Seleccione Edição
Login
Canções de ninar contra o Alzheimer

Canções de ninar contra o Alzheimer

21 fotos

Um passeio pela residência privada Los Llanos Vital, em Alpedrete (Madri), que trabalha com bonecos para tratar de uma dúzia de pessoas com demência

  • Salvador Castilla tem uma boneca em um dos quartos da residência Los Llanos Vital, em Alpedrete (Comunidade de Madri). Neste centro privado, uma dúzia de pacientes de Alzheimer e outras demências participam de uma terapia com bonecos. É um tratamento não farmacológico que ajuda a reduzir a agitação ou melhorar a comunicação e as relações pessoais.
    1Salvador Castilla tem uma boneca em um dos quartos da residência Los Llanos Vital, em Alpedrete (Comunidade de Madri). Neste centro privado, uma dúzia de pacientes de Alzheimer e outras demências participam de uma terapia com bonecos. É um tratamento não farmacológico que ajuda a reduzir a agitação ou melhorar a comunicação e as relações pessoais.
  • Esther Alonso segura nos braços um dos bonecos. A terapeuta ocupacional comanda esta terapia desde janeiro. Os bonecos devem parecer bebês, embora não possam ser hiper-realistas. O corpo deve ser macio e o ideal é que meça de 30 a 55 centímetros. A terapeuta nunca especifica se são bonecos ou bebês, respeita a percepção que tenham os residentes.
    2Esther Alonso segura nos braços um dos bonecos. A terapeuta ocupacional comanda esta terapia desde janeiro. Os bonecos devem parecer bebês, embora não possam ser hiper-realistas. O corpo deve ser macio e o ideal é que meça de 30 a 55 centímetros. A terapeuta nunca especifica se são bonecos ou bebês, respeita a percepção que tenham os residentes.
  • Vicente Pérez coloca a chupeta em uma boneca. Este homem de 90 anos, que nunca foi muito de crianças quando era jovem, reduziu seu estado de agitação desde que começou a participar da terapia. A técnica, com maior implantação nos países anglo-saxônicos, chegou à Espanha. O Centro Estadual de Referência para Tratamento de Pessoas com Alzheimer e Outras Demências vem aplicando essa terapia há alguns anos. Agora está preparando um estudo piloto para demonstrar sua evidência científica.
    3Vicente Pérez coloca a chupeta em uma boneca. Este homem de 90 anos, que nunca foi muito de crianças quando era jovem, reduziu seu estado de agitação desde que começou a participar da terapia. A técnica, com maior implantação nos países anglo-saxônicos, chegou à Espanha. O Centro Estadual de Referência para Tratamento de Pessoas com Alzheimer e Outras Demências vem aplicando essa terapia há alguns anos. Agora está preparando um estudo piloto para demonstrar sua evidência científica.
  • Vicente Pérez sorri para uma das bonecas. Ele mora nesta residência há quase dois anos. A terapeuta ocupacional, Ana Sanz, explica que seus filhos se emocionam ao vê-lo cantar canções de ninar para o que ele acredita ser um bebê. "Quando ele está mais isolado ou desanimado, assim que vê um dos bonecos, ele não para de sorrir, falando com ele, cantando para ele", diz Elvira, um de seus sete filhos.
    4Vicente Pérez sorri para uma das bonecas. Ele mora nesta residência há quase dois anos. A terapeuta ocupacional, Ana Sanz, explica que seus filhos se emocionam ao vê-lo cantar canções de ninar para o que ele acredita ser um bebê. "Quando ele está mais isolado ou desanimado, assim que vê um dos bonecos, ele não para de sorrir, falando com ele, cantando para ele", diz Elvira, um de seus sete filhos.
  • Nas prateleiras estão roupas dobradas, fraldas empilhadas, várias cadeiras nas quais esses 'bebês' de plástico descansam. Eles são lavados e vestidos pelos próprios moradores. "Melhora a comunicação", explica a diretora do centro, Esther García. Na imagem, a terapeuta ocupacional Ana Sanz, junto com Mari Fe Lorente, que mora no centro desde 2018.
    5Nas prateleiras estão roupas dobradas, fraldas empilhadas, várias cadeiras nas quais esses 'bebês' de plástico descansam. Eles são lavados e vestidos pelos próprios moradores. "Melhora a comunicação", explica a diretora do centro, Esther García. Na imagem, a terapeuta ocupacional Ana Sanz, junto com Mari Fe Lorente, que mora no centro desde 2018.
  • Um dos bonecos repousa sobre Esther Alonso, que está sentada em uma das poltronas da sala de estar da residência. A equipe do centro diz que a veem nervosa, indo de um lado para outro, como se estivesse procurando alguma coisa, e quando lhe dão uma boneca ela se acalma.
    6Um dos bonecos repousa sobre Esther Alonso, que está sentada em uma das poltronas da sala de estar da residência. A equipe do centro diz que a veem nervosa, indo de um lado para outro, como se estivesse procurando alguma coisa, e quando lhe dão uma boneca ela se acalma.
  • Mari Fe Lorente dá um beijo em uma das bonecas. Ao lado dela, a terapeuta ocupacional, Ana Sanz. Todo o pessoal do centro é treinado, dos assistentes ao pessoal da cozinha. Eles devem tratar os bonecos como bebês, porque quem participa da terapia acredita que eles o são.
    7Mari Fe Lorente dá um beijo em uma das bonecas. Ao lado dela, a terapeuta ocupacional, Ana Sanz. Todo o pessoal do centro é treinado, dos assistentes ao pessoal da cozinha. Eles devem tratar os bonecos como bebês, porque quem participa da terapia acredita que eles o são.
  • Na imagem, o banheiro geriátrico no centro. Ao lado de um dos moradores, uma boneca. É uma forma de encorajar aqueles que moram no centro a participar de atividades como tomar banho, passear ou comer.
    8Na imagem, o banheiro geriátrico no centro. Ao lado de um dos moradores, uma boneca. É uma forma de encorajar aqueles que moram no centro a participar de atividades como tomar banho, passear ou comer.
  • "Os bonecos nos ajudam a incentivá-los a participar de certas atividades, mas nunca como chantagem, mas como estímulo", explica Ana Sanz, terapeuta ocupacional. Na imagem, uma trabalhadora do centro mostra uma boneca a uma das residentes, que está deitada no banheiro geriátrico do centro.
    9"Os bonecos nos ajudam a incentivá-los a participar de certas atividades, mas nunca como chantagem, mas como estímulo", explica Ana Sanz, terapeuta ocupacional. Na imagem, uma trabalhadora do centro mostra uma boneca a uma das residentes, que está deitada no banheiro geriátrico do centro.
  • Imagem da sala de terapia ocupacional do centro. Ana Sanz dirige uma das sessões. Vários homens idosos contemplam as bonecas. Da esquerda para a direita, Mari Fe Lorente, Vicente Pérez e Salvador Castilla. Existem três daqueles que participam desta terapia. Todos os três estão em estágio moderado no avanço da doença.
    10Imagem da sala de terapia ocupacional do centro. Ana Sanz dirige uma das sessões. Vários homens idosos contemplam as bonecas. Da esquerda para a direita, Mari Fe Lorente, Vicente Pérez e Salvador Castilla. Existem três daqueles que participam desta terapia. Todos os três estão em estágio moderado no avanço da doença.
  • Rosario Vega lava uma das bonecas. São os próprios moradores que os vestem e os mantêm limpos. Ela não tem Alzheimer, ela sabe que não está lidando com um bebê. Ana Sanz, a terapeuta ocupacional, explica que ela limpa com cuidado.
    11Rosario Vega lava uma das bonecas. São os próprios moradores que os vestem e os mantêm limpos. Ela não tem Alzheimer, ela sabe que não está lidando com um bebê. Ana Sanz, a terapeuta ocupacional, explica que ela limpa com cuidado.
  • Rosario Vega penteia um dos bonecos, depois de lavá-lo. "É assim que trabalhamos com o esquema corporal, a postura que ele usa ao limpá-la", diz Ana Sanz, a terapeuta ocupacional. Na terapia, não apenas os pacientes que são tratados estão envolvidos, mas também outros residentes. "Uma atmosfera especial é criada em torno dos bonecos", diz Sanz.
    12Rosario Vega penteia um dos bonecos, depois de lavá-lo. "É assim que trabalhamos com o esquema corporal, a postura que ele usa ao limpá-la", diz Ana Sanz, a terapeuta ocupacional. Na terapia, não apenas os pacientes que são tratados estão envolvidos, mas também outros residentes. "Uma atmosfera especial é criada em torno dos bonecos", diz Sanz.
  • Ana Sanz mostra uma das bonecas para Salvador Castilla. A assistente social do centro está com eles. No fundo, Vicente Pérez contempla uma boneca. Os membros da família devem autorizar a terapia. Os filhos de Vincent fizeram isso sem hesitação. "Tudo o que nos ajuda é bom", explica a filha Elvira.
    13Ana Sanz mostra uma das bonecas para Salvador Castilla. A assistente social do centro está com eles. No fundo, Vicente Pérez contempla uma boneca. Os membros da família devem autorizar a terapia. Os filhos de Vincent fizeram isso sem hesitação. "Tudo o que nos ajuda é bom", explica a filha Elvira.
  • Na imagem, um dos moradores alimenta uma boneca. Os auxiliares incentivam-nos a ajudar a alimentá-los. Dessa forma, eles os motivam a comer também. Alguns parentes se recusam a autorizar a terapia porque acham que os pacientes estão sendo infantilizados ou trapaceados. "Não é sobre isso", defendem o terapeuta ocupacional e o diretor do centro, "mas o elo que é gerado".
    14Na imagem, um dos moradores alimenta uma boneca. Os auxiliares incentivam-nos a ajudar a alimentá-los. Dessa forma, eles os motivam a comer também. Alguns parentes se recusam a autorizar a terapia porque acham que os pacientes estão sendo infantilizados ou trapaceados. "Não é sobre isso", defendem o terapeuta ocupacional e o diretor do centro, "mas o elo que é gerado".
  • Na imagem, Sofía de las Heras conduz um dos bonecos no pátio da residência. "Às vezes é uma atividade preguiçosa, mas quando envolvemos os bonecos na atividade, geralmente é incentivada, ela não sofre de nenhuma demência, mas nos ajuda a trocar as roupas de inverno pelas de verão, por exemplo", diz Ana Sanz, a terapeuta ocupacional.
    15Na imagem, Sofía de las Heras conduz um dos bonecos no pátio da residência. "Às vezes é uma atividade preguiçosa, mas quando envolvemos os bonecos na atividade, geralmente é incentivada, ela não sofre de nenhuma demência, mas nos ajuda a trocar as roupas de inverno pelas de verão, por exemplo", diz Ana Sanz, a terapeuta ocupacional.
  • A terapia é baseada na teoria do apego. Pessoas com Alzheimer e outras demências perdem as referências, como seus pais ou filhos. Os especialistas dizem que nesse tratamento os moradores encontram essas referências no mundo das bonecas. Na imagem, Concepción Zamora.
    16A terapia é baseada na teoria do apego. Pessoas com Alzheimer e outras demências perdem as referências, como seus pais ou filhos. Os especialistas dizem que nesse tratamento os moradores encontram essas referências no mundo das bonecas. Na imagem, Concepción Zamora.
  • Carmen Baena segura os pés de uma das bonecas. Eles têm um corpo macio, para que sejam reconfortantes, e as extremidades rígidas. A terapeuta ocupacional diz que costumam abraçá-los e beijá-los. "Expressam suas emoções com eles", diz.
    17Carmen Baena segura os pés de uma das bonecas. Eles têm um corpo macio, para que sejam reconfortantes, e as extremidades rígidas. A terapeuta ocupacional diz que costumam abraçá-los e beijá-los. "Expressam suas emoções com eles", diz.
  • Carmen Baena abraça uma das bonecas. Essa técnica tem mais implementação nos países anglo-saxões. No Centro de Referência Estadual para o Cuidado de Pessoas com Alzheimer e outras Demências, explicam que mais e mais centros estão em contato com eles. Agora eles querem provar sua evidência científica: já existem estudos em outros países, mas eles dizem que na Espanha, não.
    18Carmen Baena abraça uma das bonecas. Essa técnica tem mais implementação nos países anglo-saxões. No Centro de Referência Estadual para o Cuidado de Pessoas com Alzheimer e outras Demências, explicam que mais e mais centros estão em contato com eles. Agora eles querem provar sua evidência científica: já existem estudos em outros países, mas eles dizem que na Espanha, não.
  • Carmen Baena veste uma das bonecas. Em seguida, uma fralda. No centro eles têm vários, que descansam nas prateleiras ao lado das roupas. "Temos uma supervisão constante dos moradores que participam da terapia e de sua evolução, vemos se esse tratamento é bom ou se outros moradores provavelmente se juntarão a ele", explica a diretora do centro, Esther García.
    19Carmen Baena veste uma das bonecas. Em seguida, uma fralda. No centro eles têm vários, que descansam nas prateleiras ao lado das roupas. "Temos uma supervisão constante dos moradores que participam da terapia e de sua evolução, vemos se esse tratamento é bom ou se outros moradores provavelmente se juntarão a ele", explica a diretora do centro, Esther García.
  • Mari Fe Lorente olha para uma das bonecas, deitada em um dos quartos. Ela participa da terapia. Em Los Llanos Vital há uma residência e um centro de dia. Aproximadamente metade dos idosos que são atendidos sofrem de alguma demência.
    20Mari Fe Lorente olha para uma das bonecas, deitada em um dos quartos. Ela participa da terapia. Em Los Llanos Vital há uma residência e um centro de dia. Aproximadamente metade dos idosos que são atendidos sofrem de alguma demência.
  • Mari Fe Lorente abraça uma das bonecas, deitada em uma cama. Para ela, a terapia é especialmente relevante na hora de dormir, sempre lhe dão uma boneca, diz o pessoal do centro.
    21Mari Fe Lorente abraça uma das bonecas, deitada em uma cama. Para ela, a terapia é especialmente relevante na hora de dormir, sempre lhe dão uma boneca, diz o pessoal do centro.