Ao menos 100 pessoas são presas em manifestação da ultradireita em Bruxelas

Marcha contra o pacto migratório da ONU acaba em enfrentamento com a polícia

Manifestação da extrema direita em Bruxelas.
Manifestação da extrema direita em Bruxelas.DELMI ÁLVAREZ
Mais informações

Uma manifestação convocada pela extrema direita belga contra o Pacto Mundial sobre Migração da ONU terminou neste domingo com agressões em frente às instituições europeias em Bruxelas e cerca de 100 pessoas foram presas. A marcha tinha sido proibida pelas autoridades de Bruxelas, mas na sexta-feira passada foi finalmente autorizada pelo Conselho de Estado. Segundo a polícia, participaram do protesto mais de 5.500 pessoas. Cerca de 1.000 cidadãos se concentraram, também ao meio-dia, para apoiar o pacto migratório.

Apesar de a manifestação ter sido convocada em Schuman, onde estão a Comissão Europeia e o Conselho, quem participou dela partiu ao meio-dia da Estação Central de Bruxelas e fez todo o percurso até chegar às instituições europeias. Pelo caminho, entoaram cantos e frases contra a esquerda, a favor do fechamento de fronteiras e contra o primeiro-ministro belga, Charles Michel.

O governante, inclusive, já viu sua coalizão de governo ser quebrada a propósito da assinatura do pacto em Marrakesh. Depois de Michel anunciar que a Bélgica assinaria a declaração e buscaria apoios parlamentares para isso, os nacionalistas flamencos da N-VA (Nova Aliança Flamenga, partido de centro direita da Bélgica) decidiram sair do Executivo. A decisão mergulhou o Governo em uma profunda crise a apenas seis meses das eleições do país. O Parlamento já pediu a ele que se submeta a uma moção de confiança.

Os manifestantes de extrema direita, em frente à Comissão Europeia.
Os manifestantes de extrema direita, em frente à Comissão Europeia.Delmi Álvarez

A N-VA não estava entre os convocadores da marcha de ultradireita do domingo, porém, apesar de o ex-secretário de Estado da Migração e membro do partido Theo Francken —conhecido por seus comentários contra a imigração— ter postado no sábado no Facebook um vídeo no qual demonstrava seu apoio aos manifestantes. Mesmo assim, pediu a eles que dirigissem suas queixas contra as instituições e não contra os imigrantes. Entre os organizadores e participantes da manifestação estavam a ultradireita flamenca do partido Vlaams Belang, a Associação de Estudantes Católicos Flamencos (KVHV) e a Associação de Estudantes Nacionalistas (NSV).

Os manifestantes começaram a marcha com gritos e cartazes contra a imigração acompanhados de bombas e fumaça. O percurso, de menos de meia hora a pé, separava o centro da cidade de Bruxelas de Schuman, onde estão localizadas as instituições europeias. Ali começaram as discussões e os ataques. Os mais graves ocorreram junto ao edifício de Berlaymont, a sede da Comissão Europeia. Um grupo de manifestantes arrancou paralelepípedos da rua e atirou contra os agentes. A agência de notícias belga informou que um vidro da Comissão Europeia foi quebrado.

A polícia precisou intervir sobretudo quando, no fim da marcha, um grupo entre 200 e 300 pessoas ficou ao redor da Comissão Europeia e transformou o fim da marcha em uma batalha campal. Os corpos de segurança responderam às agressões dos manifestantes com gás lacrimogêneo e um canhão de água para dispersar os violentos. No meio da tarde, a polícia informou que cerca de cem prisões foram realizadas.

Lançamento de objetos contra os policiais durante o protesto.
Lançamento de objetos contra os policiais durante o protesto.FRANCOIS LENOIR (REUTERS)

A marcha aconteceu entre as 12h e as 15h, horário local. No mesmo horário, cerca de 1.000 pessoas se concentraram de forma pacífica também em Bruxelas para defender o pacto migratório e pedir que os cidadãos procedentes de outros países não sejam estigmatizados.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: