim”, diz Ignasi Giralt, o diretor geral do Badi na Espanha. “Cada vez há mais público com mais de 35 anos”. A média de idade dos que oferecem quartos é de 33 anos e a dos solicitantes, de 30. Em Madri e Barcelona, 21% dos usuários têm de 35 a 45 anos.

Aluguéis nas nuvens

Giralt explica que parte da popularidade do Badi se deve ao aumento dos preços do aluguel nas cidades que tornam impossível para muitos alugar sozinhos e comprar uma moradia. O aluguel médio aumentou 319 euros (1.345 reais) em quatro anos em Madri, mas os salários quase não cresceram.

O responsável pelo Badi também acha que o fenômeno se explica porque a vida moderna exige flexibilidade e foram superados preconceitos sobre essa alternativa. Há uma mudança profunda apontada por Giralt que parece ainda mais poderosa: a população urbana não para de crescer. Hoje 55% da população mundial vive em cidades e em 2050 a ONU prevê que chegue a 68%. Dessa maneira, dividir apartamento será cada vez mais a única opção para muitos.

Os idosos são movidos por motivos econômicos e a necessidade de companhia. Visi, que teve uma vida confortável como executiva de uma farmacêutica, diz que suas amigas a veem com estranheza. Na Espanha dividir moradia continua sendo visto como algo “de necessitados”, diz ela. Tem uma parede da sala de casa cheia de fotografias familiares, de esquiadora na neve, casamento e outras comemorações.

Para seus colegas de apartamento venezuelanos não havia muitas alternativas a dividir moradia. São dois médicos que chegaram há nove meses na Espanha que não podem exercer sua profissão porque o processo de homologação de diplomas estrangeiros é lento. Algo que chamou sua atenção foi que na Espanha se ganha pouco em relação ao alto custo de vida. “Um terço de seu salário vai para o aluguel do apartamento. É uma loucura”, diz Liseth Quintero, de 24 anos. Ela e seu esposo Reynaldo Homen, de 25, pagam 600 euros (2.500 reais) a Visi por um quarto.

Eles conheceram o Badi por outros amigos de seu país que se instalaram na Espanha. A jovem que tomava conta da tia de Visi ajudou-a a instalar o aplicativo, “uma especialista em mexer no celular”. Conta que recebeu muitos pedidos até que encontrou Liseth e Reynaldo.

“Visi” teve a ajuda da jovem que tomava conta de sua tia para baixar o aplicativo, “uma especialista em mexer no celular”.
“Visi” teve a ajuda da jovem que tomava conta de sua tia para baixar o aplicativo, “uma especialista em mexer no celular”.BADI

“Eu me apaixonei por eles”, diz ela, agradecida pelo aplicativo que comparam com o Tinder, o famoso aplicativo de encontro. O nome do Badi vem da palavra buddy, amigo em inglês.

"Viver dignamente"

Em Madri, onde moram 1,2 milhão de maiores de 65 anos (18% da população), estão surgindo novas alternativas econômicas para que os idosos dividam apartamento. Uma opção nova é o programa Lar e Café da Fundação Pilares, destinado a idosos com recursos limitados.

O programa, financiado pela Comunidade de Madri, surgiu nesse ano após um estudo da citada fundação, que detectou a dificuldade dos idosos mais pobres para encontrar moradia. Na região, a aposentadoria média era em 2017 de 1.263 euros (5.320 reais) e de viuvez, 737 euros (3.100 reais), de acordo com o Instituto Nacional de Estatística. O preço médio de um aluguel na região é 1.124 euros (4.740 reais), segundo o Idealista, para uma casa de 76 metros quadrados, o tamanho médio das anunciadas no portal.

A ideia da Fundação Pilares é que os colegas de apartamento sejam da mesma geração. Por enquanto o programa está na fase de entrevistas e é anunciado em centros para idosos em Madri. “Dividir apartamento é a opção que resta a muitos idosos que querem continuar vivendo dignamente”, diz Conchi García, coordenadora da iniciativa.

A solidão é outro dos problemas identificados pela Fundação Pilares. No estudo prévio ao programa os entrevistados também se queixavam da falta de apoio comunitário. “Antes se vivia muito com os vizinhos. Agora quase não conhecemos os vizinhos”, se queixa uma madrilenha em um depoimento anônimo feito para o relatório.

Vários dos interessados nesse programa são aposentados que têm dificuldade em pagar um aluguel com sua aposentadoria. É o caso de Consuelo Vicente, de 64 anos, que mora em Malasaña e que “como todo mundo” nesse bairro central de Madri sofreu com o grande aumento do aluguel. “Como as aposentadorias não são muito altas é bom unir os recursos e, além disso, você tem companhia”, diz a mulher, que está esperando que o programa lhe indique possíveis colegas de apartamento.

Para muitos, dividir apartamento com estranhos será uma novidade. Visi, a usuária do Badi, vê como uma aventura. “Quem diria?”, diz sorridente. “As voltas que a vida dá!”.

A missão impossível de alugar “barato”

EL PAÍS / EP

Basta uma procura online para constatar como é complicado conseguir um aluguel dos mais baixos. Na segunda-feira, de 13.595 moradias para alugar de pelo menos 40 metros quadrados nos 21 distritos de Madri, somente 29 (0,21%) custavam menos de 600 euros (2.500 reais).

O aluguel na cidade segue em alta, ainda que mais lentamente. O preço médio do metro quadrado de moradia em aluguel subiu entre abril e junho 1,9% em Madri, em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com o Idealista. Entre as Comunidades mais caras para alugar estão Madri e Catalunha, com preço médio por metro quadrado de 14,8 euros (62 reais) e de 14,3 euros (60 reais), respectivamente.

No caso de Madri, a demanda de moradia também vai a outros municípios da região. As empresas que medem preço de venda e aluguel constataram aumentos notáveis em municípios onde as rendas são elevadas como Boadilla e Majadahonda, mas também nos do sul, como Getafe e Aranjuez. Na capital, bairros como Villa de Vallecas, Usera e Villaverde experimentam aumentos de dois dígitos em relação ao último ano, de acordo com as sociedades de avaliação e portais imobiliários.

Arquivado Em: