Seleccione Edição
Login

Douglas Garcia: “Na direita existem mais gays do que na esquerda”

Deputado gay autor de frase transfóbica na Assembleia de São Paulo, defende Bolsonaro e acesso a armas para a população

O deputado estadual Douglas Garcia
O deputado estadual Douglas Garcia

O deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP), 25, é um homem que convive com contradições. Assumiu-se gay no início de abril, faz declarações transfóbicas e apoia Jair Bolsonaro, um presidente conhecido por suas declarações homofóbicas que, no entanto, não o impediram de receber votos do público LGBT. Ele é a favor de privatizações e cortes no orçamento estadual, mas é egresso do Projeto Guri, que quase foi fechado pelo goverrnador João Doria (PSDB). Nascido na comunidade conhecida como Buraco do Sapo, em Americanópolis, zona sul de São Paulo, Garcia coleciona polêmicas mesmo antes de ser eleito em 2018 com 74.351 votos. Em fevereiro daquele ano o jovem militante do movimento Direita São Paulo, considerado mais conservador do que o Movimento Brasil Livre, tentou colocar seu bloco na rua durante o Carnaval. Criador do Porão do DOPS, o jovem quis homenagear no desfile um dos mais notórios centros de tortura da época da ditadura. A Justiça não deixou. “Nossa ideia era contrapor nosso bloco ao bloco Soviético, que homenageava um regime que matou milhões de pessoas”, diz. O deputado recebeu o EL PAÍS em seu gabinete.

Pergunta. Você teve um comportamento transfóbico na Assembleia, ofendendo indiretamente a deputada trans Erica Malunguinho, do PSOL.  Você se arrepende disso?

Resposta. Eu pedi desculpas pela forma, mas jamais vou me desculpar pela ideia. Continuo achando que transexuais e travestis não podem utilizar banheiro feminino. Talvez a forma tenha sido muito excessiva, por isso tive a humildade de pedir desculpas. Me dou bem com os parlamentares da Casa, mesmo que eles sejam de posicionamento extremamente diferente do meu. Mas minha ideia continua a mesma.

P. Porque decidiu se assumir gay?

R. Depois da discussão com a Malunguinho, um portal disse que eu ameacei tirar ela a tapas do banheiro da Alesp. Não citei nem ela nem o banheiro da Alesp. Foi uma hipérbole. Aí essa informação mentirosa chegou para alguém que já se relacionou comigo, e alguns rapazes vieram à minha pagina e ameaçaram levar minha condição de homossexual a público. Eu nunca tive problema com minha sexualidade, mas, se for para levar a público, não quero minha intimidade sendo revelada por terceiros.

P. Como vê o posicionamento de Bolsonaro com relação a gays? Ele já disse preferir que um filho morresse do que se declarasse gay.

R. O Bolsonaro é um militar. Como esperam que um homem com 64 anos, que viveu mais da metade da vida no Exército, um ambiente viril, venha falar sobre sexualidade com total conforto?

P. Mas existe um abismo entre “total conforto” e a opinião dele, não?

R. Eu votei no Bolsonaro e apoio a política dele porque eu quero um presidente, não um namorado. Ele já veio a público várias vezes dizer que o único problema dele é o material que é distribuído nas escolas. Essa fala que você mencionou é de um vídeo antigo. Entre votar em Bolsonaro - que defende Escola sem Partido, posse e porte de arma de fogo, é contra ideologia de gênero e aborto, e votar no Fernando Haddad, claro que sou Bolsonaro. Não me incomodo com o pensamento dele com relação aos gays porque quero que ele faça uma política para o brasileiro em geral. Ele não está preocupado com relação à sexualidade das pessoas, e sim com a reforma da Previdência.

Garcia em seu gabinete na Alesp.
Garcia em seu gabinete na Alesp.

P. Como enxerga a situação do gay no Brasil?

R. Como algo normal. Os heterossexuais e os gays vivem normalmente no Brasil. "Ah, o Brasil é um país homofóbico". Apenas em 8% dos crimes de homicídio são identificadas as motivações. Então como conseguem dizer que as mortes de LGTBs são por homofobia? A matemática não fecha. Existem homofóbicos no Brasil? Existem. Mas não é por isso que o Brasil é um país homofóbico. O mesmo com relação aos racistas. Não é porque temos brasileiros racistas que o país é racista. A condição do gay é igual à dos heterossexuais.

P. Mas muitos LGBTs são vítimas de violência aqui, somos um dos países que mais matam LGBTs no mundo...

R. A violência no Brasil é democrática. Existem gays vítimas de homofobia? Sim. Mas esses casos não podem ser a regra, são a exceção. Não se pode querer dar uma proteção a mais para um grupo quando toda a população precisa de socorro. A violência aqui alcança negros, brancos, héteros, gays, homens, mulheres...

P. A chance de um jovem negro ser assassinado é 2,5 vezes maior do que a de um jovem branco...

R. Maravilha, vamos entregar a legitima defesa para a população. Ai a gente consegue diminuir um pouco a violência dentro das favelas.

As armas podem ajudar os gays a combaterem a violência homofóbica. Não vejo outra opção melhor do que combater a violência anulando ela em sua fonte

P. Mas você fala em armar a população em um momento no qual vários países, dentre eles os Estados Unidos, discutem medidas para restringir o acesso às armas. Você tem algum exemplo de país onde armar a população funcionou para reduzir a violência?

R. Você tem algum case de um país onde o desarmamento aumentou a segurança das pessoas? Não. Todos os países onde o desarmamento virou lei, principalmente na Europa, a população morreu de forma avassaladora e o número de homicídios aumentou. [Na realidade, a maioria dos países europeus proíbe a posse e porte de armas, e todos têm taxas de homicídio inferior à brasileira]. Se os loucos podem se armar, porque a população não pode se defender? O bandido pensará duas vezes antes de assaltar alguém se souber que a população está protegida.

P. Jair Bolsonaro, militar treinado, foi assaltado em 1995 quando era deputado. Ele estava armado e levaram sua pistola. À época ele disse que se sentiu “indefeso”. Como o cidadão comum vai conseguir se proteger?

R. O que nós estamos discutindo é a liberdade das pessoas poderem se defender. O direito à vida e à defesa não pode ser questionado, é absoluto. Não podemos tirar da população seu principal meio de proteção. Se aconteceu com o Bolsonaro, não é regra. A população precisa de teste psicológico e treinamento para poder portar arma de fogo.

P. Pretende atuar com projetos para dar segurança para a população gay?

R. Não, pretendo fazer um mandato para todos. Não tenho a menor preocupação com um grupo específico, e sim com a totalidade da população. Fui votado por todos. Ricos, pobres, LGBTs, héteros...

P. O senhor acha que uma arma pode combater a violência homofóbica?

R. Se o homofóbico vai para as ruas preparado para agredir e violentar, o gay precisa ter direito à legítima defesa, assim como a mulher para poder combater o estuprador. É uma questão de equidade na defesa. Então sim, as armas podem ajudar os gays a combaterem a violência homofóbica. Não vejo outra opção melhor do que combater a violência anulando ela em sua fonte. Você não acaba com a violência via política de conscientização e direitos humanos.

P. Nazismo é de esquerda, como afirmaram Bolsonaro e seu chanceler?

R. Para mim não. Eles defendiam abertamente a reforma agrária e estatização de empresas, têm muito mais similaridades com a esquerda do que conosco. Não quer dizer que era um regime de esquerda. Mas o nazismo e o comunismo andaram de mãos dadas na Segunda Guerra, Stálin e Hitler chegaram a fazer um pacto de não agressão.

Garcia em seu gabinete na Alesp.
Garcia em seu gabinete na Alesp.

P. A defesa de pautas por direitos para a comunidade LGBTs é associada às bandeiras da esquerda. Qual o papel de um político gay de direita no país? Acha que mais parlamentares de direita não se assumem gays por receio de repercussão ruim?

R. É verdade que a bandeira LGBT é frequentemente associada à esquerda. Mas veja: aqui na Alesp, quem é o único deputado assumidamente gay? Eu. Na bancada do PT tem algum deputado gay? Na bancada petista do Congresso? Não. Na Câmara Municipal, fora o Fernando Holiday, tem algum outro vereador gay? Não. Depois que eu me assumi gay o número de gays que apoiam o Bolsonaro e me procuraram para me parabenizar foi enorme. Acredito que na direita tem mais gay do que na esquerda. Mas as pessoas de direita não levam a orientação sexual em conta ao votar, votam nas ideias. Por isso pra gente não vale a pena criar um movimento LGBT de direita, categorizar assim.

P. Em que áreas pretende atuar com mais força na Assembleia?

R. Direitos Humanos. Sou titular da Comissão de Direitos Humanos e forte candidato à presidência, me falta um voto para vencer.

P. Por que esse interesse na área?

R. Acredito que no Brasil os direitos humanos foram muito deturpados. Quero fazer uma política de direitos humanos para humanos direitos. Quero atender as vítimas da violência e da criminalidade. Quero atender as famílias que morrem nas mãos de bandidos e as famílias de policiais militares mortos em serviço. E defesa das mulheres, quero muito trabalhar com isso. Podemos criar centros de formação de autodefesa para mulheres.

P. Você acha que os movimentos LGBTs não conquistaram nada para a comunidade?

R. Absolutamente nada. O que os movimentos LGBTs querem fazer com os gays é transforma-los em semideuses.

MAIS INFORMAÇÕES