Ferrovia Norte-Sul vale três vezes mais que previsto em edital, aponta estudo

Linha considerada a espinha dorsal do desenvolvimento logístico do país deve ser leiloada nesta quinta-feira com preço menor do que sugerido pela estatal Valec. Há duas empresas interessadas.

Um trecho da ferrovia Norte-Sul, no Tocantins.
Um trecho da ferrovia Norte-Sul, no Tocantins.PAC
Mais informações

O lance mínimo da concessão da ferrovia Norte-Sul, cujo o leilão ocorre nesta quinta-feira na Bolsa de Valores de São Paulo, deveria ser quase três vezes maior do que o que está previsto no edital. Para obter o contrato de operação do trecho central da ferrovia, considerada a espinha dorsal do desenvolvimento logístico do país, é necessário dar um lance pelo menos 1,3 bilhão de reais. Porém, o estudo que embasou a definição desse preço definido pelo Governo federal previa que esse trecho da ferrovia deveria ter a outorga mínima de 3,8 bilhões de reais. Este levantamento, chamado de estudo de avaliação econômica, é público. Foi elaborado em 2008 pela VALEC, a estatal responsável pelo planejamento e execução do sistema ferroviário brasileiro. Se os valores fossem atualizados, o lance deveria ser de 6,5 bilhões de reais.

O Ministério Público Federal, o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União e a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária – entidade que representa os ruralistas – afirmam que há uma série de vícios nesse certame, mas nenhum dos alertas demoveu o Governo Jair Bolsonaro (PSL) de ir à frente com o plano. O Planalto ignorou a solicitação de adiamento do leilão, assinou um acordo com o MPF e viu o ministro Augusto Nardes, conselheiro do Tribunal de Contas da União, acatar todos os argumentos do Ministério da Infraestrutura, e garantindo a realização da disputa.

A principal suspeita é a de que o leilão favoreceria a mineradora Vale ou uma empresa vinculada a ela. A principal delas é a VLI Multimodal S.A., uma das duas empresas que apresentaram propostas no leilão. Ela é uma companhia com participação da Vale, da Mitsui, da Brookfield do Fundo de Investimentos do FGTS. A outra hipótese era de que a outra beneficiada seria a Rumo Logística, a segunda empresa que apresentou um lance inicial. Esta é vinculada ao grupo Cosan. Uma terceira empresa, a MRS, que tem participação da Vale, não entregou propostas.

Como o edital não deixava explícito de que maneira se daria o direito de passagem, que é uma espécie de garantia para acessar os dois portos alcançados pela Norte-Sul, companhias estrangeiras acabaram se afastando da disputa e a deixando limitada. O acesso ao porto de Santos, na região Sudeste, é feito pela Malha Paulista, uma ferrovia que é concedida à Rumo. E ao porto de Itaqui, no Nordeste, é feito por duas ferrovias, a primeira etapa da Norte-Sul e a Estrada de Ferro Carajás. A primeira é controlada pela VLI e a segunda, pela Vale. Ao menos um grupo chinês e um russo estudaram participar do certame, mas desistiram.

Além de se comprometerem a pagar ao menos 1,3 bilhão ao Governo, o futuro concessionário terá de investir 2,7 bilhões de reais na ferrovia. Os valores estão longe de alcançar todo o dinheiro público investido até agora: 9,8 bilhões de reais. Apenas para efeito de comparação, em 2007, quando foi concedida a primeira etapa da Norte-Sul, a União obteve uma outorga de 1,4 bilhão de reais para uma linha férrea de 720 quilômetros entre os municípios de Açailândia (MA) e Porto Nacional (TO). Agora, estão sendo concedidos 1.537 quilômetros entre Porto Nacional e Estrela do Oeste (SP).

A suspeita de cartas marcadas na disputa resultou em manifestações no parlamento. Ao menos dois deputados ocuparam a tribuna da Câmara para se queixar do leilão. No Senado, a ruralista Kátia Abreu (PDT-TO) foi além. Ingressou com um pedido no Judiciário para barrar a disputa. Ela questiona o valor mínimo da outorga e o direito de passagem. Entre técnicos ouvidos pela reportagem, a expectativa é que essa decisão não ocorra favoravelmente à parlamentar. As chances de suspensão do leilão são reduzidas.

Extinção da Valec

Enquanto leiloa o principal corredor férreo do país a um preço considerado reduzido, o Governo Bolsonaro estuda extinguir a Valec, uma estatal com quase 800 servidores, boa parte deles especializados em ferrovias. O ministro Tarcísio de Freitas disse, no início do mês em audiência no Senado Federal, que ainda não havia uma decisão sobre o assunto. Porém, decidiu postergar a discussão para não interferir no principal leilão do setor. A expectativa é que na primeira reunião do Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos, no início de abril, esse tema volte à pauta.

Se a Valec for extinta, suas atribuições seriam redirecionadas para um órgão vinculado ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT). O setor tem menos de 20 funcionários e eles se tornariam os responsáveis por planejar as ferrovias do país.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: