Guinada sul-americana à direita se consuma com enterro da Unasul

Presidentes da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai e Peru criam o Prosul. É a nova organização regional de orientação conservadora do continente

Os presidentes de Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai e Chile e o embaixador da Guiana George Talbot em reunião do Prosul.
Os presidentes de Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Peru, Paraguai e Chile e o embaixador da Guiana George Talbot em reunião do Prosul.Rodrigo Garrido / REUTERS

Mais informações

À guinada sul-americana à direita está consumada. A Unasul, organização multilateral patrocinada pelo venezuelano Hugo Chávez há mais de 10 anos, morreu. Em seu lugar nasceu o Fórum para o Progresso da América do Sul, ou Prosul, um novo bloco regional afinado com os novos tempos políticos. Os governos de esquerda que dominaram a década passada e boa parte da atual foram substituídos, pouco a pouco, por outros de perfil conservador. A criação do Prosul foi uma iniciativa do Chile e Colômbia à qual depois se somaram Brasil, Equador, Argentina, Peru e Paraguai. Só ficaram de fora a Bolívia e o Uruguai, onde a esquerda goza de boa saúde, e, evidentemente, a Venezuela, o inimigo comum do novo bloco.

Esta nova tentativa de integração nasceu sobre as cinzas da Unasul, abandonada pelos novos sócios por considerarem-na prejudicada pela “ideologia de esquerda” que lhe deu origem. Há uma década, os motores do processo eram Chávez na Venezuela, Néstor Kirchner na Argentina e Luis Inácio Lula da Silva no Brasil. Os dois primeiros morreram, e o terceiro está preso por corrupção. A esquerda vive momentos difíceis na América do Sul. O Prosul, prometeram seus criadores, será diferente. “Trata-se de uma ferramenta de cooperação, de diálogo, sem ideologização alguma”, afirmou o colombiano Iván Duque logo depois de um encontro bilateral com o chileno Sebastián Piñera no palácio de La Moneda. Sobre a exclusão da Venezuela e o perfil conservador de todos os sócios, Piñera esclareceu que o bloco foi pensado como “um polo da democracia, da liberdade e do respeito aos direitos humanos". "Isso não é ideologia, são valores e princípios", acrescentou.

As diferenças entre os dois blocos foram evidentes desde a primeira foto. Aquelas dos presidentes com roupa informal e de mãos dadas diante das câmeras no encerramento de cada cúpula foi substituída por uma típica foto de família, com chefes de Estado firmes e o olhar cravado na lente. A primeira imagem do Prosul mostrou o anfitrião Piñera com Duque (Colômbia), Mauricio Macri (Argentina), Lenín Moreno (Equador), Mario Abdo Benítez (Paraguai), Martín Vizcarra (Peru) e Jair Bolsonaro. O brasileiro aterrissou em Santiago depois de se reunir em Washington com o seu homólogo norte-americano, Donald Trump. O Chile foi o primeiro destino internacional de Bolsonaro como presidente, contrariando a praxe segundo a qual os presidente brasileiros inauguram seus mandatos viajando à Argentina, o grande parceiro comercial do país.

Bolsonaro conseguiu captar toda a atenção, mas preferiu a discrição. “Não vou falar de Pinochet”, disse assim que chegou a Santiago. A explicação não foi casual: há um mês, durante um encontro com o paraguaio Abdo Benítez na fronteira, disse que o falecido ditador Alfredo Stroessner tinha sido “um estadista”. Claro que no sábado terá uma nova oportunidade, porque Bolsonaro viajou ao Chile em visita oficial e prolongará sua estadia até o dia seguinte, quando manterá um encontro privado com Piñera. Nesta sexta-feira, entretanto, limitou-se a assinar a declaração de nascimento do Prosul, um texto de duas páginas que não teve a adesão dos representantes da Bolívia e Uruguai, países que participaram apenas como observadores.

O Prosul nasceu com o espírito da Aliança do Pacífico, o bloco econômico que une Chile, Colômbia, Peru e México. Ou seja, com a promessa de pouca burocracia, estrutura simples, sem secretariado e baixo custo. “Este espaço deverá ser implementado gradualmente (…), com um mecanismo ágil de tomada de decisões que permita avançar a América do Sul em entendimentos e programas concretos de integração”, diz a declaração presidencial assinada em Santiago. Os temas de incumbência do novo bloco serão a “integração em matéria de infraestrutura, energia, saúde, defesa, segurança e combate ao crime, prevenção e manejo de desastres naturais”. O texto não mencionou o comércio, uma pauta que ficou a cargo da Aliança do Pacífico e do Mercosul, o segundo bloco regional, integrado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

O Prosul se soma a uma dezena de outras iniciativas de integração pan-americana que hoje compõem uma complexa estrutura com objetivos cruzados e muitas vezes contraditórios. Muitas delas são bastante antigas, como a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Comunidade Andina, e outros são mais recentes, como a Celac e a Aliança do Pacífico. Nenhuma dessas organizações conseguiu até agora cumprir o eterno projeto da integração latino-americana.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50